Pular para o conteúdo principal

Mulheres são maioria na arquitetura cearense



Ao todo, elas representam 64,7% dos profissionais registrados no estado. Apesar de serem maioria, elas ainda enfrentam dificuldades, barreiras históricas e culturais para se destacar no mercado de trabalho


Pesquisa realizada pelo Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil (CAU-BR) mostra que, dos mais de 212 mil arquitetos e urbanistas registrados no país, mais de 60% são do sexo feminino. No Ceará não é diferente, elas são maioria e representam 64,7% dos profissionais da categoria ativos. Para o presidente do CAU-CE Lucas Rozzoline, um número significativo e que tem a tendência de aumentar ainda mais nos próximos anos. 


“Nas universidades elas também são maioria. Elas representam cerca de 67% do total de alunos o que é motivo de orgulho para nós que estamos vivenciando o protagonismo feminino que por muito e muito tempo foi dificultado pelo sistema patriarcal que era latente e que, culturalmente, acabou perdurando e refletindo em vários campos da sociedade, incluindo a arquitetura e o urbanismo”, afirma Lucas. 


A arquiteta e urbanista, conselheira do CAU-CE, Denise Sá, destaca a importância e a diferença que as mulheres arquitetas fazem à sociedade. “As cidades, seus espaços e edifícios, historicamente, vêm sendo propostos segundo a ótica e as necessidades masculinas, que não percebem as necessidades e as vulnerabilidades femininas. Sob esta ótica, um planejamento visando atender a inclusão, segurança, resiliência e sustentabilidade torna a cidade segura para todos, sejam homens, mulheres, crianças ou idosos”, conta Denise. 


Dificuldades


Apesar do grande número de mulheres arquitetas, é necessário destacar que elas nem sempre encontram as mesmas condições de acesso, exercício, permanência e ascensão no campo da arquitetura, por isso ainda são timidamente encontradas e reconhecidas. De acordo com o levantamento do CAU-BR, as arquitetas ainda são minorias nos canteiros de obras e como liderança de equipes em projetos maiores relacionados a concursos nacionais e internacionais. A pesquisa aponta que nas premiações, apenas 17% dos prêmios nacionais de projeto foram concedidos a equipes lideradas por mulheres, assim como apenas 17% dos membros do conselho diretor federal são mulheres e 24% no conselho estadual.


“Isso ocorre porque a mulher começou a integrar o mercado de trabalho apenas há poucas décadas e desde então ela vem buscando conquistar o seu espaço. Em Fortaleza, por exemplo, o curso de arquitetura iniciou apenas em 1964, com mulheres na primeira turma. Destas, algumas passaram a integrar o corpo técnico de escritórios já existentes e de órgãos públicos. A verdade é que a mulher sempre esteve presente nos projetos de arquitetura, mas sua presença sempre foi eclipsada por um membro masculino da equipe que obteve maior destaque”.


Dificuldades


Segundo o 1º Diagnóstico de Gênero na Arquitetura e Urbanismo realizado pelo CAU-BR, de julho de 2019 a fevereiro de 2020, as principais dificuldades encontradas pelas mulheres arquitetas e urbanistas são: A discriminação de gênero, associados ao assédio moral e sexual;  grande discrepância salarial entre o homem branco e a mulher negra, tendo o primeiro um ganho 13 vezes maior; além da dificuldade de conciliar a maternidade com a profissão. “Ainda cabe à maioria das mulheres quando são mães o cuidado com os filhos pequenos. Esse quesito acaba por dificultar o ingresso ou o retorno delas ao mercado de trabalho. Muitas até resolvem se dedicar à família e não atuar mais profissionalmente”, afirma a conselheira Denise Sá.


Grupo de trabalho


Sobre esses e outros questionamentos sobre a mulher arquiteta e urbanista que foi formado o Grupo de Trabalho sobre Representatividade da Mulher Arquiteta e Urbanista do Estado do Ceará do CAU/CE. “Uma iniciativa que busca conhecer melho…

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340

Idomed Canindé realiza capacitação de profissionais da saúde sobre acolhimento e humanização do atendimento no SUS

  Os profissionais da saúde da atenção básica no município de Canindé, além dos profissionais que atuam na Central de Marcação do município e na Central de Abastecimento Farmacêutico, participaram de capacitação sobre acolhimento e humanização do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), na última semana. O evento aconteceu no auditório do  Instituto de Educação Médica Idomed Canindé em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Canindé e com o Ciclo Permanente de Educação Continuada da Faculdade Estácio de Canindé. Segundo o professor Dr. Orleâncio Gomes Ripardo de Azevedo, coordenador do programa de extensão do Idomed de Canindé, a capacitação é um importante passo para o fortalecimento dos trabalhos da rede pública de saúde. “Esse tipo de ação de aprimoramento que estamos proporcionando aos profissionais da saúde irá beneficiar todos, principalmente a população que utiliza os serviços de saúde pública”, explica. A diretora da unidade de Canindé, Iael Marinheiro, explica que