Pular para o conteúdo principal

Dia a dia - Polícia Federal, em ação integrada, combate crime de contrabando no Ceará

A Polícia Federal, em conjunto com a Marinha do Brasil e Secretária de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará, apreendeu no domingo, 15/12, próximo ao Porto de Paracuru, cerca de 39 milhas náuticas da orla da capital cearense, uma embarcação carregada de mercadorias estrangeiras cuja importação é proibida, tais como remédios e spray pimenta, além de roupas, pneus e outros.
A ação policial teve a partição do Grupo de Pronta Intervenção do Núcleo de Polícia Marítima da PF e do Grupo de Presa da Marinha do Brasil, que operaram a partir do Navio-Patrulha “Goiana” do Comando do 3º Distrito Naval, bem como de aeronaves do Ciopaer da SSPDS/CE e do CAOP - Comando de Aviação Operacional da PF.
Dois ocupantes da embarcação foram presos em flagrante por crime de contrabando, com penas de 2 a 10 anos de reclusão, e conduzidos à sede da Superintendência Regional da Polícia Federal no Ceará, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. 
A embarcação e carga foram encaminhadas para a Alfândega da Receita Federal no Porto do Mucuripe. O montante dos produtos apreendidos está sendo contabilizado.
A atividade de Patrulha-Naval em conjunto tem por objetivo fortalecer a segurança no litoral cearense, com foco na repressão aos ilícitos em embarcações no mar territorial brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…