segunda-feira, 24 de abril de 2017

XII Bienal Internacional do Livro do Ceará encerra com balanço positivo de visitação e vendas, com público destacando qualidade da programação

Em dez dias, 450 mil pessoas passaram pelo Centro de Eventos do Ceará. A XII Bienal Internacional do Livro do Ceará, que se encerra no Dia Mundial do Livro, movimentou cerca de R$ 5 milhões e gerou 3100 empregos diretos e indiretos. Sempre com entrada franca, foram 125 horas de programação com qualidade e diversidade destacadas pelo público
“Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca”. Com este tema, a XII Bienal Internacional do Livro do Ceará celebrou os títulos de papel, que, tanto quanto os moradores, povoam casas e aplacam solidões, como afirmou o escritor português Valter Hugo Mãe, dialogando com a escritora cearense Cleudene Aragão, dois dos 168 autores convidados pelo evento, entre grandes nomes da literatura do Ceará, do Brasil e de diversos países.
Indo além da condição de referência para o setor como o maior evento cultural do Estado, a Bienal foi destaque no dia dos cearenses e visitantes, pautando o livro e a leitura nos meios de comunicação, nas conversas entre familiares, colegas, amigos, com grande e positiva repercussão também nas redes sociais. Autores e leitores, histórias e ideias estiveram fortemente presentes na agenda da sociedade. Com sucesso de público, com mais de 450 mil pessoas passando pelo Centro de Eventos, a Bienal contabilizou uma média de público de 45 mil participantes por dia, mesmo com os problemas no sistema viário da Capital, registrados nos dias 19 e 20.
Além de encontros e experiências inesquecíveis, diálogos com grandes autores, realização de sonhos e de transformações pessoais, a Bienal também se destacou pela forte contribuição à economia do estado. O evento gerou 3.100 empregos diretos e indiretos, com 350 editoras presentes, distribuídas em 110 estandes, trazendo à Bienal cerca de 60 mil títulos, nada menos que 120 toneladas de livros. A movimentação financeira estimada é de R$ 5 milhões montante avaliado como bastante positivo, tendo em vista a atual conjuntura econômica do País.  
Estendendo-se ao longo de 10 dias, aberta ao público na maioria deles de 9h às 22h, a Bienal promoveu 125 horas de atividades, entre debates, lançamentos de livros, contações de história, conversas com autores, apresentações teatrais, circenses e musicais, oficinas, jogos, declamações, cantorias, cortejos e muitas outras manifestações. Tudo isso distribuído por mais de 20 salas, em três andares.
As ações da Bienal Fora da Bienal estenderam a programação do evento a outros dez ambientes externos, em Fortaleza e outros quatro municípios cearenses: Aquiraz, Caucaia, Redenção e Itaitinga. As areias da praia do Titanzinho, o jardim de girassóis da Unidade Prisional irmã Imelda em Aquiraz, a comunidade dos índios Anacé, a praia do Vila do Mar, no Pirambu, e as ruas do Centro de Fortaleza, entre outros espaços, contaram com a presença de diversos escritores convidados da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará, mobilizando visitantes, moradores e afetos, em momentos inclusivos e especiais.
Em um dos seus grandes diferenciais, esta foi a Bienal dos mestres e mestras da Cultura do Ceará, presentes todos os dias na programação. A Bienal dos escritores cearenses lado a lado, em todas as mesas de diálogos, com autores de outros estados e países. Da acessibilidade cultural e da educação inclusiva, com a programação especial de experiências sensoriais, de circo e de audiodescrição, além dos intérpretes de Libras. Das crianças que compartilharam leituras com os pais e dos adolescentes de diversos bairros que mergulharam na programação da literatura fantástica, das batalhas épicas e dos RPGs. Dos cordelistas e repentistas que lotaram a todo momento a Praça do Cordel comprovando a força da literatura popular. Dos autores e personagens reunidos nos bate-papos do Café Literário. Da programação de artes e ciências, de agentes de leitura, do Plano Setorial de Livro e Leitura e do Sistema Estadual de Bibliotecas. Das gerações saudosas do Cais Bar reunidos em rodas de música e conversa no espaço Fortaleza Boêmia.
Turismo cultural
O calendário da Bienal do Livro do Ceará, situado este ano entre dois feriados nacionais (Semana Santa e Tiradentes), explicitou o potencial do Estado para o turismo cultural. A Bienal atraiu ao Centro de Eventos moradores de Fortaleza que aproveitaram os feriadões para viajar nos livros, assim como cearenses do Interior que vieram de seus municípios para visitar a Bienal e turistas em trânsito por Fortaleza nos dias do evento.
Como prova disso, os dias de maior número de visitantes estiveram relacionados aos feriados prolongados: o primeiro fim de semana, de sexta a domingo, registrou 125 mil pessoas; e em 21 de abril, Dia de Tiradentes, nada menos que 72 mil pessoas percorreram os espaços do Centro de Eventos.
Escolas
Promover a socialização de práticas leitoras e pedagógicas em um dos mais importantes espaços formativos de novos apreciadores de livros – a escola – é também uma das missões da Bienal. Nesse sentido, vale destacar a exitosa adesão das visitações escolares: em cinco dias (de 17 a 21 de abril), 34,5 mil estudantes de 775 instituições de ensino – públicas, privadas e ONGs – passaram pelo evento, mobilizando 862 ônibus. Gestores, alunos, educadores e educadoras de 59 municípios (um deles do Rio Grande do Norte) usufruíram da programação gratuita e das muitas opções da feira literária.
“O sucesso desta edição se deve também à parceria estabelecida com outras secretarias. A contribuição das pastas municipal e estadual de Educação foi fundamental para a adesão das escolas e a democratização da feira. Além disso, a programação da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado foi um dos grandes atrativos desta Bienal, estendendo a percepção de leitura e literatura para o universo científico”, ressalta Mileide Flores, coordenadora geral da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará.  
Para a coordenadora, a XII Bienal do Livro estabelece um marco na cronologia do evento ao se recobrir do espírito-tema que a moveu: a ideia de que cada sujeito traz consigo inúmeras narrativas. Como destaca o secretário da Cultura do Estado do Ceará, Fabiano dos Santos Piúba, também a história desta Bienal não acaba neste domingo: “Ela continua todos os dias, na sequência dos encontros proporcionados e na construção das políticas públicas de cultura, livro, leitura, bibliotecas e acervos – porque políticas públicas não se conjugam na primeira pessoa. São, na verdade, construções coletivas”.
Números:
450 mil pessoas (média de 45 mil pessoas por dia, mesmo com problemas no sistema viário, registrados nos dias 19 e 20)
350 editoras
110 estandes
60 mil títulos expostos
120 toneladas de livros
168 autores
300 convidados
125 horas de atividades, sempre com entrada franca
775 escolas visitaram a Bienal
34.500 estudantes
59 municípios (um deles do Rio Grande do Norte)
862 ônibus destacados para visitações escolares
Ignácio de Loyola Brandão e Quinteto Agreste encerram a XII Bienal do Livro do Ceará
Neste domingo, Dia Internacional do Livro, as atividades de encerramento da XII Bienal Internacional do Livro do Ceará celebram o encontro de literaturas: popular, erudita, indígena, científica, negra, feminina – a construção de uma literatura sem caixas. É com esse espírito que acontece o último encontro de Mestres e Mestras da Cultura, um dos grandes marcos desta edição.
Tradição oral, música e dança – as bases do reisado cearense – ampliam o universo das narrativas, presentes nas memórias de Mestre Aldenir, do Crato, e Zé Pio, de Fortaleza. A mediação do encontro, que acontece às 16h, é do cineasta Rosemberg Cariry.
Às 18h, o autor Ignácio de Loyola Brandão encerra as atividades da sala Moreira Campos – que recebeu alguns dos principais convidados desses dez dias – junto ao curador Kelsen Bravos. O paulista discorre sobre um tema correlato ao desta Bienal: “O escritor como biblioteca viva”.
Já às 19h, o grupo cearense Quinteto Agreste faz o encerramento oficial do evento. Com repertório multiinstrumental construído sobre os alicerces da música popular nordestina, o Quinteto apresenta canções como: "Chegança", de Antônio Nóbrega; "Triste Partida" e "Riacho do Navio", imortalizadas na voz e na sanfona de Luiz Gonzaga. Para a seleção do show, que acontece às 19h, o grupo tomou por base o tema da Bienal deste ano: “Cada pessoa, um livro; o mundo, a biblioteca”.
Formado pelos músicos Mário Mesquita, Marcílio Mendonça, Tony Maranhão, Ademir do Vale e Arlindo Araújo, o conjunto é reconhecido como o primeiro de artistas cearenses a gravar um disco independente: "Sol Maior", em 1982.

Enviar

Deixe seu comentário: