sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

XI Encontro Mestres do Mundo: segundo dia é marcado pelas rodas de saberes, oficinas e aulas espetáculos com os mestres da cultura


O XI Encontro Mestres do Mundo chega a seu segundo dia, com as Rodas de Saberes, oficinas, e aulas espetáculos em Limoeiro do Norte e outros municípios da região, como: Tabuleiro do Norte, Morada Nova e Alto Santo. Mais de 50 mestres e mestras da cultura do Estado estão reunidos, participando de uma programação intensa, com várias atividades até o sábado, dia 2 de dezembro. Pela noite, na Praça Maestro Odílio Silva, acontecem apresentações de grupos como Dona Zefinha, do Grupo de Coco do Iguape, do mestre cordelista, cantor e compositor Lucas Evangelista, além de apresentação do grupo de emboladas do Mestre Cirilo, dos repentistas Geraldo Amâncio e Guilherme Nobre, entre outros. A programação completa do Encontro pode ser conferida no site: http://mestresdomundo.org.br/.


Roda de Saberes, oficinas e aulas espetáculos

Os saberes e os fazeres dos mestres e mestras da cultura do Ceará foram compartilhados pela manhã desta quinta-feira, 30/11, no segundo dia do XI Encontro Mestres do Mundo. Nas Rodas de Saberes, os tesouros vivos da cultura se dividiram em grupos temáticos (oralidade, corpo, sons, mãos e sagrado) para trocarem seus saberes e contarem para o público sobre sua história.

Na Roda de Sons, a mestra Dina, vaqueira e aboiadora, contou sobre sua infância e adolescência em Canindé, em que sofria preconceitos por ser mulher e frequentar a vaquejada. "Aquele lugar não era pra mulher. Muitos desconfiam de que eu era capaz de montar e me desafiavam. Diziam: 'Você não monta naquele touro não'. Mas fui lá e montava", contou.

Já na Roda das Mãos, as mestras Dona Branca, mestra Quirina e o mestre Pedro Balaieiro aproveitaram para mostrar sua técnica e habilidade fazendo ao vivo suas artesanias, seja em cipó ou em cerâmica. O mestre bonequeiro Gilberto, de Icapuí, aproveitou o momento para contar como pegou gosto pela arte. "Quando era pequeno, pedi ao meu pai para ver como eram feitos os bonecos. Ele não deixou, disse que era 'macumba', mas eu falei pra ele que a gente tem que conhecer de tudo", narrou. O resultado: rasgou as ceroulas do pai para fazer seu primeiro boneco. Desde então, não parou mais. 

 As interatividades das ações do Encontro seguiram em amplitude ainda nessa manhã, chegando para além de Limoeiro do Norte às cidades de Tabuleiro do Norte, Morada Nova e Alto Santo. Esses municípios integrados ao chamado território “Terra Mãe” receberam, das 9h às 12h, as oficinas e aulas espetáculos (AE), ministradas por Mestres e Mestras ou componentes de seus grupos. Com o mote “Saber dos Encantados”, a AE em Tabuleiro teve o auditório do ART CLUB lotado para contemplar os saberes da Banda Cabaçal Pe. Cícero, com os compartilhamentos dos filhos e parentes de Mestre Miguel. Já em Alto Santo, a AE com o Mestre Doca Zacarias e os Mestres de Boi do Maranhão também teve o Auditório da Secretaria da Assistência Social repleto das atenções de aprendizes, como ainda de outros Mestres da Cultura, que prestigiaram a troca de saberes.

Também entre as aulas espetáculos itinerantes, a cidade de Morada Nova recebeu na Praça da Matriz do Divino Espírito Santo, Centro, a maestria do grupo de Candombe com os integrantes do Comparsa Cenceribó (Uruguai/Montevidéu) levaram o ritmo musical afro-latino americano e seus tambores para uma animada manhã de aprendizados. Nos próximos dias do XI Encontro Mestres do Mundo ainda acontecerão nas cidades de Tabuleiro, Quixeré, Russas, Alto Santo e Morada Nova outras mais atividades com o “Saber dos Encantados” em espaços socioeducativos, de forma compartilhada com parceiros locais, disseminando principalmente a educação patrimonial, artística e cultural.

A Programação

Durante os quatro dias do XI Encontro Mestres do Mundo são realizadas oficinas com o mote “Saber dos Encantados”, ministradas por Mestres e Mestras ou componentes de seus grupos. Também acontecem aulas espetáculos e oficinas itinerantes, contemplando as cidades de Tabuleiro, Quixeré, Russas, Alto Santo e Morada Nova. As atividades ocorrerão em espaços socioeducativos de forma compartilhada com parceiros locais, disseminando principalmente a educação patrimonial, artística e cultural.

Já na Roda de Trocas, os Tesouros Vivos compartilharam saberes entre si e com a comunidade, tendo como fio condutor da vivência o tema “Corpo, Sons, Mãos, Oralidade e Sagrado”, com participação de outros mestres de várias regiões do Brasil.

Tendo em vista o fortalecimento das políticas de patrimônio, o evento promove nesta quinta-feira (30/11), na FAFIDAM, o Seminário Interdisciplinar de Patrimônio Imaterial, com o tema “Além da Carta de Fortaleza – uma trajetória de desafios avanços, reafirmações e novas proposições para o patrimônio imaterial cearense”. O Seminário intenta de forma democrática favorecer espaço para as vozes locais (Mestres, Mestras, agentes culturais, sociedade civil organizada, professores, alunos entre outros) para reflexões e proposições necessárias sobre os Patrimônio Imaterial Cearense e as políticas públicas para o desenvolvimento, registro, salvaguarda e difusão destas, explica a curadora do projeto Profª. Lourdes Macena.

No total, mais de 25 grupos e bandas fazem as apresentações artísticas durante o XI Encontro Mestres do Mundo, entre reisados, bois, pastoris, cocos, emboladores, bacamarteiros, dentre outras manifestações da cultura popular, principalmente do Ceará, mas também de outras regiões do país e do mundo, como o Candombe (Uruguai) – declarado Patrimônio da Humanidade pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco); e os representantes de Da Comunidade Negra dos Arturos (Minas Gerais) - a primeira comunidade negra do Brasil a ser reconhecida como Patrimônio Cultural.

Outra novidade nesta edição serão as atrações para o público infanto-juvenil, a partir desta quinta-feira (30/11), sempre às 18h, trazendo o Palhaço Pimenta, teatro de bonecos com Bil Bonequeiro, e brincadeiras lúdicas com os Mestres e Bichos de Boi. De acordo com o pesquisador Oswald Barroso, “o encontro é importante por aproximar os mestres da cultura tradicional popular entre si para intercâmbio de saberes e práticas, sobretudo, no compartilhamento com os mais jovens. Se os jovens não se reconhecerem na cultura que os mais velhos criaram, guardaram e reinventaram – e nem dela se apropriarem, a tradição não terá continuidade”.

O palco da Arena dos Mestres também receberá apresentações musicais representativas da cultura popular, como o cantor e poeta Mário Lúcio (Cabo Verde), os grupos cearenses Fulô da Aurora e Dona Zefinha, além da cantora de cirandas Lia de Itamaracá (Pernambuco), que fará o show de encerramento do XI Encontro Mestres do Mundo.

Por fim, a Feira e Mostra Gastronômica de Artesania Familiar comercializa, no período do evento, as criações dos Mestres e Mestras da Cultura, valorizando produções locais. Destaque para a participação da Casa de Farinha do distrito de Lajes (Limoeiro do Norte) com venda de tapiocas, doces, broas, fogosas, queijos, figada/sarrabulho, tripa de porco com cuscuz, entre outras iguarias.

Mais sobre o Encontro Mestres do Mundo
O Encontro Mestres do Mundo é um evento estruturante da Secult, realizado desde 2005 como uma importante iniciativa de interiorização da cultura. Em dez edições, o Encontro e suas ações já foram acolhidos pelas cidades de Limoeiro do Norte, Jaguaruana, São João do Jaguaribe, Russas, Barbalha, Juazeiro do Norte e Crato, reunindo a cada edição os Mestres da Cultura, titulados como Tesouros Vivos da Cultura do Ceará, em diálogo com brincantes, estudantes, professores, pesquisadores e mestres de outros estados e países, com uma programação riquíssima voltada ao encontro e troca de saberes.

O Encontro é uma oportunidade singular de vivenciar a diversidade da cultura popular tradicional através da convivência com os guardiões que mantêm vivas as tradições. Conta com a participação de mestres, mestras e grupos locais, regionais e internacionais, promovendo a integração e a troca de experiências. Expressões de linguagens variadas se juntam em uma arena onde os mestres apresentam e transmitem seus saberes e seus fazeres.

São momentos mágicos onde o público participante trava contato com memórias, narrativas e práticas por meio de uma programação ampla de atividades práticas e teóricas. Um dos momentos mais especiais é a distribuição dos participantes em cinco categorias de Rodas de Mestres (corpo, mãos, oralidade, sons e sagrado), para o intercâmbio de saberes, contando com a mediação de pesquisadores da cultura popular.

As Rodas de Trocas são os momentos em que os Tesouros Vivos da Cultura do Estado do Ceará recebem os convidados, mostrando para a comunidade local seus costumes e a sua arte. As noites são marcadas por uma grande diversidade de apresentações de grupos e mestres oriundos das 14 (quatorze) macrorregiões do Ceará, bem como atrações nacionais e internacionais.

Ao longo das dez edições, ocorreram ainda diversas oficinas de repasse dos conhecimentos tradicionais, cursos e ações de educação patrimonial junto a estudantes e professores de escolas públicas, seminários temáticos com reflexões acadêmicas, exposições de fotografias e objetos relacionados às tradições, feirinha para comercialização de artesanatos feitos pelos mestres e outros produtos relacionados às culturas tradicionais, cortejos nas ruas da cidade, encontros de gestores culturais, dentre outras atividades. Momento de grande relevância para a cultura popular tradicional foi a titulação no X Encontro Mestres do Mundo de 58 (cinquenta e oito) Mestres da Cultura como Notório Saber em Cultura Popular pela Universidade Estadual do Ceará (Uece), em 2017.
Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.