quinta-feira, 21 de setembro de 2017

​Após denúncia do MPCE, Júri condena a mais de 22 anos de prisão acusado de matar amiga da ex-companheira

Em julgamento encerrado na noite desta quarta-feira (20/09), o Conselho de Sentença do 1º Tribunal do Júri da Comarca de Fortaleza condenou Thiago Moraes de Oliveira a 22 anos e seis meses de prisão por homicídio duplamente qualificado (motivo torpe e recurso que impossibilitou a defesa da vítima) contra Andrezza Lima Rocha, e homicídio qualificado (uso de recurso que impossibilitou a defesa da vítima) na modalidade tentada contra Marllon de Castro Freire.
A sessão foi presidida pela juíza Danielle Pontes de Arruda Pinheiro, titular da 1ª Vara do Júri. A acusação ficou a cargo do promotor de Justiça Marcus Renan Palácio e a defesa ficou por conta do defensor público Francisco Firmo Barreto de Araújo.
O Poder Judiciário negou ao réu o direito de apelar em liberdade. De acordo com a denúncia do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), no dia 11 de maio de 2014, por volta das 23h30, em uma pizzaria na avenida Coronel Carvalho, na Barra do Ceará, Thiago Moraes, acompanhado de outra pessoa não identificada, fazendo uso de arma de fogo, disparou contra Andrezza Lima, que não resistiu aos ferimentos e faleceu.
A vítima estava no local com a ex-companheira do réu e familiares, quando Thiago Moraes chegou na garupa de uma motocicleta, desceu no estabelecimento e começou a efetuar disparos contra Andrezza Lima. Durante os tiros, algumas pessoas tentaram impedir que o réu continuasse disparando. Marllon de Castro, que também estava na companhia da vítima, foi atingido nas costas, mas resistiu aos ferimentos.
Ainda de acordo com a denúncia do MPCE, a motivação do delito foi em razão de o acusado achar que Andrezza atrapalhava a reconciliação dele com a ex-companheira, além de ciúmes da relação de amizade existente entre as duas.
Com informações do TJCE
Enviar

Deixe seu comentário: