Cineteatro São Luiz celebra os 120 anos do Cinema Brasileiro com a exibição do clássico “Vidas Secas”, de Nelson Pereira dos Santos




O Cineteatro São Luiz, equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult), convida a todos para celebrar, por ocasião de duas exibições (às 10h e 19h) do clássico filme “Vidas Secas” do cineasta Nelson Pereira dos Santos, o aniversário de 120 anos do cinema nacional,  que será comemorado no dia 19 de junho (terça-feira), “Dia do Cinema Brasileiro”. O evento tem entrada gratuita.

A data faz alusão ao registro das primeiras imagens em movimento realizadas em território brasileiro, feito que coube ao ítalo-brasileiro Afonso Segreto que, a bordo do navio francês “Brésil”,  filmou a entrada da baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, no ano de 1898.

A escolha do clássico filme “Vidas Secas” para a celebração da data, por sua vez, se traduz numa justa homenagem a um dos maiores cineastas brasileiros de todos os tempos, Nelson Pereira dos Santos, recentemente falecido. “Para nós é uma honra poder exibir esse que é um dos maiores filmes da história do cinema brasileiro na tela do São Luiz, que acabou de completar 60 anos de existência. Ou seja, é uma celebração múltipla de efemérides bastante significativas para o cinema e para a cultura brasileira, dado que o livro que originou o filme, por sua vez, está completando 80 anos desde o seu lançamento. De outra forma, temos aí dois gigantes da cultura nacional, que são o cineasta Nelson Pereira dos Santos e o escritor Graciliano Ramos, irmanados em um momento de celebração em torno de obras de altíssimo nível estético e artístico, numa prova inconteste da capacidade criativa e intelectual do povo brasileiro”, assinala Duarte Dias, Programador e Curador do Cinema do Cineteatro São Luiz.

O filme “Vidas Secas” foi baseado na obra homônima da nossa literatura, escrita pelo consagrado escritor Graciliano Ramos. A obra, cujo lançamento completa 80 anos em 2018, retrata, de modo condensado e particular, uma visão profunda e complexa da sociedade brasileira na década de 1930, cujos reflexos são visíveis até os dias de hoje. Estruturada em torno da saga de uma família nordestina em meio ao flagelo da seca, a obra, sem perder o aspecto histórico do tema, aprofunda a dimensão introspectiva dos personagens e o contexto psicológico da trama, ampliando, de maneira inédita, as possibilidades narrativas da literatura brasileira.

PROGRAMAÇÃO

10h e 19h [CINEMA] PROGRAMAÇÃO ESPECIAL: DIA DO CINEMA BRASILEIRO | VIDAS SECAS
Entrada: Gratuita | Classificação indicativa: Livre
Direção de Nelson Pereira dos Santos | Drama | Brasil | 1963 | 1h43 | Português
Sinopse: Uma família miserável tenta escapar da seca no sertão nordestino. Fabiano (Átila Iório), Sinhá Vitória (Maria Ribeiro), seus dois filhos e a cachorra Baleia vagam sem destino e já quase sem esperanças pelos confins do interior, sobrevivendo às forças da natureza e à crueldade dos homens. Adaptação da obra de Graciliano Ramos.

Nenhum comentário:

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.

Tecnologia do Blogger.