domingo, 9 de julho de 2017

Especialista fala da relação direta entre ingestão de carboidratos e células cancerígenas com base no caso de Marcelo Rezende



O médico capacitado no acompanhamento e orientação nutrológica, Fernando Guanabara, lembra que o câncer é uma doença de base inflamatória à espera de um ‘gatilho’
 
Após o apresentador Marcelo Rezende ter anunciado que abandonaria o ciclo de quimioterapias e continuaria a luta contra o câncer por meio de uma dieta específica, sem a ingestão de carboidratos, a dúvida surgiu: qual relação direta entre câncer e açúcar? A dieta restritiva é uma boa opção para o tratamento da doença?

Para o doutor Fernando Guanabara, que atua na área emagrecimento, performance e longevidade e é capacitado no acompanhamento e orientação nutrológica, o tema é polêmico e deve ser estudado com particularidade. De início, Guanabara explica que todo carboidrato se transforma em açúcar, assim, todo produto final é a glicose.

“Quanto mais açúcar a gente tem, mais ele se acumula dentro da célula cancerígena. Nessa relação de glicação se ativa o receptor age e isso resulta na inflamação. O câncer é uma doença de base inflamatória. Claro que o paciente tem que ter a predisposição genética. Mas aí a célula cancerígena precisa de um gatilho e o gatilho é essa inflamação”, conta o médico ao falar da importância em controlar a ingestão de carboidratos.

Guanabara lembra que a dieta com zero carboidratos no tratamento do câncer não é ‘receita de bolo’. Ou seja, cada paciente e cada doença deve ser tratada com particularidade, sem cometer radicalismos. “Depende de cada caso e do estágio da doença. O fato é que uma boa alimentação melhora a imunidade e o tratamento convencional tem de ser respeitado”, ressaltou.  

O caso

Marcelo Rezende luta contra o câncer de fígado e do pâncreas. Sua dieta é rica em proteínas e gorduras acompanhada por Lair Ribeiro, cardiologista e nutrólogo responsável por difundir a técnica no Brasil. O apresentador chegou a fazer apenas uma sessão de quimioterapia ao descobrir a doença, em abril de 2017. Após isso, aposta na dieta alternativa e em retiros espirituais. 
Enviar

Deixe seu comentário: