quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Sobrado Dr José Lourenço segue com MOSTRA “ARTE CEARÁ" e realiza mais uma edição do Café do Zé com artista Nivardo Victoriano

O Sobrado Dr. José Lourenço, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sedia até 28 de fevereiro de 2018, a Mostra Arte Ceará apresentando a partir do acervo da Secretaria da Cultura do Estado, sob a guarda do Centro Dragão do Mar, e de coleções particulares, uma narrativa histórica das Artes Visuais cearenses. Na programação, acontece também mais uma edição do "Café do Zé".

Mostra Arte Ceará
O intuito da Mostra "Arte Ceará" é propor uma reflexão sobre a produção artística local e mostrar os movimentos artísticos ocorridos em nosso Estado. “Uma oportunidade da população conhecer obras de artistas significantes da história da Arte do Ceará, tais como Chico da Silva, J.Fernandes, Otacílio de Azevedo, Estrigas, Campelo Costa, Fernando França, e dos contemporâneos o Hélio Rola, Efraim de Almeida, Solon Ribeiro, Isa Araújo, Ana Costa Lima, entre outros”, destacou Germana Vitoriano, Diretora do Sobrado Dr José Lourenço. Além disso, a exposição traz coleções particulares e coloca as obras para conhecimento do público, em um diálogo com as que integram o acervo da Pinacoteca do Estado. Mostra arte Ceará é, portanto, uma coleção de arte em diálogo.

Com a curadoria de Carlos Macedo, a Mostra permite ao espectador ter uma visão desse cenário, ao longo do tempo, a partir das obras que constituem o recorte apresentado. O conjunto de critérios usados na escolha das obras contempla o artista, considera a importância da relação temporal de sua obra, enquanto a cronologia diz respeito à visão geral dessa produção e faz referência, em particular, aos movimentos artísticos ocorridos em nosso Estado.

A exposição é composta por 59 obras de 56 artistas, entre as figurativas, obras hiper-realistas, representações de gravuras e expressões mais contemporâneas. “Há peças pouco conhecidas de artistas como Chico da Silva, e de outros artistas que continuam produzindo e que vivem da arte, como é o caso do Hélio Rola, e ainda outros artistas que nunca tiveram oportunidade de estar em uma exposição, e agora estabelecem um diálogo com estes artistas mais conhecidos como Decartes Gadelha, Estrigas, J. Fernandes. O acervo artístico do Estado delineia parte considerável da história da arte cearense, possibilitando a avaliação da sua contribuição a partir de uma coleção pública. Nesse sentido, a Mostra Arte Ceará democratiza o acesso da população à  produção de relevantes artistas cearenses e possibilita a abertura do diálogo com as reinvenções e releituras realizadas por artistas contemporâneos, suscitando reflexões e debates sobre a criação artística”, ressalta a diretora.

CAFÉ DO Zé dialoga com a Mostra Arte Ceará
O Sobrado Dr José Lourenço promove ainda o Café do Zé. Evento que reúne a visitação das obras e debates sobre temas específicos, sempre num diálogo entre as obras que integram a Mostra Arte Ceará e os estudos do audiovisual.

O primeiro Café do Zé, organizado pela professora da UECE e socióloga da Arte, Kadma Marques, foi realizado neste sábado 4/11, e propôs o questionamento sobre as “Imagens da Arte no Ceará: o que revelam?”. A ação teve a Mostra Arte Ceará como ponto de partida, e foco nas transformações do campo artístico cearense.

Já o segundo Café do Zé, ocorre neste sábado (11/11), às 10h, e será coordenado pelo artista Nivardo Victoriano. Com o tema “AMASSAR O TEMPO”, Nivardo criará um espaço onde o público, simbolicamente, terá o poder de moldar o tempo como molda o capitão. Amassar o tempo é, portanto, uma ação em que o espectador rompe com o seu tempo do cotidiano para criar o tempo da criação.

É uma performance onde o espectador/público deverá fazer capitão com as mãos e depois degustá-lo, levando o alimento a boca usando as mãos. Cada espectador, inicialmente, deverá lavar as mãos, receber um prato descartável com guardanapos e depois se dirigir a mesa onde encontrará recipientes com carne seca desfiada, feijão, arroz e farinhas (branca e amarela).

Tempo, memória, convivência, higienização com alimentos, e os aspectos sensorial e o lúdico são elementos que estão presentes e amalgamados nesta proposta de trabalho. O tempo presente da ação, ativará a memória do espectador, transformando-o em consumidor ativo.

(*) Capitão, segundo o dicionário Aurélio é um bocado de comida que tenha molho, amassado com farinha, entre os dedos, à moda de um bolo, e levado com a mão até a boca. No Nordeste tradicionalmente o capitão é feito com feijão e farinha de mandioca, depois foi acrescentando-se arroz e carne (pequenos pedaços).

O artista-propositor criará um espaço onde o público simbolicamente terá o poder de moldar o tempo como molda o capitão. Amassar o tempo é uma ação em que o espectador rompe com o seu tempo do cotidiano para criar o tempo da criação.


:: SERVIÇO:

DIA 11 de novembro | SÁBADO

Café do Zé com Nivardo Victoriano
10H [ARTES VISUAIS] AMASSAR O TEMPO

Entrada: Gratuita. Classificação etária: livre.

Local: Sobrado Dr. José Lourenço

Exposição Mostra Arte Ceará
em cartaz até 28/02/2018

Gratuito 

Horário: 9h às 16h30 (terça a sexta-feira) e 9h às 14h30 (sábados)

Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.