#audioinclui

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019

Colabora Inova - Instituto NET Claro Embratel anuncia os finalistas da 7º edição do Campus Mobile



 O Instituto NET Claro Embratel anuncia os finalistas da 7ª edição do Campus Mobile, programa que tem o objetivo de identificar, estimular e contribuir para a formação de jovens talentos universitários para atuação no mercado de conteúdos e novos serviços de telefonia móvel.
 
A iniciativa de inovação e empreendedorismo do Instituto NET Claro Embratel, contou com o recorde de inscritos nessa edição, que focou em soluções que impactam diretamente a vida das pessoas. Ao todo, foram 217 projetos de 25 estados do Brasil, com um total de 483 participantes, divididos em quatro categorias.
 
Na categoria Diversidade foram classificados os seguintes aplicativos:
 
EmpoderApp: “A plataforma serve para empoderar as mulheres, combatendo as diferentes formas de opressão sofridas e proporcionando um espaço de promoção e proteção de Direitos Humanos, reduzindo o número de casos de violência contra a mulher”, comenta o estudante amapaense Mateus Bezerra, que idealizou a solução junto com os maranhenses, Vitor Hugo Moraes e Brenda Sá.
 
Diversidade em Ação: O aplicativo é um jogo criado pelos estudantes da Universidade Federal de São Carlos, Jéssica Nascimento e Thiago Yonamine. A ideia central do game é ilustrar, de maneira lúdica, que fazer o bem e respeitar outras pessoas é gratificante e essencial para a sociedade, em um ambiente em que cada escolha que você fizer vai interferir diretamente na sua jornada.
 
Utilização de aprendizado de máquinas para identificação de sinais (Libras): A solução finalista do Campus Mobile é uma ideia do jovens gaúchos, Luisa Santos e Anderson Maia. Com ele, será possível pessoas com deficiência auditiva se comunicarem com quem não conhece a linguagem de Libras, além de auxiliar os surdos na escrita.
 
Na categoria Educação foram classificados os seguintes aplicativos:
 
Arco Didático: A plataforma foi criada por Eduardo Nascimento, Hugo Lima e Vívian Sousa. A solução visa a parceria com as escolas para realizar treinamento de professores por meio de workshops. “A aplicação tem o objetivo de implementar uma nova maneira de abordar o ensino de educação sexual nas escolas e a conscientização sobre o assunto, ajudando e facilitando a participação dos alunos” afirma Hugo. 
 
Embarquei: É um aplicativo que promete solucionar problemas do transporte coletivo estudantil intermunicipal, criado pelo pernambucano Vinícius Gomes.
 
Robosquadrão: Idealizado pelos jovens Gabriel Nascimento, Eleazar Braga e Óliver Becker da Universidade de São Paulo, a aplicação é um jogo educativo em que o objetivo é ensinar lógica de programação de maneira fácil e divertida para o jogador.
 
Na categoria Smart Cities foram classificados os seguintes aplicativos:
 
Padrinhos Mágicos: A solução busca gerar um apadrinhamento afetivo entre os idosos e crianças com os cidadãos que se dispõe a fazer parte de um bem maior. Com um sistema de “matching” entre voluntários e instituições, para que além de visitas, estas pessoas também possam proporcionar momentos de lazer e de contato humano, que pouco existe no caso dos idosos, além de ajudar no molde do caráter e personalidade das crianças. “A presença de amor e carinho é biologicamente importante na vida de qualquer ser humano. Um simples ato pode mudar muita coisa”, comenta Thiago Martins, idealizador do projeto, junto com os pernambucanos Hugo Silva e Samuel Souza.
 
Rangoff: É um aplicativo para a compra antecipada de refeições, de modo offline, em estádios de futebol. Com apenas um QR Code, os jovens Thales Santos, Lucas Lacerda e Rodrigo Rosa prometem diminuir as filas para o torcedor conferir o jogo sem dor de cabeça.
 
Dispositivo de Monitoramento da Qualidade do Ar Conectado a Smartphones: Idealizado por estudantes paraibanos, o projeto monitora de informações referentes a qualidade do ar como: temperatura do ar, umidade do ar e concentração de gases no ambiente. A aplicação foi criada por Henrique Miranda, Gabriel Barros e David Luna.
 
Na categoria Smart Farms foram classificados os seguintes aplicativos:
 
Smart Milk IoT: A solução traz sonda capaz de realizar a medição da qualidade do leite instantaneamente de maneira simples e barata. Além de contar com um aplicativo que coleta imediatamente os dados. “Agora, tudo isso poderá ser realizado sem precisar coletar amostras e levá-las ao laboratório, constituindo assim um processo lento, de alto custo e que não permite uma análise instantânea”, comenta Ítalo Alvarenga, criador da plataforma junto dos mineiros Deivid Campos e Gabriel Correa.
 
Arrent - arrende, plante e cresça: Os estudantes Fernando Pascoal, Guilherme Prezzi e Eduardo Dusik são finalistas com a aplicação em que as pessoas podem ofertar lugares disponíveis para arrendamento de terras para plantio, possibilitando com que os usuários possam ofertar seus espaços agrícolas e alcançar arrendatários. 
 
Plantar mais: É uma plataforma de orientação que tem o propósito de indicar as culturas com melhor desempenho, através do bioma especifico de cada região sendo filtrado pelo próprio banco de dados do aplicativo com bases científicas e tecnológicas. A aplicação foi criada por Leticia Alves, Victor Oliveira e Victor Souza. 
 
Agora, os finalistas do Campus Mobile aprimoraram os seus projetos até o mês de junho, em que serão conhecidos os melhores de cada categoria do programa.
 
Os vencedores da 7ª edição do Campus Mobile ainda poderão concluir seus projetos em uma viagem de imersão para o Vale do Silício, em São Francisco (CA), nos Estados Unidos, com visita à empresas renomadas como Facebook, Google e na Universidade de Stanford, em setembro de 2019.
 
SOBRE O INSTITUTO NET CLARO EMBRATEL
 
A área de Responsabilidade Social do Grupo Claro, composta pelas marcas NET, Claro e Embratel, investe continuamente em ações relacionadas à Educação e à Cidadania, por meio do Instituto NET Claro Embratel, com o objetivo de atuar em frentes sociais que integram a tecnologia e a informação como fonte de desenvolvimento e conhecimento. Desta forma, realiza e apoia projetos como o Campus Mobile, o Educonex@o, o Programa Dupla Escola, entre outros. O Instituto NET Claro Embratel é qualificado como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) pelo Ministério da Justiça, e é reconhecido pelo Departamento de Informação Pública das Nações Unidas (DPI/ONU) como uma organização não governamental corporativa que promove os ideais e princípios sustentados pela Carta das Nações Unidas. Além disso, através de sua Plataforma Institucional, as marcas NET, Claro e Embratel propõem a conexão entre as pessoas para a construção de um amanhã gigante. O movimento é parte de uma inciativa que aborda a gestão corporativa e manifesta o compromisso com a sociedade. Entre as iniciativas estão os Theatros NET São Paulo e Rio de Janeiro, Estação NET Cinema, NET Live Brasília, entre outros. Conheça outras realizações no Relatório Social de 2017 do Instituto: https://www.institutonetclaroembratel.org.br/wp-content/uploads/relatorio-social/2017/mobile/index.html#p=52

0 comentários:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.