quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Júri condena a mais de 31 anos de prisão acusado de matar a menina Rakelly em Itaitinga

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri da Comarca de Itaitinga condenou a 31 anos e oito meses de prisão o caseiro José Leonardo de Vasconcelos Graciano, acusado de matar Rakelly Matias Alves, de oito anos, em 2016. Também terá de cumprir três anos e três de meses de detenção. Ele foi julgado pelos crimes de homicídio qualificado, estupro de vulnerável, vilipendio de cadáver e ocultação de cadáver.
O julgamento começou às 9h40 desta quinta-feira (23/11), no Fórum da Comarca de Itaitinga, e se encerrou às 18h50. A sessão foi presidida pelo juiz Edísio Meira Tejo Neto, que responde pela unidade judiciária.
O réu confessou os crimes de homicídio e ocultação de cadáver, mas negou ter estuprado a vítima. A defesa de José Leonardo, feita pelo defensor público Vitor Matos Montenegro, solicitou a exclusão das qualificadoras de motivo torpe, da prática do crime para encobrir o estupro e do feminicídio. Como assistente de acusação atuou Francisco Eugênio Vianna.
O CASO
De acordo com a denúncia do Ministério Público do Ceará (MPCE), o crime ocorreu em 21 de setembro de 2016. O caseiro abordou a criança para satisfazer desejo sexual, aproveitando que os demais membros da residência, localizada em Itaitinga, estavam dormindo.
Diante da resistência da vítima, ele aplicou asfixia mecânica nela provocando seu desmaio. Em seguida, amordaçou a garota com saco plástico e abusou sexualmente. Após perceber que a criança estava morta, a colocou em saco e jogou o corpo dentro de uma cacimba, onde foi encontrada três dias depois por policiais.
Ele foi denunciado por homicídio com cinco qualificadoras (motivo torpe, crueldade, impossibilidade de defesa, para assegurar a impunidade quanto a crime anterior e feminicídio), estupro de vulnerável, vilipêndio de cadáver e ocultação do cadáver.
Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.