domingo, 28 de maio de 2017

Oi e Oi Futuro anunciam projetos selecionados pelo Edital de Cultura 2017/2018; Ceará contemplado com três

·         Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados seleciona 55 iniciativas de 11 estados: BA, CE, DF, MA, MG, PA, PR, RJ, RN, RS e SP;

·         Centro cultural trará exposições de Chantal Akerman, Miguel Rio Branco, Nam June Paik, coletiva de arte feita com big data, infantil sobre a vida de Thomas Edison, entre outros.

A Oi e o Oi Futuro anunciam nesta quinta-feira (25) os projetos selecionados pelo Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados 2017/2018, que inclui iniciativas de todas as regiões do Brasil e para a programação do centro cultural Oi Futuro, no Rio. A lista completa está no site www.oifuturo.org.br .

A Oi é uma das maiores patrocinadoras da cultura no país e apoia projetos de diversas naturezas que já atraíram mais de 6 milhões de pessoas desde 2003. A Oi, por meio do Oi Futuro, promove, apoia e desenvolve ações inovadoras e colaborativas para melhorar a vida das pessoas e da sociedade. Com atuação nas frentes de Educação, Cultura, Inovação Social e Esporte, o instituto acelera iniciativas que ampliam o repertório com plataformas de conteúdo, potencializam o desenvolvimento pessoal e coletivo, fomentam experimentações de inovação e estimulam conexões.

Este ano, o Oi Futuro propõe um novo formato de edital, mais flexível e inclusivo, afinado com as formas de criação contemporâneas.  Foram eliminadas as categorias e áreas artísticas - como Música, Teatro, Artes Visuais - valorizando a convergência de linguagens e abraçando ideias que já não cabem em rótulos e que dialogam com as cidades. Além disso, nesse novo edital, a forma de apresentação das propostas ficou mais simples e flexível, tornando a inscrição ainda mais acessível.

Conseguimos atrair ideias inovadoras, que nos surpreenderam, e jovens fazedores que estão despontando. Chegamos a uma seleção marcada pelo frescor e a diversidade, que reflete a vocação do Oi Futuro como catalisador criativo, aproximando pessoas através da criação contemporânea, estimulando a produção colaborativa e promovendo o acesso às artes na era digital”, diz Roberto Guimarães, gestor de Cultura do Oi Futuro. “Sonhamos, mais que nunca, com públicos (no plural), com todos os públicos”, completa.

Projetos selecionados
A seleção nacional de projetos patrocinados traz iniciativas de 11 estados brasileiros: Bahia, Ceará, Distrito Federal, Maranhão, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e São Paulo.

Entre os 34 projetos escolhidos nessa linha de apoio, destacam-se a plataforma digital Cidades dos Festivais, que vai reunir a potência dos sete maiores festivais do Rio (Festival do Rio, Panorama, Festlip, Fil, Tempo Festival, Multiplicidade, Festival Curta Cinema); o projeto Sala Vazia do programa de residência latino-americano que busca contemplar ações desenvolvidas nas áreas de Artes Visuais, Audiovisual, Performance, Arte Digital, Arte Sonora e seus hibridismos, tendo como pano de fundo a cidade de Fortaleza;  o projeto Dispersão, experiência audiovisual interativa em que o público vira criador por meio de seus aparelhos celulares, URBE - Mostra de Arte Pública, que fará intervenções artísticas temporárias ou permanentes na cidade de São Paulo; o Encontro Estéticas das Periferias - Arte e Cultura nas Bordas da Metrópole, que vai levar performances, debates, oficinas e intervenções artísticas a 50 locais públicos da capital paulista; o MASSA - Festival Movimento e Arte Salvador, que vai ocupar o Parque Solar Boa Vista durante um mês com atividades artísticas gratuitas; o Favela Sounds 2017 - Festival Internacional de Cultura de Periferia, sediado no Museu Nacional de Brasília, no DF; o Festival eXperimental de Cinema, no Maranhão, que abre espaço à fusão de tecnologias e linguagens do audiovisual; o Palco Hip Hop - Danças Urbanas, que vai levar uma programação internacional a Belo Horizonte; o Parking Art - Galeria de Arte Urbana, que promete transformar as ruas de Curitiba em um circuito de exposições e outros. 
O edital também contemplou iniciativas que trouxeram a diversidade como palavra de ordem, como a proposta baiana Melanina Digital, plataforma dramatúrgica de referência para o trabalho de artistas, dramaturgos e pensadores negros; o projeto AEI ou Arte Eletrônica Indígena, da Bahia, que promove a expressão artística indígena por meio da tecnologia; e ainda a Mostra de Multilinguagens Corpos Visíveis, que vai reunir artistas do audiovisual, teatro, fotografia, moda e música com trabalhos sobre identidade de gênero e empatia no Parque Madureira, no Rio de Janeiro. Tem ainda o ColaboraAmerica, festival de novas economias que será realizado em outubro no Rio, e o Rio Mapping Festival 2018, que levará a arte digital às paisagens da Cidade Maravilhosa.

Programação do centro cultural
A Programação 2017/2018 do Oi Futuro será aberta dia 26 de junho com uma grande retrospectiva do pioneiro da videoarte Nam June Paik, com curadoria do italiano Marco Pierini, especialista na obra do artista sul-coreano morto em 2006. Ainda entre as atrações estão a primeira individual no Brasil da artista belga Chantal Akerman, expoente do cinema experimental e do cinema feminista mundial, que terá instalações imersivas e obras inéditas; a exposição Wishful Thinking do fotógrafo Miguel Rio Branco, ocupando três galerias do Oi Futuro; o projeto de arte pública OIR – Outras Ideias, que vai ocupar o Aterro do Flamengo com intervenções artísticas do americano Daniel Arsham e do japonês Makoto Azuma, sob curadoria de Marcello Dantas; o projeto inédito Cérebro|Coração, da atriz e diretora Mariana Lima, que vai transformar pensamentos de Proust, Beckett, Clarice Lispector e Leonilson em uma espécie de performance-conferência; Mostra BUG, que vai trazer ao Rio trabalhos de narrativas interativas e imersivas nacionais e internacionais usando realidade virtual, aplicativos e outros suportes.
 O palco do Oi Futuro ainda vai receber experiências como As Mil e Uma Noites, adaptação do clássico da literatura mundial assinada pela Cia Teatro Voador Não Identificado que resultará em 33 apresentações teatrais diferentes ao longo da temporada, e As Boas Mulheres, projeto que prevê a criação de espetáculos inéditos reunindo somente mulheres: quatro diretoras, oito atrizes e quatro dramaturgas.

A programação do Oi Futuro também tem novidades voltadas para toda a família, como Thomas e as Mil e Uma Invenções, baseado na vida e obra do inventor Thomas Edison, Isaac no Mundo das Partículas, musical que traduz para crianças o mundo da física de partículas e Isaac Newton; e A Menina e o Pote, videoinstalação interativa para crianças que vai recriar uma floresta dentro do centro cultural.

Tem ainda projetos que foram originados dentro do Oi Futuro e que fazem parte da história do centro cultural: Festival Multiplicidade 2017, Festival Novas Frequências e a nova fase do Programa Poesia Visual e Digital.

A lista completa dos projetos selecionados está no site do Oi Futuro: www.oifuturo.org.br

Sobre o Oi Futuro
O Oi Futuro, instituto de responsabilidade social da Oi, promove e apoia ações inovadoras e colaborativas para melhorar a vida das pessoas. Com atuação nas frentes de Educação, Cultura, Inovação Social e Esporte, desde 2001, o instituto acelera iniciativas que, através da tecnologia, potencializam o desenvolvimento pessoal e coletivo.
Na Educação, o Oi Futuro investe em modelos inovadores para inspirar novas formas de aprender e ensinar. O NAVE (Núcleo Avançado em Educação) forma jovens para as economias digital e criativa, com foco na produção de games, aplicativos e produtos audiovisuais. O programa, desenvolvido em parceria com as Secretarias de Estado de Educação do Rio de Janeiro e Pernambuco, oferece ensino médio integrado e profissionalizante. Além de obter formação técnica, os estudantes do NAVE são incentivados a desenvolver o espírito empreendedor e a estabelecer suas primeiras conexões profissionais, por meio de projetos e eventos de integração com o mercado de inovação.

Na área Cultural, o instituto atua como um catalisador criativo, impulsionando pessoas através das artes, estimulando a produção colaborativa e promovendo o acesso à cultura na era digital. O Oi Futuro mantém dois centros culturais no Rio de Janeiro, com uma programação que valoriza a produção de vanguarda e a convergência entre arte contemporânea e tecnologia, além da gestão do Museu das Telecomunicações, e sua Reserva Técnica, pioneiro no uso da interatividade no Brasil. O Instituto também realiza o Programa Oi de Patrocínios Culturais Incentivados, que seleciona projetos em todas as regiões do país por meio de edital público.

Na Inovação Social, o programa Oi Novos Brasis viabiliza projetos empreendedores inovadores que trazem propostas para solucionar desafios atuais das cidades, contribuindo para o desenvolvimento da sociedade. O Oi Futuro também aposta em projetos esportivos que conectem pessoas e promovam a inclusão e a cidadania.
 
Enviar

Deixe seu comentário: