domingo, 9 de abril de 2017

Programação cultural Dragão do Mar de 11 a 16 de abril de 2017

Programação cultural de 11 a 16 de abril de 2017


FUNCIONAMENTO DO CENTRO DRAGÃO DO MAR

Geral: de segunda a quinta, das 8h às 22h; e de sexta a domingo e feriados, das 8h às 23h. Bilheteria: de terça a domingo, a partir das 14h.
Cinema do Dragão-Fundação Joaquim Nabuco: de terça a domingo, das 14h às 22h.
Museus: de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); sábado, domingo e feriados das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.
Multigaleria: de terça a domingo, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.

OBS.:Às segundas-feiras, o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura não abre cinema, cafés, museus, Multigaleria e bilheterias.





► Teatro da Terça [Temporada de Arte Cearense]
As Bondosas
Cia de Teatro Lua
Astúcia, Angústia e Prudência são três carpideiras (mulheres que acompanham funerais, pranteando os mortos) que estão saturadas do ofício. Encarregadas de velar o corpo da filha mais jovem de uma família aristocrática, surpreendem-se com o comportamento pouco ortodoxo dos membros da família, a começar pela própria falecida, morta em estranhas circunstâncias.
Dias 11, 18 e 25 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Gratuito. Classificação: 12 anos.
Contato: Ueliton Roncon (85) 99627-8229 (85) 3251-5174 (85) 3299-3175 uelitonrocon@gmail.com





► Nas Ruas do Dragão [Temporada de Arte Cearense]A GranjaNóis de Teatro
O espetáculo “A Granja” estreou em maio de 2009 e hoje ele é, para o Nóis, o contato mais forte com a linguagem popular e brincante do teatro de rua tradicional. Surge pela necessidade de narrar as inquietações dos artistas do grupo enquanto moradores de um bairro de periferia. 
O cotidiano, as conquistas e os problemas urbanos das favelas são apresentados, discutindo, em cena, as relações de opressor e de oprimido estabelecidas nas lutas de classe. Utilizando como referência a obra “Ubu Rei”, de Alfred Jarry, o texto fala de como “Zé da Granja” se tornou um grande imperador, revelando o controle social, a alienação popular e a territorialização das favelas. Com poesia popular e brincadeira, o espetáculo propõe um ato novo, tão difícil de encontrar na atual sociedade: a possibilidade da construção do pensar.
Dias 13, 20 e 27 de abril de 2017, às 19h, no Espaço Rogaciano Leite Filho. Acesso gratuito.
Contato: Altemar Monteiro (85) 98746-8512 gruponois@yahoo.com.braltemargm@yahoo.com.br



► Quinta com Dança [Temporada de Arte Cearense]TravessiaStudio de Dança Katiana Pena
O espetáculo Travessia é uma reflexão sobre a vida urbana de periferia, uma leitura do mundo sob a ótica de quem está à margem, sem obrigatoriamente ser “marginal”. É um jornal do dia. Isso porque traz ao palco as contradições do sistema que faz sofrer o preto pobre, o branco pobre, o amarelo pobre, o multicolorido pobre.
Dias 13, 20 e 27 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação: Livre.
Contato: Bruno Mattos (85) 98529-8062 (85) 98673-9418 brunomattos780@gmail.com





► [Palestra] Golpe de Vista
Esta edição do Golpe de Vista trata sobre o espaço urbano de Fortaleza e das resistências de nossos ecossistemas frente à devastação da natureza da cidade. No último século, nossa cidade sofreu intensa transformação que foram de encontro com as paisagens naturais.
A fotografia de natureza é ampla. Enquadram-se paisagens cuja presença marcante da fauna, flora, fenômenos meteorológicos e todo o ecossistema nos convida a múltiplas reflexões. Para se ter uma boa foto, é necessário muita calma e paciência, a espera do momento certo, uma interação silenciosa e importante com a natureza.
A maior contribuição da fotografia de natureza é a conscientização que através da educação ambiental ela pode trazer. Hoje em dia, o mundo comunica-se de forma muito visual e a fotografia nunca foi tão popular e acessível. Portanto, as pessoas param mais para admirar uma foto de natureza e com isso trazer aspectos positivos, no que diz respeito à conscientização ambiental, e difusão de mecanismos de proteção.

Os fotógrafos desta edição nos trarão fotos impactantes de como animais e vegetais resistem à desmatamento, poluição das águas, dos solos e do ar, esgotamento dos recursos naturais e da exuberância de nossa natureza que dentro da urbanidade resiste aos impactos e agressões constantes.
Uma edição sobre fotoativismo ambiental e conscientização ecológica.

