sábado, 28 de janeiro de 2017

CORPO DE DANÇA DO AMAZONAS APRESENTA TRÊS ESPETÁCULOS EM CURTA TEMPORADA NA CAIXA CULTURAL FORTALEZA

Em Um Norte que Dança, os bailarinos pretendem fazer um intercâmbio cultural, difundindo a história do grupo  


"A Sagração da Primavera" é um dos espetáculos da companhia. Foto: Bárbara Umbra

A CAIXA Cultural Fortaleza apresenta, de 9 a 12 de fevereiro de 2017, o espetáculo Um Norte que Dança, do Corpo de Dança do Amazonas. Durante quatro dias, os bailarinos interpretam três espetáculos: Cabanagem, no dia 9, Milongas, no dia 10 e, para finalizar, A Sagração da Primavera, nos dias 11 e 12.

O projeto tem como objetivo fazer um intercâmbio e a difundir a produção de dança do Amazonas. Por isso, após os espetáculos, serão realizadas palestras com o tema "Processos de criação do Corpo de Dança do Amazonas", com Getúlio Lima, diretor da companhia e bailarinos.

“Esse processo de troca de experiências proporciona ao artista refletir sobre ser, estar e agir no mundo, construindo e reconstruindo suas concepções artísticas e sua atuação na sociedade”, explica João Fernandes, diretor do Casarão de Ideias, responsável pela produção da circulação pelos espaços da CAIXA Cultural. 

Os espetáculos

A Sagração da Primavera é uma obra que retrata a visão fugaz de um ritual pagão eslavo no qual uma jovem dança até a morte, como oferta ao Deus da Primavera. Com música de Igor Stravinsky, Sagração foi concebida originalmente por Vaslav Nijinsky para a companhia Ballets Russes, do empresário Sergei Diaghilev e, tanto música como coreografia, revolucionaram a arte desde então.

Os coreógrafos Adriana Goes e André Duarte retiram a obra do seu contexto inicial e fazem uma releitura imersa na cultura indígena: a sagração se passa no Ritual da Moça Nova, cultura característica da tribo Tikuna, onde uma jovem índia, ao menstruar pela primeira vez, é retirada do convívio social e no período de reclusão a menina moça, Worecü, dedica-se a trabalhos manuais intimamente ligados às mulheres.

Worecü passa por rituais onde lhe arrancam os cabelos e amarram seus membros, a fim de simbolizar a morte do corpo infantil e nascimento do corpo adulto. Os índios são responsáveis pela confecção do local de reclusão e de alguns adereços usados pela moça nova.

Munidos desses elementos, os coreógrafos ambientam A Sagração da Primavera sob o ponto de vista de Worecü. Ao mesmo tempo em que receia a solidão e a violência contra seu corpo, ela anseia por esse momento importante da sua vida: a passagem para a vida adulta.

Cabanagem foi uma revolta popular onde negros, índios e mestiços insurgiram contra a elite política na região Norte do Brasil, no período regencial. Diversas batalhas fizeram com que o movimento ficasse marcado pela violência.

O coreógrafo Mário Nascimento iniciou o seu trabalho mergulhado no universo dos Cabanos através da literatura de Márcio Souza e Marilene Corrêa. O espetáculo apropria-se da essência da Cabanagem e utiliza a linguagem de Mário Nascimento para traduzir o espírito de resistência, de luta, de revolta, de preservação das culturas de determinado local.

Milongas foi apresentado pela primeira vez em 2010 e foi remontado com novo formato. Com coreografia de Monique Andrade, ele vem ressaltar a contemporaneidade dos estilos, unindo o tango tradicional com o eletrônico e a dança de salão com a dança contemporânea, sem perder a essência das milongas, que surgiu como estilo musical e como dança em Andaluzia (Espanha), no fim do século 19, tornando-se popular no subúrbio de Montevidéu e Buenos Aires. Mais tarde, a milonga foi absorvida pelo tango.

Os alinhamentos clássicos de dança foram agregados aos elementos da dança moderna e contemporânea, misturando-se ainda com o estilo da dança de salão. Os figurinos fogem dos modelos tradicionais do tango,

O Corpo de Dança do Amazonas: Foi criado em 1998 pelo Governo do Estado do Amazonas, através da Secretaria de Cultura, para compor os Corpos Artísticos do Teatro Amazonas. A companhia mantém uma programação artística com repertório diverso, onde objetiva apresentar a diversidade cultural local por meio da pluralidade da dança contemporânea. Para isso tem realizado criações com a colaboração de artistas convidados do Brasil e do exterior.

O CDA é referência em dança contemporânea no Estado. Atualmente, o grupo está entre as grandes companhias de dança do Brasil, pela qualidade técnica e artística que sempre apresenta em seus trabalhos. Em seu repertório o grupo contém mais de 50 obras de diversos coreógrafos brasileiros e estrangeiros. Através de suas ações visa a difusão da dança contemporânea, o aprimoramento técnico e artístico, a pesquisa, o desenvolvimento de projetos artístico-culturais e a formação de um público crítico, que receba em cada apresentação a qualidade, a energia e a paixão que a companhia tem no seu jeito de fazer dança.

Serviço:

Dança: Nortes que dançam
Local: CAIXA Cultural Fortaleza
Endereço: Av. Pessoa Anta, 287, Praia de Iracema
Data: 9 a 12 de fevereiro de 2017 (Dia 9: Cabanagem | Dia 10: Milongas | Dia 11 e 12: A Sagração da Primavera)
Horários: quinta a sábado, às 20h | domingo, às 19h
Duração: Cabanagem – 45 minutos | Milongas – 45 minutos | A Sagração da Primavera - 38 minutos
Classificação indicativa: Livre
Ingressos R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia)
Vendas a partir do dia 08/02 , das 10h às 20h, na bilheteria do local (venda restrita a quatro ingressos por pessoa e dois ingressos por sessão)
Acesso para pessoas com deficiência e assentos especiais
Serviço de manobrista gratuito no local 

Informações gerais | Bilheteria da CAIXA Cultural Fortaleza: (85) 3453-2770


VIDEOS DOS ESPETÁCULOS:

Dia 09/02- Cabanagem
Coreógrafo: Mário Nascimento 
Vídeo de Cabanagem: https://youtu.be/yf9YArTmOhE 

Dia 10/02- Milongas
Coreógrafa: Monique Andrade
Video de Milongas: https://youtu.be/8R8rhdG_yJ0 

Dias 11/02 e 12/02 - A Sagração da Primavera
Coreógrafos: Adriana Goes e André Duarte
Vídeo de Sagração da Primavera: https://youtu.be/jSllKH8NdFI 
Enviar

Deixe seu comentário: