sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Agenda cultural - Exposições no Centro Cultural Banco do Nordeste abordam História do Cariri e do Riacho Pajeú

Seguem em cartaz, no Centro Cultural Banco do Nordeste (CCBNB Fortaleza), duas ótimas exposições de artes visuais: “A Palavra Vista por Dentro”, de Carlos Melo; e “Excursão Pajeú”, de Cecília Andrade. As visitações acontecem até o fim do mês, de terça a sábado, das 10h às 19h.

“A Palavra Vista por Dentro” é fruto de uma residência seguida de expedição aos estados da Paraíba, Pernambuco e Ceará, a fim de pesquisar a polissemia da palavra Cariri. O artista Carlos Melo realizou coletas de gestos, imagens e documentos sobre a linguagem indígena do sertão do Nordeste brasileiro que foi silenciada em meados do século XX, sobre a tribo que era dividida de acordo com o seu dialeto, e sobre o lugar da presença dos Cariris nas divisas entre os estados da Paraíba, Pernambuco e Ceará.

Com os trabalhos desta mostra, Carlos Melo busca responder quais eram as manifestações dos Cariris na paisagem, nas coisas e na identidade de um povo. Quais as grades semânticas, as camadas do tempo e a conformação física do processo, no corpo, e na memória de um povo silenciado. Participam da exposição a performance Tripa que será realizada na abertura da mostra, fotografias e vídeos.

“Excursão Pajeú”
Pelo viés da arte e da ficção, Excursão Pajeú oferece embarque para uma viagem entre tempos e espaços, camadas de memória de Fortaleza, cidade nascida e acomodada às curvas naturais do rio, que atualmente ajusta-se às transformações políticas, econômicas e estruturais da capital cearense – entre estacionamentos, bueiros e prédios, em condição de apagamento físico e histórico.

A proposição da artista Cecília Andrade faz parte do projeto Era uma vez um rio, patrocinado pela Lei Rouanet, que envolve além do percurso no espaço expositivo, onde são apresentadas intervenções e documentos do processo de sua pesquisa de mestrado, uma série de caminhadas guiadas semanais. Para tanto, um aplicativo é disponibilizado aos visitantes, que são convidados a arriscar-se em uma experiência anti-turismo pelo Riacho Pajeú, descobrindo-lhe através da cidade e por documentos digitalizados.

A experiência multimídia agencia encontros e desencontros com o riacho e permite pensar sobre sua existência em meio a tantas transformações. Estimula ainda a imaginação sobre o rio, que passa a poucos metros do Centro Cultural Banco do Nordeste.
Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.