Sobre os convidados

Galba Nogueira
Galba Nogueira é fotógrafo e sociólogo. Iniciou sua vida artística em 1993 nas artes cênicas. Ganhador do premio Chico Albuquerque de fotografia em 2014 e ganhador do Concurso Cultural Sua Foto da National Geographic, apontado pelo mesmo site entre as “Top 10” das fotografias mais compartilhadas do ano de 2016.
Desde 2010 vem desenvolvendo o projeto “Fotos-Sínteses”, investigando as performances das espécies silvestres na cidade a partir da fotografia. Com foco nos espaços públicos da urbe como parques, praças, lagoas, mangues e praias, o projeto quer revelar a disputa na cidade pela sobrevivência de espécies como Golfinhos, bem-te-vis, gaviões, garças, camaleões, iguanas e suas resistências a um processo acelerado de habitação humana.

Lucas Dib
Lucas de Medeiros Dib, 28, sempre teve contato com animais domésticos e silvestres. Nasceu e cresceu em sítio e sempre observou aves e outros bichos. O passatempo preferido quando criança era coletar insetos durante o dia e soltar a noite. Sempre gostou de estar em ambientes naturais, mais do que em ambientes urbanos. Autodidata na fotografia, aprendeu observando o trabalho de grandes mestres, como Araquém de Alcântara, José Albano, Sebastião Salgado, Maurício Albano.

Gentil Barreira
Autodidata, iniciou as primeiras experiências com fotografia aos 11 anos, montando um pequeno laboratório para revelar seus filmes. Estudou Arquitetura e Urbanismo em São Paulo, mas antes de concluir resolveu voltar a Fortaleza, onde vive até hoje. Ingressou e frequentou por dois anos o curso de Comunicação na UFC, período em que profissionalizou-se como fotógrafo. A influência dos experimentos da Arquitetura e os conceitos e ideias da Comunicação marcaram de forma decisiva seu trabalho e as pesquisas que desenvolve com a fotografia. Para atender aos segmentos de publicidade, moda, retratos e arquitetura, montou um estúdio e vem atuando nesse mercado até o momento.
Desenvolve paralelamente trabalho autoral com foco na pesquisa documental e em estudos de luz e movimento. Realizou diversas exposições individuais e participou de importantes coletivas, no Brasil e no exterior. Sua obra, diversas vezes premiada, está presente em acervos de instituições culturais e representada em livros, catálogos, revistas e sites.
Dia 12 de abril de 2017, às 19h, no Auditório. Acesso gratuito.

Contato: Eden Barbosa: golpedevista.fotoclube@gmail.com | edenbarbosa.foto@gmail.com | 988363715 - oi | 998630499 – tim





► [Dança] Graça
Companhia da Arte Andanças
Graça é um trabalho que resultou do encontro das coreógrafas Andréa Bardawil e Graça Martins, por ocasião do edital Rumos Itaú Cultural Dança, em 2010, em busca de realizar uma pesquisa cênica em comum. Partindo de trajetórias distintas, cultura popular e dança contemporânea se alinhavam e se fortalecem nas práticas cotidianas de ambas. 
Do encontro, entre diálogos e conversas gravadas ao longo de seis meses de trabalho, uma pequena mostra das inquietações que atravessam os modos de fazer, resquícios de inquietações que permeiam a prática da dança contemporânea e das danças tradicionais. De que afetos somos capazes nesse exercício de aproximação? Acordar em nós uma simplicidade despretensiosa – que não implica em gratuidade – é do que se trata aqui.
Dias 14, 15 e 16 de abril de 2017, às 20h, no Teatro Dragão do Mar. Ingressos: R$ 12 e R$ 6 (meia). Classificação Livre.
Contato: Andréa Bardawil 85 98697.7288




► Teatro Infantil [Temporada de Arte Cearense]IrokoEdivaldo Batista
Iroko é espetáculo para crianças do ator-pesquisador Edivaldo Batista, onde se utiliza das narrativas mitológicas do povo ioruba para apresentar o orixá Iroko. Na cena o ator se utiliza de máscaras para compor as figuras principias que representam a lenda tradicional de um deus que mora dentro da arvore sagrada Iroko.
Dias 15, 16, 22 e 23 de abril de 2017, às 17h, no Teatro Dragão do Mar. Ingresso: R$ 10 e R$ 5 (meia). Classificação livre.
Contato: Edvaldo Batista (85) 99619-5634 batistaproducao10@gmail.com



► Polifonias [Temporada de Arte Cearense]Eletrocactus + Água de Quartinha [música]

Eletrocactus - show Todo Cearense Fala Cantando
Universo repartido em cores. Chão esfacelado em sons. Barulho que vem chegando de longe. Perto passa, fica.
Dialogando com os mais díspares elementos hamônico-melódicos da música universal, as bases sonoras da música nordestina aparecem de maneira natural no som do grupo. Maracatu, baião e frevo na estrutura rítmica; embolada, repente e cantoria na construção poética e execuções vocais; acordes e escalas e rock, blues e jazz.
A Eletrocactus tem sua substância humana formada por Roberto César Lima (R.C.) com a voz, Gledson Rocha à guitarra, Gleucimar Rocha ao violão, Wesdley Vasconcelos ao contrabaixo e Mauricélio Lima à bateria. O cantor e violonista Marcelo Holanda se integra ao grupo a partir da festa de lançamento, enriquecendo o som e a alma da banda. Acompanha a banda ainda o percussionista Marcos Cortez.
+
Água de Quartinha – Lançamento do disco Casa Labiríntica
A banda cearense Água de Quartinha apresenta o show de lançamento do disco Casa Labiríntica, produzido de forma independente, que contou com a captação, mixagem, masterização, e produção musical de Roque Ney Mota (Casa de ensaio estúdio) e teclados de Ivan Timbó. O disco, distribuído pela Tratore, pode ser encontrado nas principais plataformas de streaming (Spotify, Deezer, YouTube, etc.) e lojas digitais (iTunes, Google Play, Amazon, entre outras).

Dia 15 de abril de 2017, às 20h, no Anfiteatro. Acesso gratuito. Classificação: Livre.

Contatos
Eletrocactus - César Lima da Silva (85) 98828-6405 (85) 3291-1614 (85) 99695-4800 rc1307@gmail.com
Água de Quartinha - Toti Lima (85) 99775-1641 (85) 98884-8195 toti.musbass@gmail.com






// TODA SEMANA NO DRAGÃO DO MAR

Feira Dragão ArteFeira de artesanato fruto da parceria com Sebrae-CE e Siara-CE.Sempre de sexta a domingo, das 17h às 22h, ao lado do Espelho D'Água. Acesso gratuito.

Planeta Hip HopGrupos promovem exibições de dança e música hip hop.
Todos os sábados, às 19h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.

Brincando e Pintando no Dragão do MarBrincadeiras e atividades infantis orientadas por monitores animam a criançada na Praça Verde.Todos os domingos, das 16h às 19h, na Praça Verde. Gratuito.

Fuxico no DragãoAtrações artísticas e uma feirinha com vinte expositores de produtos criativos em design, moda e gastronomia agitam as tardes de domingo.Todos os domingos, das 16h às 20h, na Arena Dragão do Mar. Gratuito.



// PLANETÁRIO RUBENS DE AZEVEDO
O Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura informa que o Planetário Rubens de Azevedo passa por manutenção corretiva. Está, portanto, temporariamente fechado para atendimento ao público.


// EXPOSIÇÕES EM CARTAZ

► Exposição "Miolo de Pote: a cerâmica cearense primitiva e atual" [Salas 3 e 4]
Reúne uma série de peças feitas de barro, a mostra apresenta o dinamismo e vivacidade desta arte ancestral e milenar, no Ceará, além de trazer ainda a contribuição de artistas plásticos e visuais como Bosco Lisboa, Gentil Barreira e Tiago Santana.
Potes, panelas, alguidar, caco de torrar café, brinquedos. A exposição Miolo de Pote revela um Ceará uno e múltiplo, similar e diverso, em dia com as heranças indígenas, africanas, ibéricas. “Primitiva e atual, a arte no barro mantém características próprias em cada localidade ou região, seja no tipo de material, no desenho, nas técnicas, seja no resultado final”, define a curadora Dodora Guimarães. Além dela, a mostra tem ainda a contribuição curatorial da historiadora e diretora de museus do Centro Dragão do Mar, Valéria Laena.
Miolo de Pote reúne, sobretudo, duas coleções públicas: a do Museu da Cultura Cearense (Instituto Dragão do Mar), feita entre 1997 e 1998, que cobriu a Região do Cariri, Saboeiro e Iguatu; e a da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Governo do Estado do Ceará), adquirida em 2005 e 2006, durante o Projeto Secult Itinerante, que percorreu todo o Estado. Algumas peças advindas do Projeto Comida e da exposição O Fabuloso Mundo do Barro, ambos do MCC, enriquecem a mostra que conta ainda com a participação dos artistas plásticos e visuais Bosco Lisboa, Gentil Barreira, Liara Leite, Sabyne Cavalcanti, Tiago Santana, Tércio Araripe, Terry Araújo e Túlio Paracampos.

Instalação de Bosco Lisboa
Em julho, o MCC e o artista Bosco Lisboa desenvolveram uma oficina gratuita, aberta ao público, cujas peças produzidas agora são parte de uma instalação inédita, nesta exposição. Nas aulas ministradas de 19 a 22 de julho, no ateliê da Praça Verde do Dragão do Mar, o artista ensinou as técnicas para se trabalhar com argila.
Natural de Juazeiro do Norte (CE), Bosco desenvolveu, por mais de dez anos, uma pesquisa com artesãos do Sítio Touro e do bairro Tiradentes, tradicionais redutos da cerâmica de sua cidade natal. Em 1994, passou a moldar o barro tendo em vista sua relação com o cotidiano. Por seu trabalho, recebeu menção honrosa no Salão dos Novos em 1993, em Fortaleza. Entre as exposições coletivas de que participou, destacam-se 1ª Bienal do Cariri (Juazeiro do Norte, 2001), Bienal Naif’s (Sesc Piracicaba, 2004) e Projeto Abolição Tudo É de Barro, no Centro Cultural do Abolição (Fortaleza, 2005).

Acessibilidade
Essa exposição oferece recursos acessíveis para proporcionar autonomia ao público. Disponibilizamos: textos em Braille, textos com letras ampliadas, peças que podem ser tocadas, vídeo de Libras e mediação especializada.
Em cartaz até 30 de abril de 2017, no Piso Intermediário do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.



Exposição "Narrativas e Alteridade – O outro de nós" [Encontros de Agosto 2016]
A partir do tema “Narrativas e Alteridade”, o festival Encontros de Agosto 2016 propôs que fotógrafos dos nove estados do Nordeste fossem além das próprias fronteiras, trazendo e potencializando imagens de lugares e sujeitos imaginados. O público poderá contemplar na exposição questões universais a partir das realidades locais, percebendo aproximações e diferenças.
Esta exposição é composta de mostras coletivas de fotógrafos cearenses e dos demais estados do Nordeste. “As narrativas visuais têm como fundamento a alteridade, traduzida e discutida pelo olhar de 54 fotógrafos, sendo 23 deles cearenses. É uma oportunidade única dos espectadores verem essa rica produção nordestina em um só local. São mais de 300 fotos”, explica a coordenadora geral do evento, Patricia Veloso.
Os intercâmbios abrem canais de comunicação para circuitos nacionais e internacionais. Após a exibição no Ceará, as mostras serão adequadas para uma exposição itinerante. Mais sobre o Encontros de Agosto: www.encontrosdeagosto.com.
Em cartaz até 30 de abril de 2017, no Piso Superior do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.



Exposição Vaqueiros [Mostra Permanente]
Em exibição no Museu da Cultura Cearense desde 1998, a Exposição Vaqueiros arrebata o público que nela identifica traços de sua cultura e costumes. A exposição ao longo dos anos enriquece os saberes, instiga reflexões, desperta emoções. Nela revelam-se inúmeros elementos que possibilitam rememorar e reconstruir o que se compreende como o universo sertanejo.
Na exposição, você conhecerá o vaqueiro como profissional, sertanejo, trabalhador, conhecedor de inúmeras funções e do meio em que habita, capaz de inúmeros feitos, viajará pelas humildes manifestações do cotidiano, religiosidade e festividades e testemunhará particularidades como a habilidade com o artesanato do couro, as práticas da derrubada e da cria do gado, dentre outras.
No Piso Inferior do Museu da Cultura Cearense. Visitação de terça a sexta, das 9h às 19h (acesso até as 18h30); e aos sábados, domingos e feriados, das 14h às 21h (acesso até as 20h30). Gratuito.


Ações do Núcleo Educativo do MCC

[PROJETO ANUAL]AMPLIANDO OS OLHARES / DIALOGANDO COM A OBRA
Visitas mediadas para o público espontâneo, sem necessidade de agendamento prévio.
É imensurável a diversidade de experiências e aprendizados dos diferentes públicos quando visitam exposições. Os acervos expostos costumam suscitar inúmeras questões: de onde veio? Quem fez? Qual significado? Por que está neste lugar? Para alguns, o diálogo com o educador é essencial para significar o acervo exibido.
Todas e todos os (as) interessados (as) em “ampliar os olhares” para as exposições do MCC e “dialogar” com o acervo por meio de atividades diversas (oficinas, contações de história, cine clube, jogos, descoberta dirigida, etc) estão convidados a participar desta programação.
QUANDO: aos finais de semana de abril, a partir das 18hONDE: Nas exposições do MCCQUEM MEDIA: Educadores do MCC.PÚBLICO ALVO: Famílias, amigos, casais, crianças, estudantes. Público livre.
Informações: 85 3488.8621 ou educamcc@gmail.com
Enviar

Deixe seu comentário: