segunda-feira, 20 de novembro de 2017

O que vem por ai - Projeto InConto Marcado leva espetáculo e oficina de teatro à cidade de Marco

“Plantou Palavra, Colheu Poesia” é o novo espetáculo do projeto, que teve estreia em Paracuru e depois de Marco será apresentado em Guaiúba.

Chega esta semana à cidade de Marco o projeto InConto Marcado – Teatro Itinerante, com oficina teatral para professores nesta terça-feira, dia 21 de novembro, das 8h às 11h, e espetáculo “Plantou Palavra, Colheu Poesia” na quarta e quinta-feira, dias 22 e 23, às 9h e às 14h30. A programação é gratuita e acontece na Escola de Ensino Fundamental Manoel Paterno Silva.

O InConto Marcado leva a poesia para dentro da escola como método e conteúdo, estimulo à leitura, como arte e informação, disseminando um gênero que foi afastado de sua origem popular, a cultura da oralidade, que já garantia o ensinamento da história entre os povos de todas as raças, antes mesmo da palavra escrita. Tem como público-alvo alunos de ensino fundamental da rede púbica, crianças de 5 a 12 anos de projetos sociais realizados por ONGs, professores da rede pública, grupos de teatro, gestores públicos de educação e cultura, familiares dos alunos e moradores dos arredores dos espaços onde são realizados os espetáculos.

O novo espetáculo

Baseada no livro da escritora cearense Socorro Acioli, que foi lançado em 2014 pela editora Armazém da Cultura, a peça “Plantou Palavra, Colheu Poesia”, estreou agora em novembrocom sucesso de público. “Nós fizemos quatro sessões do espetáculo em Paracuru e recebemos aproximadamente 600 crianças por apresentação”, conta a atriz e idealizadora do projeto, Daniele Yanes.

Além disso, 80 professores participaram da oficina de teatro, que é uma ação realizada pelo projeto desde o início em 2011. “A gente tem feito esse trabalho com muita alegria, com esse público lindo que são os professores da rede pública. Paracuru ficou encantada”, comemora Daniele. Realizada com apoio institucional da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult) por meio do Edital Mecenas, tendo a Enel como empresa apoiadora por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, esta edição do InConto Marcado acontecerá também em Guaiúba, de 5 a 7 de dezembro.

Daniele explica que o espetáculo “Plantou Palavra, Colheu Poesia” é uma homenagem aos poetas e cantadores nordestinos. “É uma louvação a esses artistas nordestinos, essas figuras que são genuinamente brasileiras, que trazem essa arte de rua, do sertão, ligada a natureza. A Socorro Acioli também tem demonstrado a felicidade dela em ter uma de suas obras montada em um espetáculo de teatro”, enfatiza a idealizadora do projeto.

Socorro Acioli é uma das mais referendadas autoras brasileiras de literatura infantil e juvenil. Em 2013 foi vencedora do Prêmio Jabuti na categoria Infantil com o livro "Ela tem olhos de céu". A obra “Plantou Palavra, Colheu Poesia” é, antes de tudo, uma singela homenagem aos poetas e cantadores do sertão. O livro aborda a seguinte questão: como a poesia pode frutificar em meio a todas as dificuldades da vida, da seca, da fome e da falta de intimidade com as palavras? A obra narra a trajetória de Francisco, um menino retirante que, em meio à procura de um lugar melhor para viver, vai para Assaré e tem sua vida modificada quando conhece Antônio, um agricultor poeta que na adaptação para o espetáculo foi personificado na imagem de Patativa do Assaré. A partir deste encontro o menino segue a busca do mistério das palavras e de como é que se faz “essa coisa tão linda”, a poesia.

A nova montagem do InConto Marcado, além da obra de Socorro Acioli, traz um destaque para a literatura de Cordel por meio do livro Miolo da Rapadura” (TUPYNANQUIM Editora), do renomado cordelista e maior defensor do gênero na atualidade, Klévisson Viana, que em 2015 conquistou o terceiro lugar do Prêmio Jabuti na categoria Adaptação, com a obra “O Guarani em cordel”. O novo espetáculo vem renovado também de elementos cênicos, figurinos, cenários, direção e elenco. Em cena, juntam-se a Daniele Yanesatriz, produtora e idealizadora do projeto, dois novos integrantes, os atores Miguel Campelo e Gleilton Silva.

A direção é de Geovana Pires é atriz, diretora teatral, professora e coordenadora artística e pedagógica da Casa Poema (RJ), instituição fundada por ela e pela atriz e poeta Elisa Lucinda, referência de poesia falada no Brasil, que há 18 anos desenvolve uma linguagem teatral tendo a poesia como fio narrativo. Em 2007, fundaram a Companhia da Outra desenvolvendo a narrativa poética no palco. A dupla viaja pelo Brasil e por diversos países do mundo apresentando recitais, espetáculos e oficinas cuja ferramenta é a poesia.

“Sabemos que, de uma maneira geral, a poesia anda afastada das escolas e dos livros escolares, pretendemos então fazer um resgate da memória dos poetas nordestinos, mostrando uma nova abordagem do texto poético, assumindo nele a conversa e a coloquialidade, diminuindo assim a distância entre aluno e poema, professor e literatura, espectador e ator”, explica Geovana Pires. 
Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.