Pular para o conteúdo principal

200 Anos da Presença do Café na Serra de Baturité (1822- 2022)

 





Em 2022, a Serra de Baturité comemora 200 anos de presença preciosa do café em seu território.

Café que desde os primórdios mudou o rumo da história da região, trazendo migrantes, divisas, desenvolvimento e uma importante lição: não desmatar. Apreendemos o manejo sustentável da floresta com o café de sombra.

O Selo Comemorativo de 200 Anos marcará um momento muito especial em que prevalece a revitalização do plantio sustentável associado ao turismo, nossos grãos estão no mercado do café especial, a expansão da Rota Verde do Café, o processo (em andamento) de reconhecimento para obter a Identificação Geográfica (IG) e a consolidação de municípios da Serra de Baturité enquanto apoiadores do café de tradição.

Café de Sombra

A atividade cafeeira tem um papel crucial na manutenção da paisagem do Maciço de Baturité, de fauna e flora diversificadas, considerada um refúgio para diversas espécies, assim como para pessoas que desejam desfrutar de uma paisagem exuberante de floresta e cachoeiras. Iniciada em 1822 num sistema de cultivo a pleno Sol avança já na metade do século XIX representando importante produto na pauta de exportação cearense.

O plantio de pleno sol permitiu a expansão dos cafezais, provocando igualmente a derrubada da mata nativa e a exaustão dos solos. Depois de algum tempo a terra perdeu a umidade, tornando-se improdutiva. Somente então, vieram as tentativas de arborização.

Camunzé e ingazeira começaram a proteger os cafezais do sol, este tipo de árvore, especialmente o ingá, concentra a umidade e enriquece o solo com a queda de suas folhas e têm a vantagem de abrigar os inimigos naturais das pragas. Outras espécies floresceram espontaneamente e tornaram os cafezais produtivos, durante décadas, com solo livre de produtos químicos, adubados com a palha de café e outros detritos orgânicos.

Seguindo esse processo bem natural, a colheita do café com grãos 100% arábica não fugia a regra. Feita à mão pelas mulheres, conhecidas como apanhadeiras, enchiam seus balaios presos à cintura. Café colhido e devidamente medido seguia para faxina – espaço destinado para secagem ao sol. Depois de seco, o café era levado à piladeira para o beneficiamento.

Essa forma de plantio tem historicamente favorecido à manutenção dos ecossistemas e da própria atividade que esteve perto da extinção no período anterior.

História

A história do café no Nordeste remonta ao Século XVIII quando sete libras de café cultivados pela primeira vez no Pará já embarcavam no Santa Maria, em 1731, e se tornou tão promissor que três anos depois já somava 3000 arrobas para exportação. Tamanha força econômica faz com que o café comece a se espalhar e chegue ao Ceará por volta de 1745 pelas mãos do capitão-mor de Sobral, José de Xerez Furna Uchoa com grãos originários do Jardim das Plantas de Paris. A indústria cafeeira cresce no Ceará nas regiões menos afetadas pelas secas – as serranas.

As primeiras sementes de café chegam a Serra de Baturité por volta de 1822 trazidas do Cariri e posteriormente do Pará foram plantadas num sistema de pleno sol, ganhando aos poucos a adesão dos donos das terras e de migrantes sertanejos que lá pelos anos de 1840 formam presença na região em busca de melhores condições de trabalho. A partir de 1846, o café entra na lista das exportações da província. Registros mostram que no período de 1846 a 1857 centenas de quilos foram exportados pelo porto de Fortaleza - café de boa qualidade sendo o diferencial responsável pelo incremento da produção e comércio local e que em alguns momentos supera a exportação de algodão em valor. Assim, cidades como Baturité e Mulungu tiveram na cultura do café sua principal atividade econômica e tornaram-se um importante produtor nacional, chegando a deter 2% de toda a produção brasileira.

Tanto que para escoar a safra foi construída a primeira ferrovia no estado – a Companhia Cearense da Via Férrea de Baturité –, interligando Baturité à capital. Outro fator que demonstra a opulência do período foi à criação de uma moeda própria, de bronze cunhada em Portugal, conhecida como boros. A moeda tinha lastro no café e funcionava como promissória e circulou por todo o Maciço e chegou a várias regiões do Sertão, como Quixadá.



SELO COMEMORATIVO 200 ANOS DA PRESENÇA DO CAFÉ NA SERRA DE BATURITÉ

Na Serra de Baturité – 100 km de Fortaleza, encontramos uma produção de café sombreado de importância ambiental e socioeconômico que já chegou a exportar toneladas de um café diferenciado.

Desde 2013 o SEBRAE Ceará Regional Maciço de Baturité, em parceria com as Prefeituras locais, aplica o Programa Café Verde para o desenvolvimento sustentável da cafeicultura local através de ações que procuram garantir a recuperação e a conservação dos recursos naturais, a valorização da identidade cultural, do patrimônio histórico e de modelos sustentáveis de produção que promova uma melhoria da qualidade de vida em harmonia e equilíbrio ambiental construindo, paralelamente, o fortalecimento das organizações produtivas. Cabe ao Programa disponibilizar soluções inovadoras e tecnologia eficientes para garantir um impacto ambiental positivo.

É no clima da Serra, à beira dos pés de café, que o SEBRAE Ceará promove a Rota do Café Verde (2015), reunindo cidades serranas remanescentes da cafeicultura de sombra: Baturité, Mulungu e Guaramiranga. No caminho, plantações de café em meio à Mata Atlântica, os processos de torra e moagem, circundados pelas belas fachadas originais de casarões centenários com suas poltronas de palha e brocados onde ainda moram o cheiro e o sabor de suas raras sementes. Tudo isso numa boa conversa com as antigas famílias produtoras da região em seus jardins repletos de flores e pássaros e - é claro - um bom cafezinho.

Participar da Rota Café Verde do Ceará auxilia na permanência do Agricultor Familiar na região, garantindo os cinturões verdes, qualidade da água e do fácil acesso do consumidor a um café de qualidade e de prática sustentável.

Em 2020, o deputado Audic Mota apresentou na Assembleia Legislativa do Ceará o projeto de lei n° 183/20, que institui a Rota do Café no Maciço de Baturité como Circuito Turístico no Estado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340

Idomed Canindé realiza capacitação de profissionais da saúde sobre acolhimento e humanização do atendimento no SUS

  Os profissionais da saúde da atenção básica no município de Canindé, além dos profissionais que atuam na Central de Marcação do município e na Central de Abastecimento Farmacêutico, participaram de capacitação sobre acolhimento e humanização do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), na última semana. O evento aconteceu no auditório do  Instituto de Educação Médica Idomed Canindé em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Canindé e com o Ciclo Permanente de Educação Continuada da Faculdade Estácio de Canindé. Segundo o professor Dr. Orleâncio Gomes Ripardo de Azevedo, coordenador do programa de extensão do Idomed de Canindé, a capacitação é um importante passo para o fortalecimento dos trabalhos da rede pública de saúde. “Esse tipo de ação de aprimoramento que estamos proporcionando aos profissionais da saúde irá beneficiar todos, principalmente a população que utiliza os serviços de saúde pública”, explica. A diretora da unidade de Canindé, Iael Marinheiro, explica que