Programação do 7º Festival Alberto Nepomuceno segue em Fortaleza, Aracati e Canoa Quebrada


O 7º Festival Alberto Nepomuceno, que teve início no dia 10 e segue até dia 18, continua sua programação artística com atividades culturais em Fortaleza – nos dias 14, 17 e 18 –, Aracati (15) e na praia de Canoa Quebrada (16). Com programação gratuita e para todas as idades​, o FAN 2018 fortalece o uso de espaços públicos ​como​ ​bibliotecas, igrejas, ​escolas, ​museus e teatros.

Nesta quarta-feira (14), às 14h, o Museu da Fotografia de Fortaleza recebe seu primeiro concerto como parte da programação do evento. A ação, que inicia a programação do FAN 2018 em Fortaleza, será seguida de roda de conversa com a Luthieria Catavento e contará com a presença de crianças e jovens atendidos pelos abrigos sob a coordenação da Defensoria Pública Geral do Estado do Ceará. Coordenada pelo músico e luthier Fernando Sardo, a Luthieria Catavento é um dos grupos de referência da ONG Tapera das Artes, de Aquiraz. O grupo se destaca pela forma em que constrói seus instrumentos e pelos materiais utilizados, como cabaça, madeira, PVC, entre outros materiais recicláveis ou colhidos da flora cearense. Os sons extraídos desses instrumentos são exóticos e encantadores. Logo após, às 15h, os participantes são convidados a uma Visita Guiada pelo MFF – Museu da Fotografia de Fortaleza.

Quinta e sexta (15 e 16), o FAN vai ao litoral e promove roda de conversa, música e a série Cidade Portátil em Aracati e Canoa Quebrada. Alberto Nepomuceno personagem do livro Ana em Veneza, de João Silvério Trevisan, é o tema da roda de conversa conduzida pela jornalista Izabel Gurgel na Faculdade do Vale do Jaguaribe – FVJ, quinta, dia 15, às 19h30. É o FAN 2018 em Aracati.

O Projeto Long Play da DJ Renatinha abre o FAN 2018 em Canoa Quebrada, na Biblioteca Comunitária Eulina Freire dos Santos, sexta, dia 16, às 17h, e promove o encontro de três gerações de DJs de Canoa Quebrada. “Convidamos os primeiros DJs de forró e reggae, Vianez e Tiadai”, diz Renata Onofre, da direção do Festival. Na roda de DJs: Silas Rockers, Vinton Records, Buchecha, Caio Chocolate e Marcos Drums.

Às 18h, na série Cidade Portátil o FAN apresenta “Labirinto Canoa: siga o fio das labirinteiras” com rotas de passeios que sugerem apreciar o lugar a partir de saberes, como o das labirinteiras e de aristas como Niciano e Mauro Oceans, Stefano Libertini e Ricardo Keferaus, do Projeto Canoa em Cores.

Em seguida, às 19h, “Villa-Lobos para Criança”. Um espetáculo do grupo A Pessoa Bob na releitura da obra “Cirandinhas para Piano” do compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos. A orquestração definida pelo trio tem como intuito intensificar o traço lúdico da obra, em doze peças com divertidas referências a cantigas populares do universo infantil, que o grupo não só diversifica na instrumentação, como inclui um pequeno metalofone e um Casiotone, clássico miniteclado amador dos anos 80.

Às 20h, “A História do Tango”: concerto do argentino Alejandro Rodriguez no FAN Intercâmbios Internacionais. Alejandro é criador da orquestra No Método, integrante da orquestra Típica La Vidú, compositor e arranjador. A programação em Canoa Quebrada encerra-se com o lançamento do Selo Andorinhas da Rede Comunitária da Primeira Infância.

De volta à Fortaleza, no sábado (17), o Festival apresenta às 17h, uma aula-espetáculo com a Luthieria Catavento, na Livraria Cultura. A Luthieria é um grupo que fabrica seus instrumentos a partir de materiais reciclados e irá promover um encontro com a música em meio aos livros. No domingo (18), a partir das 17h, a Arena Dragão do Centro Dragão do Mar recebe as últimas apresentações do 7º FAN. Abre a programação o Sexteto Irmãos Cruz, que envolve sobretudo a sonoridade de Astor Piazzolla. O grupo é formado por seis jovens irmãos, bisnetos e netos de músicos, e carrega intensa trajetória na música. No repertório, música instrumental erudita e popular, com arranjos criativos.

A partir das 18h, o Trio Nepomuceno da UFC homenageia o maestro cearense que abriu caminhos na cena musical brasileira e é inspiração para o Festival: Alberto Nepomuceno. Formado pela violinista Liu Man Ying, pela violoncelista Dora Utermohl de Queiroz e pelo pianista Vitor Duarte, todos professores do curso de Licenciatura em Música do Instituto de Artes da Universidade Federal do Ceará, o Trio exaltará a obra do compositor Alberto Nepomuceno, regente e pianista nascido em Fortaleza, considerado o pai do nacionalismo da música erudita brasileira. Encerrando a programação do FAN 2018, a partir das 19h o duo Preto Neon.

O Festival Alberto Nepomuceno é uma realização da Vagalume Produção Cultural e Comunicação. Projeto contemplado no IX Edital Mecenas do Ceará, da Secretaria da Cultura do Estado. O FAN 2018 agradece à ENEL e conta com apoio institucional do Centro Dragão do Mar, Museu da Fotografia de Fortaleza, Livraria Cultura, Faculdade do Vale do Jaguaribe, Casas Flor de Lys e Prefeitura de Aquiraz.

Nenhum comentário:

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.

Tecnologia do Blogger.