Pular para o conteúdo principal

PCCE reforça a importância do BO para auxiliar apurações de crimes expostos em rede social

A Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE), por meio da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dceca), recebeu denúncias de oito vítimas sobre crimes sexuais envolvendo casos divulgados em uma rede social com a hashtag #exposedfortal. A depender de cada caso, em Fortaleza, os trabalhos policiais também deverão ser conduzidos pela Delegacia de Defesa da Mulher de Fortaleza (DDM-For) e pela Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA).
É importante destacar ainda que todos os relatos são acompanhados também pelo Departamento de Proteção aos Grupos Vulneráveis (DPGV) e pelo Departamento de Inteligência Policial (DIP) da PCCE. As diligências estão divididas por compartilhamento de material pornográfico sem o consentimento das vítimas e os relatos de crimes envolvendo professores de instituições de ensino na Capital. Além disso, a Polícia Civil realiza oitivas de todos os envolvidos e colhe materiais que subsidiarão as apurações.
As ações coordenadas pela Dceca nesse momento contam ainda com a participação da equipe do Programa Rede Aquarela da Prefeitura de Fortaleza, que atua nas dependências da delegacia especializada. A equipe composta por uma psicóloga, uma assistente social e uma agente administrativa desenvolve ações de enfrentamento à violência sexual contra crianças e adolescentes e realiza o primeiro atendimento psicossocial às vítimas de violência sexual e suas famílias.

A importância do Boletim de Ocorrência

As informações que chegaram ao conhecimento da Polícia Civil vão de crimes de ação penal pública incondicionada, que tratam de pessoas que tiveram fotos íntimas expostas sem o seu consentimento, até crimes passíveis de representação por parte da vítima, como é o caso de ameaças, difamação e calúnia. Sobre os últimos citados, a PCCE só conseguirá dar continuidade aos trabalhos policiais se houver o registro do fato por meio da Delegacia Eletrônica (Deletron) ou presencialmente em uma delegacia da Polícia Civil.
Os Boletins de Ocorrência podem ser registrados pela Deletron, no site www.delegaciaeletronica.ce.gov.br/beo/, em qualquer horário do dia ou da noite. A Delegacia Eletrônica atende todo o Estado do Ceará. Em caso de crianças e adolescentes, que tenham sofrido crimes sexuais, a vítima e o representante legal podem comparecer à sede da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente, na Rua Soares Bulção, s/n, no bairro São Gerardo.
No link a seguir, a população pode consultar ainda o endereço e o contato das demais delegacias do Ceará, que estão aptas a receberem casos semelhantes em todo o território cearense, como as delegacias de Defesa da Mulher. https://www.policiacivil.ce.gov.br/contatos/especializadas/.

Denúncia

A população pode contribuir com o trabalho da delegacia especializada repassando informações sobre crimes que tenha conhecimento. As denúncias podem ser feitas pelo 3101-2044 da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dceca).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…