terça-feira, 26 de setembro de 2017

Jazz em Cena: público vibrou com o Tributo a Chick Corea, no CCBNB. Próximo show, dia 7/10, destaca a força feminina na nova cena musical cearense, com Tributo a Rosa Passos

O público que mais uma vez compareceu em excelente número ao Centro Cultural Banco do Nordeste no último sábado, 23/9, para mais um show do projeto Jazz em Cena, aplaudiu de pé um sexteto capitaneado por um dos melhores pianistas, arranjadores e compositores cearenses: Edson Távora Filho. O show "Tributo a Chick Corea e ao Return to Forever" comemorou em grande estilo os 45 anos do grupo liderado pelo pianista norte-americano, que estará no Brasil para shows em outubro.

Ao lado dos mestres Jerônimo Neto (baixo acústico), Iann Calíope (flauta), Jorge Matteus Doudement (saxofone), Vitório Cavalcante (bateria) e Anna Canário (vocais), Edson Távora Filho abordou no show do último sábado um dos períodos mais instigantes da história do jazz, revisitando a sonoridade do "fusion", tornada eterna por Chick Corea e pelo grupo Return to Forever, fundado por ele em 1972, tendo gravado vários discos e mantido, como integrantes sempre presentes, Chick e o baixista Stanley Clarke. Mas também incluindo os brasileiros Airto Moreira e Flora Purim, que ganharam especial destaque nos EUA e no mercado internacional a partir da colaboração com o pianista. O saxofonista e flautista Joe Farrel completava o time.

Edson Távora Filho e grupo apresentaram músicas de diversos álbuns do Return to Forever, oferecendo ao público do Jazz em Cena a oportunidade de uma abrangente viagem musical por esse repertório extremamente desafiador e que foi fonte de inspiração para muitos músicos, de jazz e de outros estilos, no Ceará, no Brasil e no mundo. 

Do primeiro e clássico disco, "Return to forever", o público conferiu recriações para temas como "Crystal Silence" e "La Fiesta". Do segundo álbum, "Light as a feather", os músicos cearenses interpretaram "Spain", um dos maiores clássicos da história do jazz, e "You´re everything". Todos os temas foram muito aplaudidos, com o público reverenciando com palmas também cada solo dos músicos, reforçando o reconhecimento à criatividade, ao talento, à ousadia do sexteto.

 
Próximo show: Tributo a Rosa Passos dia 7/10

Já no sábado, 7/10, também às 19h, pelo Jazz em Cena, no CCBNB, mais uma atração especialíssima: um sexteto formado por jovens musicistas cearenses especialmente para homenagear a grande cantora, compositora e violonista Rosa Passos, ressaltando a luta por maior presença feminina no jazz e na música instrumental com um todo e destacando novíssimos nomes da cena cearense: Adália Raquel (voz), Theresa Rachel (violão), Joana Lima (piano), Mirele Alencar (contrabaixo), Raquel Lopes (percussão) e Daniele de Azevedo (bateria).

Um show especial para ressaltar o talento de jovens musicistas cearenses, homenagear uma das maiores artistas da música brasileira e mostrar que as mulheres também se destacam no jazz. Além de homenagear a grande cantora, violonista e compositora baiana Rosa Passos, internacionalmente respeitada pelos amantes do jazz e da música brasileira, o show tem entre seus objetivos abrir o debate sobre as questões de gênero no cenário musical, combater invisibilidade que ainda existe sobre as mulheres que se dedicam à carreira de instrumentista e incentivar mais musicistas a atuar na cena jazzística e instrumental.

No repertório, canções que foram gravadas por Rosa Passos em diversos discos. Das gemas de Djavan ("Açaí", "Azul") ao Gilberto Gil de "Ladeira da preguiça" e ao Tom Jobim de "Só danço samba" e "Amor em paz".
Das composições de Rosa, o sucesso "Juras" e a belíssima "Dunas", ambas parcerias com Fernando de Oliveira, ganharão releituras pelas musicistas cearenses, que também apresentarão seu arranjo para "É luxo só", aludindo ao disco em que Rosa Passos presta tributo a outra dama da canção brasileira, a eterna Elizeth Cardoso. O clássico "Diz que fui por aí", de Zé Keti e Hortêncio Rocha, também será recriado no palco pelo grupo formado exclusivamente por mulheres. Os arranjos do show ficam a cargo do músico e professor Yago Fernando de Castro.

A sonoridade de Rosa Passos, conhecida como uma das cantoras brasileiras mais admiradas pelos músicos, será revisitada pelas jovens artistas cearenses, com direito a espaço para a improvisação e a influências do samba-jazz, importante no trabalho da cantora baiana.

Mulheres no jazz: um necessário debate

Além do som, o show "Tributo a Rosa Passos" é oportunidade para um bom debate sobre a questão de gênero e os espaços para as mulheres no universo da música, no mercado musical de Fortaleza e no cenário da música instrumental e do jazz.

Apesar do crescente número de mulheres que se dedicam à música, inclusive com formação ampliada pela diversidade de opções de ensino em Fortaleza (com os cursos da Uece, da UFC, do IFCE, entre vários outros), a presença feminina no universo do jazz, ou da música instrumental em geral, ainda é bastante restrita na capital cearense.

Enquanto as mulheres conquistaram respeito e visibilidade como cantoras ou professoras de música, ainda não há o mesmo patamar de frequência, reconhecimento ou incentivo às que se dedicam à música instrumental. O show "Tributo aRosa Passos" tem, assim, também o propósito de contribuir para ampliar esse debate.

Mais sobre Rosa Passos

Rosa Passos, cantora, compositora e violinista, nasceu e viveu cercada de música em Salvador. Desde os cinco anos envolvida com música, conquistou plateias nos Estados Unidos, na Europa e na Ásia.

Em 1972, sua composição "Mutilados" ganhou o primeiro lugar no Festival da Universidade da Bahia.Sua primeira obra veio em 1979, junto com o compositor Fernando de Oliveira, parceiro de longa data, o álbum ‘Recriação’. Em 1991, lançou o CD "Curare", com clássicos de Tom Jobim, Ary Barroso, Carlos Lyra, entre outros. Em 1996, o CD ‘Pano pra manga’. No total são 17 álbuns, incluindo "Samba Dobrado", de 2013, uma homenagem a Djavan.

Rosa tem uma vasta experiência no exterior, tendo se apresentado na América Latina, na Europa, nos Estados Unidos, entre outros, ao lado de grandes nomes da música mundial, como Ron Carter, Paquito D’Rivera, Yo-Yo Ma, Cyro Baptista, Henri Salvador, entre outros. As apresentações incluíram presença no afamado Carnegie Hall e no tradicionalíssimo jazz-club Blue Note, de Nova York. Também foi homenageada pela Berklee College Of Music, em Boston, onde ministrou oficinas de música com presença do corpo docente e alunos da renomada escola.

 
Mais sobre o Jazz em Cena

Entre os objetivos do projeto "Jazz em Cena" estão contribuir para atender a grande demanda de público por mais shows de jazz em Fortaleza, apresentar a novos ouvintes a obra de grandes mestres da música, ressaltar o talento, a criatividade e o virtuosismo dos instrumentistas cearenses, de grande produção autoral, mas também capazes de recriar, a seu modo, trabalhos musicais históricas por sua beleza e sua importância.

O novo projeto se soma a outros que vêm sendo mantidos na capital cearense, como o Ceará Jazz Series, realizado desde 2015 no Teatro Dragão do Mar, o tradicional Festival Jazz & Blues (promovido em Guaramiranga e Fortaleza desde 2000), o Jeri Choro Jazz(desde 2009), os festivais instrumentais do Centro Cultural Banco do Nordeste e os shows promovidos em diversas casas noturnas, bares, restaurantes, teatros, centros culturais e espaços alternativos, formando uma rede crescente de opções para o público amante do jazz, com produções se ampliando ao longo de todo o ano. O Centro Cultural Banco do Nordeste fica na Rua Conde D´Eu, 560, Centro de Fortaleza.

Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.