domingo, 9 de julho de 2017

Hospital César Cals sedia seminário internacional de pesquisa clínica

alt


Diversas pesquisas clínicas foram desenvolvidas com o intuito de estudar as implicações relacionadas ao Zika com as notificações do vírus associado à microcefalia, desde outubro de 2015. Nesta terça-feira, 11, o Hospital Geral Dr. César Cals (HGCC), do Governo do Ceará, referência em obstetrícia e neonatologia, com atendimento de alta complexidade, sediará o seminário internacional “Desenvolvendo capacitação em pesquisa clínica – Introdução à network REDe”. O encontro será com a diretora da Global Health Network, do London College, Trudie Lang, às 9 horas, no Auditório II do Centro de Estudos, localizado na Avenida Imperador, 372, Centro de Fortaleza.

Ao todo, são disponibilizadas 70 vagas. Podem participar enfermeiros, médicos, farmacêuticos, profissionais de laboratório, analistas de dados, entre outros, do Hospital César Cals e de outras instituições de pesquisa, independente da área de enfermidades e outros tipos de estudos. O seminário vai propor uma abordagem referente ao conhecimento e difusão das informações relativas à pesquisa clínica em todo o mundo. É uma maneira de aproximar a realização de pesquisas dos profissionais de saúde, independente das condições adversas, e não somente nos grandes centros. Mesmo em condições limitadas, os estudos podem e devem ser desenvolvidos.

“A ideia é que haja uma difusão de que a pesquisa clínica pode e deve ser feita em locais com poucos recursos, em condições mais adversas”, afirma o médico infectologista, Robério Dias Leite. O foco do seminário é mostrar também as ferramentas disponíveis que ajudam a desenvolver habilidades para pesquisas clínicas. No mesmo dia, haverá ainda, a partir das 14 horas, um Workshop direcionado aos profissionais da saúde que normalmente não estão envolvidos com pesquisas e estão em regiões mais remotas, onde a aplicação desses trabalhos ainda é pouco explorada.
Conforme explica Robério, “será uma conversa com os profissionais para ouvir o que eles pensam sobre o que é pesquisa, ver o que lhes falta e o que é necessário para que eles iniciem a coleta de dados”. Nesse momento, os temas serão direcionados aos profissionais de saúde que trabalham com casos de microcefalia e bebês com Zika e serão discutidos os direcionamentos que devem ser aplicados, sempre destinados às pesquisas.
Enviar

Deixe seu comentário: