quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Show Jazz Cigano, com Paula Tesser, Marcos Maia e grupo, acontece sábado, 26/8, no Café Couture

Um dos mais aplaudidos espetáculos musicais apresentados em Fortaleza nos últimos tempos é a atração do Café Couture neste sábado, 26/8, às 21h. É o show Jazz Cigano, que reúne a grande cantora Paula Tesser, o aclamado violonista Marcos Maia e um super grupo para revisitar a obra do violinista e compositor belga Django Reinhardt (1910-1953).

O show foi sucesso nos festivais Ceará Jazz Series, Jazz & Blues em Guaramiranga e Fortaleza e Jazz em Cena e agora, a pedidos, será apresentado em nova oportunidade para o público, na casa que vem abrindo espaço para o jazz na Praia de Iracema, sempre com grande público. Os lugares são limitados. Reservas já estão disponíveis pelo fone 99913-3819 ou presencialmente no Café Couture (Rua dos Tabajaras, 554).

A apresentação reúne grandes nomes da cena musical cearense homenageando o violonista e compositor belga que criou uma vertente diferenciada para o jazz, com instrumentos acústicos, uma batida diferente e um fraseado distinto. Marcos Maia (violão), Paula Tesser (voz), Paulo Leniuson (violino), Claudio Miranda (contrabaixo acústico), Lucas Araujo (violão) e Marcelo Holanda (bateria) fazem uma apresentação marcada pela excelência da performance de todos os músicos, pela qualidade e diversidade do repertório escolhido em meio à vasta obra de Django e pelo ineditismo de um show dedicado ao jazz cigano (gipsy jazz, ou jazz manouche) em Fortaleza.

A primeira parte do show conta com clássicos do repertório de Django em releitura instrumental, enquanto a segunda segunda metade da apresentação é marcada pela cantora Paula Tesser brilhando em canções de Django, com letras em francês, e em algumas composições escolhidas para serem interpretadas com a mesma abordagem musical do jazz cigano.

No repertório instrumental, "Minor swing", um dos temas mais conhecidos de Django Reinhardt, mostrando logo de saída tanto a levada característica do violão cigano, chamada "la pompe" ("a bomba"); o suingue e a alegria de "Daphné"; o lirismo de "Anouman", um das músicas mais belas do repertório do violonista belga; "Limehouse blues", de P. Braham e D. Furber, um standard do blues para várias gerações; a desafiadora "Rythm futur", tema mais experimental e de difícil execução.

Entre as canções, destaques como a contemplativa "Nuages", outro dos temas mais revisitados do mestre do jazz manouche; "Que reste-t-il de nos amour", de Charles Trenet e Léo Chauliac, um clássico da chanson francesa; a melódica e irresistível "Swing 42", a suingada "Nature boy" e a marcante "Les yeux noirs", o Hino dos Ciganos.

Mais sobre Django Reinhardt

Django Reinhardt inaugurou um capítulo na história do jazz, numa vertente europeia, apresentando ao mundo gravações de composições próprias com improvisações de uma linguagem peculiar e especial. Django não lia partituras nem tinha conhecimentos teóricos sobre música. Tocava "de ouvido", como se diz comumente, uma tradição oral que se estende a muitos de seus descendentes musicais até os dias atuais. O músico nasceu em 23 de janeiro de 1910, em Liberchies, na Bélgica, e faleceu em Fontainebleau, na França, aos 16 de maio de 1953.


SERVIÇO:
Show Jazz Cigano - Paula Tesser, Marcos Maia e grupo - Neste sábado, 26/8, 21h, no Café Couture (Rua dos Tabajaras, 554, Praia de Iracema). Couvert individual: R$ 15,00. A casa tem capacidade limitada, sendo recomendada compra antecipada. Informações: 99913-3819 ou presencialmente no Café Couture.
Enviar

Deixe seu comentário: