segunda-feira, 3 de abril de 2017

CCBN ficou lotado neste sábado, na estreia do Jazz em Cena, com Priscilla Odinmah (EUA) e grandes músicos do Ceará 




O público lotou o Centro Cultural Banco do Nordeste na noite deste sábado, 1/4, na estreia do projeto "Jazz em Cena", novo programa permanente de shows de jazz em Fortaleza, com apresentações dois sábados a cada mês, sempre às 19h, com entrada franca. Com muitas cadeiras extras para acomodar as mais de 220 pessoas que assistiram ao show "Monk´s Songs - Tributo a Thelonious Monk", mesmo após as fortes chuvas que caíram ao longo de todo o dia na capital cearense, foi uma noite de emoção, virtuosismo, alegria, criatividade, improvisação e muitos, muitos aplausos à jovem cantor anorte-americana Priscilla Odinmah, ao guitarrista Hermano Faltz (diretor musical do show), ao pianista Thiago Almeida, ao contrabaixista Iury Batista e ao baterista André Benedecti.

Todos se superaram em performances memoráveis, tanto nos solos e improvisações, quanto na interação uns com os outros e com o desafiador e saboroso repertório de Thelonious Monk, com seus temas que ganharam letras e se tornaram canções capazes de conquistar o público, interpretadas pelos jovens mestres da nova cena musical do Ceará. 

Partindo de um lado diferente da obra do mestre, com as canções reunidas pela cantora norte-americana Carmem McRae no antológico disco de 1988, o show foi aberto com as instrumentais "Straight no chaser" e "Ask me now" demonstrando toda a riqueza da música de Thelonious e todo o virtuosismo dos jovens instrumentistas cearenses, até a entrada de Priscilla Odinmah no palco, encarando logo de saída a suingada e desafiadora "Listen to Monk". O público entendeu de imediato o recado e aplaudiu a impressionante voz e o apurado senso rítmico, melódico, de afinação e expressão da cantora norte-americana, que também chamou atenção ao falar português fluentemente, cumprimentando o público.

O suingue e a energia de "I mean you" arrancaram mais aplausos entusiasmados do público, com seus crescendos e stacatos ressaltados pela interpretação de Priscilla e pelo desafio para os músicos, que corresponderam à altura, passando pelos desafios rítmicos mas também com ampla liberdade para improvisação, com novas palmas a cada solo de Iury Batista, Thiago Almeida, André Benedecti, Hermano Faltz.

Baixando um pouco o beat, "Blue Monk" trouxe a sensualidade do blues à cena, ressaltando ainda mais a beleza e a afinação da voz de Priscilla Odinmah. Assim como no clássico "Pannonica", uma das músicas mais sedutoras e aplaudidas da noite, nas harmonias e melodias da guitarra de Hermano, na improvisação do baixo de Iury, na voz enternecedora de Priscilla.

E então um dos grandes momentos do show: sozinhos no palco, Priscilla Odinmah e Thiago Almeida esculpiram uma versão magistral para a eternamente bela e enigmática "Round midnight", com o piano percorrendo novos caminhos, expandindo a harmonia, para respostas intuitivas e impressionantes da voz, em um dueto perfeito, de muita técnica, mas sobretudo de entrega, sentimento, transcendência.

Foi como se o silêncio absoluto na plateia se espalhasse pelo Centro, pela cidade, pelo mundo, parando o tempo, instaurando um tácito entendimento coletivo, como se nada mais importasse, além da entrega à arte, ao ser, ao coração. Sob as benção de Thelonious e de seu tema definitivo, criado há tantos anos, nas mesmas brancas e pretas de um piano tal qual o de Thiago. Quebrado apenas pelos longos aplausos ao final, por espectadores que se entreolhavam certos de ter, mais do que testemunhado, participado e contribuído de forma fundamental para um momento inesquecível e impossível de repetir.

Todos no palco

Com todos os músicos retornando ao palco, o público pôde apreciar a retomada das aventuras rítmicas de Thelonious, com a festa de "Suddenly (in walked Bud)" celebrando os grandes mestres do jazz. Antes de um grande take de "Well you needn´t", coroando também o baterista André Benedecti, que brilhou muito  ao longo de todo o show, em outro clássico revisitado com categoria e liberdade, levando a caminhos inesperados e convidando o público a mergulhar junto.

Após mais aplausos e agradecimentos, o bis com "I mean you" fechou um show memorável, com lotação máxima no CCBN e a certeza de que não poderia haver estreia melhor para o "Jazz em Cena".

Próximos shows

O projeto tem novo show no CCBN no dia 22 de abril, sábado, 19h, com o espetáculo "Jazz Cigano - Tributo a Django Reinhardt", um dos mais aplaudidos dos últimos tempos em Fortaleza, reunindo Marcos Maia (violão e direção musical), a grande cantora Paula Tesser, Paulo Leniuson (violino), Claudio Miranda (contrabaixo acústico), Lucas Araújo (violão) e Marcelo Holanda (bateria).

Em maio o público vai conferir os shows "Lady Sings the Blues - Tributo a Billie Holiday" (dia 6), com a cantora Idilva Germano, direção musical de Luciano Franco (guitarra) e presença de Jorge Matheus Doudemont (saxofone tenor), Tito Freitas (piano), André Benedecti (bateria), e "Giant Steps - Tributo a John Coltrane" (dia 20), com Marcio Resende (saxofone tenor), Thiago Almeida (piano), Iury Batista (contrabaixo acústico) e David Krebs (bateria). Sempre com entrada franca. Todos bem-vindos ao Jazz em Cena!
Enviar

Deixe seu comentário: