terça-feira, 28 de março de 2017

[CARCINICULTURA] Ministro Marcos Pereira e deputado Danilo Forte debatem sobre os efeitos da importação de camarão no Ceará e no Brasil

Imagem inline 1



Após retornar de missão oficial do Parlamento Latino-Americano no México, o deputado federal Danilo Forte (PSB-CE) participou de reunião, na tarde desta segunda-feira (27), com o Ministro Marcos Pereira. Na pauta, a cultura de produção de camarão no Ceará e os efeitos de uma possível liberação da importação de camarão do Equador.

Durante o encontro, Danilo Forte apresentou documentos da Associação Brasileira dos Criadores de Camarão (ABCC) apontando os riscos sanitários e para a geração de empregos, tanto no contexto industrial como artesanal, com a autorização da importação. “O mesmo documento que entreguei ao presidente Michel Temer, trouxe para o ministro Marcos Pereira. Nos preocupa a possibilidade dessa liberação acontecer devido a possibilidade de contaminação dos crustáceos nativos e a inevitável diminuição na oferta de empregos para o nosso povo. O que nós precisamos é investir no nosso mercado, que tem potencial e precisa de estímulos”, diz Danilo Forte.

Uma comissão interna vai analisar a demanda do parlamentar. “Vamos retomar o assunto e solicitar as informações necessárias ao Ministério da Agricultura para analisar e verificar o que deve ser feito. Em seguida, vamos marcar uma reunião com integrantes da ABCC para ouvi-los”, afirma o ministro Marcos Pereira. 

De acordo com a ABCC, o Ceará é um dos maiores produtores do crustáceo no país. O Estado produziu 76 mil toneladas de camarão em 2015, representando 65,7% da produção nacional. A associação destaca, ainda, que a economia pesqueira brasileira, tem na exploração dos seus crustáceos (caranguejos, camarões e lagostas), a geração de emprego, renda e meios de subsistência para mais de 20 mil famílias, notadamente nas regiões Norte e Nordeste do país.
Enviar

Deixe seu comentário: