quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Pimentel compareceu a todas as sessões deliberativas do Senado, em 2016

A assiduidade do senador consta de relatório oficial da Casa
O senador José Pimentel (PT-CE) compareceu a todas as 71 sessões deliberativas ordinárias realizadas no Senado Federal, em 2016. A presença constante de Pimentel na Casa consta de relatório oficial da mesa diretora do Senado, com informações sobre as atividades legislativas do ano passado.
Além do trabalho em plenário, Pimentel também teve participação ativa nas comissões temáticas do Senado. No ano passado, o senador integrou as comissões de Constituição e Justiça (CCJ), de Assuntos Econômicos (CAE), de Assuntos Sociais (CAS), de Infraestrutura (CI), de Desenvolvimento Regional (CDR) e de Relações Exteriores (RE).

O senador também foi membro da Comissão Especial do Extrateto. O colegiado foi criado para examinar o pagamento de salários acima de R$ 33,7 mil por mês, que é o teto permitido pela Constituição Federal para o serviço público. A comissão encerrou seu trabalho ainda em 2016 e as propostas do colegiado já foram aprovadas pelo Senado e seguiram para análise na Câmara dos Deputados.

Pimentel foi escolhido ainda para integrar o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, além das comissões especiais criadas para acompanhar obras inacabadas e as obras do rio São Francisco.

O senador também participou da Comissão Especial que analisou a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta da República, Dilma Rousseff, no Senado. Pimentel trabalhou para evitar que a democracia fosse violada por um golpe de estado.

Liderança - Até maio de 2016, Pimentel ocupou o cargo de líder do governo da presidenta da República, Dilma Rousseff, no Congresso. Nesse período, ele foi responsável pelo acompanhamento da tramitação de 16 medidas provisórias editadas pelo governo Dilma. As MPs são analisadas pelas comissões mistas integradas por deputados federais e senadores. Pimentel deixou a liderança logo após a aprovação da admissibilidade do impeachment da presidenta Dilma. 
Enviar

Deixe seu comentário: