#audioinclui

sexta-feira, 26 de julho de 2019

Grávidas têm 42% mais chance de envolvimento em acidentes de trânsito, afirma pesquisa


Especialista alerta para o uso do cinto de segurança, atenção aos sintomas e autorização médica.

No trânsito todo cuidado é pouco e quando se trata de trânsito e gravidez, a atenção precisa ser redobrada. No Código de Trânsito Brasileiro (CTB) não consta a proibição da gestante dirigir, mas é necessário que a mulher converse com seu médico e tenha o bom senso na hora de assumir a direção do veículo.

Segundo a última pesquisa do Canadian Medical Association Journal, as grávidas possuem 42% mais chance de envolvimento em acidentes graves de trânsito. Para o advogado especialista em trânsito, Rodrigo Nóbrega, esse número é refletido por diversos fatores. "A gestante precisa estar atenta para os sintomas e sempre pensar na sua segurança e na do bebê. Sintomas como náuseas, tonturas e sonolência podem vir a causar um acidente." ,afirma o especialista.

Além do bom senso na hora de dirigir grávida, é preciso que a gestante utilize o cinto de segurança. Apesar de muitas mulheres ignorarem o cinto na gravidez por conta do desconforto ou medo de machucar o bebê, o especialista Rodrigo Nóbrega ressalta que o seu uso é obrigatório e imprescindível. ''Ele deve ser usado da mesma forma, sendo do tipo de três pontos, mas que a faixa sub-abdominal fique mais baixa e ajustada quanto possível e a faixa diagonal deve cruzar o meio do ombro, passando entre as mamas. Nunca sobre o útero.'' Além disso, Rodrigo reforça também a importância da autorização médica para dirigir. ''Apesar de todo cuidado e atenção com os sintomas, no uso do cinto de segurança, na posição do banco, é imprescindível que a gestante converse com seu obstetra antes de enfrentar o trânsito.", conclui.

Para a obstetra Gabriela Alcântara, não existe uma contraindicação em em relação a direção, porém o recomendado é que a gestante só dirija até o 8º mês. “Depois disso a barriga fica maior, fica muito próxima ao volante e o cansaço aumenta. A mulher pode ficar mais desatenta e se tiver alguma colisão há um risco maior de um deslocamento de placenta.” afirma a médica.

0 comentários:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.