sábado, 10 de fevereiro de 2018

Carnaval 2018 - Uber apoia Carnaval em nove cidades e faz campanha por respeito entre foliões


Começou o Carnaval, a mais brasileira das tradições. E, em uma demonstração do seu compromisso de longo prazo com o Brasil, a Uber apoia uma série de eventos pelo país, incluindo as escolas de samba do Rio de Janeiro, 39 blocos de rua em São Paulo, Belo Horizonte e Brasília, além de operações em mais cinco cidades.

Para a Uber, esta é uma oportunidade de contribuir para conscientizar as pessoas sobre a necessidade de praticar o respeito no Carnaval. Por isso, a empresa lança hoje, em parceria com a ONG Plan International Brasil, uma campanha destinada a garantir que o feriado seja uma experiência cinco estrelas não apenas para os motoristas parceiros e usuários da Uber mas também para todos os foliões.

Essa campanha está ancorada em uma série de vídeos editados a partir de um bate-papo para o qual convidamos a escritora Clara Averbuck, a modelo Paola Antonini, o motorista parceiro da Uber Roberto Bete e o jornalista Abel Neto.

Os filmes tratam de temas como violência contra a mulher, álcool e direção, homo e transfobia e racismo e foram publicados hoje no canal da Uber no YouTube. Ao longo do feriado, eles vão chegar à página da Uber no Facebook.

"[A violência contra a mulher] está em todos os âmbitos da sociedade, todos os âmbitos da sociedade acontecem isso. Desde dentro de uma empresa, dentro de uma casa, dentro da cozinha. Numa redação, né? Então, é uma discussão muito maior do que ir atrás de um homem que fez isso", afirma Clara no primeiro episódio da série.

Paola, que perdeu a perna em um acidente envolvendo álcool e direção, diz que costuma abordar até estranhos na rua para encorajar a direção responsável. "Eu acho que a gente tem que falar, e às vezes as pessoas até se assustam", contou. "Nessas épocas festivas, você tem de dirigir por você e pelo outro. Porque você pode não ter bebido, mas a outra pessoa bebeu, então você sempre tem de estar alerta."
                                                                                                                                                Reprodução
Paola, Clara, Roberto e Abel (no sentido horário)

O motorista parceiro da Uber Roberto Bete, que é transgênero, fala, na série, da dificuldade de adequar o seu nome e dos problemas que isso lhe traz. "É uma realidade, hoje, está em todo lugar. Você está andando na rua, e um trans passa por você e você nem sabe."

Sobre o Carnaval, o jornalista esportivo Abel Neto critica a hipersexualização da mulher negra. "O fato de ter várias mulheres negras de biquini, dançando, se divertindo, não quer dizer que você precisa vê-las como um objeto sexual", diz. "Aquela mulher tem de ser respeitada como ser humano, como cidadão, como uma pessoa trabalhadora… e não é só no Carnaval."

Nas últimas semanas, outras mensagens de respeito estiveram presentes em todos os espaços da Uber neste Carnaval, nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Olinda, Salvador e Florianópolis por meio de materiais como folhetos, molduras para fotografias, ventarolas (leques de papel), cartões de correio elegante e tatuagens temporárias.

"Essa parceria com a Uber é muito importante para a Plan International Brasil pois promove a disseminação de informações sobre esses temas e possibilita o alcance de um grande número de pessoas que passarão a compreender mais e, esperamos, ajudar a fortalecer a prevenção, em especial do abuso sexual entre as jovens e mulheres", disse Gabriel Barbosa, diretor-executivo da Plan International Brasil.

            Divulgação/Uber

Leque com mensagem anti-assédio elaborada dentro da parceria entre Uber e Plan, em São Paulo

COMUNIDADE UBER E, em todas as viagens realizadas com a Uber, a campanha aparece em folhetos e em pílulas de informação que incluem trechos do Código de Conduta da plataforma e algumas dicas de segurança.

O conteúdo inclui, por exemplo, recomendações para prestar muita atenção na identificação do carro no momento do embarque; evitar toques ou comentários que possam ser mal-interpretados; e colaborar para que nenhum item fique pra trás.

O mais importante é que todo parceiro ou usuário denuncie à Uber qualquer ocasião em que se sentir desconfortável. Na Central de Atendimento ao Cliente da Uber, mais de 5.000 atendentes estão redobrando os esforços para continuar respondendo, 24 horas por dia, mesmo durante o feriado, às mensagens enviadas pelo app e pelo help.uber.com.

Essas mensagens foram transmitidas em sessões de orientação realizadas em vários centros de atendimento a parceiros da Uber no país e já estão circulando, nos apps, desde a sexta-feira passada (2) . Elas vão se estender pelos próximos 12 dias, até a Terça-Feira Gorda.

RESPEITO

5.000
pessoas dedicadas a atender clientes 24 horas por dia

+70
escritórios em todo o país para atender parceiros ao vivo

39
blocos de rua patrocinados em São Paulo, BH e Brasília

13
escolas de samba do Rio de Janeiro apoiadas

DETALHES Para saber mais, acesse: t.uber.com/Carnaval2018.

DÚVIDAS Para tirar dúvidas, escreva para: press@uber.com.
Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.