Pular para o conteúdo principal

Técnica de reconstrução vaginal com pele de tilápia aplicada na UFC é utilizada pela primeira vez em hospital da UFMG

 A técnica que usa pele de tilápia em cirurgias de reconstrução vaginal, desenvolvida e aplicada na Maternidade-Escola Assis Chateaubriand (MEAC), que integra o Complexo Hospitalar da Universidade Federal do Ceará/EBSERH, foi utilizada pela primeira vez em Minas Gerais na última sexta-feira (26). O procedimento foi realizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG/EBSERH) pelo Prof. Leonardo Bezerra, do Departamento de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente da UFC.

Em parceria com a equipe do hospital, Bezerra conduziu duas cirurgias em pacientes diagnosticadas com a síndrome Rokitansky, doença rara que provoca alterações no útero e na vagina, fazendo com que estes órgãos se encontrem pouco desenvolvidos ou ausentes.

Imagem: O Prof. Leonardo Bezerra, da UFC (o quarto da esquerda para a direita, entre os que estão de pé), é o idealizador da técnica e realizou a cirurgia juntamente com a equipe do Hospital das Clínicas da UFMG (Foto: Divulgação)
O Prof. Leonardo Bezerra, da UFC (o quarto da esquerda para a direita, entre os que estão de pé), é o idealizador da técnica e realizou a cirurgia juntamente com a equipe do Hospital das Clínicas da UFMG (Foto: Divulgação)

As cirurgias fazem parte de uma pesquisa que está sendo feita na UFMG. No caso, os pesquisadores estão trabalhando em uma tese de doutorado que consiste em um estudo comparativo, no âmbito ginecológico, entre a pele de tilápia e uma prótese biológica já existente no mercado.

"A perspectiva é que a pele de tilápia consiga ter ao menos similaridade em relação a essa prótese que já existe. Como ela [pele de tilápia] tem um custo muito menor e uma produção muito mais simples e acessível, se o resultado for semelhante isso vai ser uma conquista a mais na pesquisa, na popularização e no uso sistemático da pele de tilápia nas cirurgias vaginais", explica Bezerra.

Segundo ele, as cirurgias realizadas no hospital da UFMG foram consideradas um sucesso, tendo ocorrido de forma rápida e adequada. As pacientes evoluíram de forma satisfatória e estão com alta prevista para o fim desta semana.

O docente ‒ que é o idealizador do uso ginecológico da pele de tilápia e há anos se dedica ao desenvolvimento da técnica ‒ também proferiu uma palestra sobre o tema para a equipe do Serviço de Ginecologia e Obstetrícia da instituição mineira. Além da UFMG, a UFC tem parcerias semelhantes nas pesquisas sobre o tema com a Universidade de São Paulo (USP) e com a Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente, a realização do procedimento está em fase clínica, ou seja, sem uso comercial.

O projeto conta também com acompanhamento e orientação do médico Edmar Maciel, presidente do Instituto de Apoio ao Queimado (IAQ) e coordenador-geral das pesquisas com pele de tilápia.

Além da utilização em pacientes com síndrome Rokitansky, o método desenvolvido na UFC é aplicado também em casos de pessoas com câncer de vagina e na reconstrução vaginal pós-cirurgia de redesignação sexual.

A pele da tilápia contém uma grande quantidade de colágeno tipo 1, que a torna tão forte e resistente quanto a pele humana. Para ser utilizado, o material passa primeiramente por um tratamento especial de limpeza e esterilização, feito nos laboratórios da UFC.

Os estudos com pele de tilápia foram iniciados em 2015 nos laboratórios do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento de Medicamentos (NPDM/UFC) e desde então geraram várias aplicações na área da saúde, resultando em diversas parcerias e premiações.

UFC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340