Pular para o conteúdo principal

*Ceará tem mais de 12 mil pessoas empregadas no setor têxtil, revela sistema FIEC*


Um dos estados da Região Nordeste a ter mais participação no setor têxtil, o Ceará tem, atualmente, mais de 12,8 mil empregados que trabalham nesse segmento, segundo dados divulgados pelo Observatório da Indústria do Sistema FIEC com apoio do Sinditêxtil. Além disso, os últimos registros mostram também que em 2018 as vendas externas desse setor no Ceará chegaram a marca de US$ 35.289.845. Pensando em movimentar ainda mais esse mercado, acontece de 10 a 13 de setembro, em Fortaleza, a feira Maquintex, trazendo muitas novidades competitivas para o mercado confeccionista.

O Nordeste reúne uma enorme área têxtil, com mais de 50 municípios que possuem produção têxtil, e tem grande participação no crescimento do setor no Brasil. Trata-se da segunda maior região em importância, perdendo apenas para o Sudeste.  “Apesar de ter mais de 130 anos de história na indústria têxtil, o recente crescimento do poder de consumo da população nordestina e, mais especificamente, cearense sem dúvidas é determinante para esse cenário”, disse Hélvio Pompeo Madeira, diretor-presidente do Febratex Group.

Além disso, Pompeo também cita a força da moda no Ceará. "Além da grande força produtiva, também é um estado de visibilidade por sua moda criativa, berço de grandes marcas, estilistas e com uma semana de moda conhecida no país todo, representada pelo DFB Festival, maior evento de moda autoral da América Latina que existe há 20 anos", disse.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…