sexta-feira, 6 de outubro de 2017

Nova unidade administrativa da UTE Pecém reutiliza cinzas de carvão mineral

Cinzas de carvão mineral vêm ganhando novo uso graças a uma pesquisa conduzida pelo Laboratório de Mecânica dos Pavimentos da Universidade Federal do Ceará (UFC) e Faculdade de Tecnologia do Nordeste (FATENE), com financiamento da Usina Termelétrica do Pecém. O resultado do estudo é aplicação de cinzas em 5% da composição (volume) de blocos de vedação, blocos calha, meio fio, piso intertravados H6 e H8. Os 95% restantes são compostos por cimento e outros agregados convencionais da indústria de produção de pré-moldados. Os novos blocos de concreto foram utilizados no prédio da Usina Termelétrica do Pecém (UTE Pecém), recém-inaugurado. 

A EDP, responsável pela UTE Pecém, investiu aproximadamente R$ 5,8 milhões na pesquisa. A cinza do carvão mineral está sendo adicionada à massa que forma os blocos de concreto utilizados na construção das paredes, na massa do meio feio e no calçamento externo da unidade (tanto de passeio quanto de circulação de veículos). A composição está sendo de 95% insumo tradicional e 5% de cinza. 

As peças de pré-moldado são feitas com adição de cimento e de uma série de outros componentes. Os agregados mais tradicionais são areia e pó de pedra, uma parte desses foi então substituída pela cinza na proporção de 5%. 

Os benefícios da utilização de cinzas em blocos pré-moldados são: transformação de resíduo em insumo, possível geração de receita com a comercialização de cinzas e redução de impactos ambientais em decorrência da substituição de recursos naturais por resíduos na indústria de pré-moldados. 

Reúso de cinzas 
Além da pesquisa, as cinzas provenientes UTE Pecém são direcionadas são direcionadas a empresas cimenteiras do Ceará e outros estados. O material é reutilizado como matéria-prima para a fabricação de cimento. 
As cinzas do carvão mineral também representam uma fonte alternativa para outros segmentos. O resíduo pode ser utilizado em diversos segmentos da construção, como aterros estruturais, blocos de cinza e cal, cerâmicas, materiais para impermeabilização de bacias de contenção, remediação de solos, entre outras aplicações. 
Sustentabilidade 
O novo prédio administrativo UTE Pecém é equipado com reservatórios para captar água da chuva e direcioná-la para uso em caixas sanitárias e irrigação de jardim. Ao todo, o sistema tem capacidade de acumular 20 mil litros de água. 

Já a laje do prédio possui entradas para a luz natural no ambiente interno, reduzindo a necessidade e iluminação artificial. Para não aumentar a temperatura do ambiente, o que exigiria mais energia do sistema de refrigeração, as entradas são equipadas com anteparo reflexivo que difundir a luminosidade e impedir a entrada da carga térmica. A unidade tem ventilação natural em algumas áreas dispensando a necessidade de aparelhos de ar-condicionado. 

Possui ainda um sistema de gerenciamento de energia para aumentar a eficiência energética, gerenciar a temperatura do sistema de refrigeração e controlar os fluxos elétricos. um sistema de gerenciamento de energia para aumentar a eficiência energética, gerenciar a temperatura do sistema de refrigeração e controlar os fluxos elétricos. 

Sobre a EDP – UTE Pecém
Em operação desde 2012, a UTE Pecém é um empreendimento do Grupo EDP. A empresa gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da usina é responsável pela transformação do Ceará de estado importador para estado exportador da energia elétrica. 

A EDP Brasil atua nos segmentos de Geração, Distribuição e Comercialização e Soluções de energia elétrica no País. Além do Ceará, a EDP possui ativos em sete estados: Amapá, Espírito Santo, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo e Tocantins. 
Controlada pela EDP Energias de Portugal S.A, uma das maiores operadoras europeias no setor energético, a EDP Energias do Brasil S.A. integra o Índice de Sustentabilidade da BM&F Bovespa (ISE), que reúne empresas que adotam boas práticas corporativas no que diz respeito a aspectos ambientais, sociais e de governança corporativa.

Enviar

Deixe seu comentário:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.