Pular para o conteúdo principal

Colabora Inova - *Segurança eletrônica: mercado prevê crescimento de 10% até o final de 2019*


_Uso da tecnologia permite técnicas de controle de acesso que garantem a segurança de empresas e residências_

A sensação de insegurança fez crescer o número de empreendimentos que investiram em equipamentos e soluções inovadoras. A Associação Brasileira de Empresas de Segurança Eletrônica atesta: o setor movimentou R$ 6,52 bilhões só em 2018, alta de 8% frente ao ano anterior. De acordo com a entidade, entre as soluções mais procuradas está o Controle de Acesso, que detém 23% do setor.

Fazer a gestão de acesso, com uso de equipamentos e processos para restringir ou não o acesso de pessoas a ambientes e/ou propriedades, é atribuição dos softwares de controle de acesso. A ferramenta tem como funções primordiais reduzir fraudes e falsificações; ajudar a prevenir danos patrimoniais, entre outros benefícios.

São vários os métodos de segurança que ganharam em agilidade e eficiência. Os mais comuns são senhas, cartões, crachás inteligentes e a biometria, que leva em consideração algumas características da pessoa. Os ambientes controlados impedem a entrada de indivíduos suspeitos, e organizam a entrada de funcionários, clientes e fornecedores.

De acordo com o Tiago Oliveira, Diretor Comercial da Protekseg, empresa cearense líder no mercado de controle de acesso, o software pode ser utilizado como suporte para a tomada de diversas decisões na corporação. “Não é só uma catraca de segurança que o consumidor busca. É a sensação de conforto ao saber que pode identificar e limitar o acesso de cada pessoa que entra e circula seja dentro de uma indústria, uma escola ou por exemplo, em um hospital”, completa.

Alavancado por novas tecnologias que facilitaram a instalação, o uso e a integração de soluções de segurança, o mercado se prepara para oferecer cada vez mais projetos que fundamentam essa realidade. Hoje, são cerca de 815 mil imóveis com sistemas eletrônicos de segurança no país. No Ceará, de acordo com Tiago, a ProtekSeg atua no controle de acesso em 80% dos prédios comerciais.

*Integração*
O diretor da ProtekSeg destaca, ainda, a projeção a curto prazo para o mercado de integração entre soluções. "É uma tendência que cada vez mais sistemas de segurança se popularizem, plataformas nas nuvens para integração de dados de sistemas devem ser inerentes, assim como automação e conexão entre os dispositivos eletrônicos de segurança", conclui.

*Sobre a Protekseg*
A Protekseg atua no desenvolvimento de soluções em segurança, como controle de acesso veicular, para catracas e portas, sistemas de câmera, além da execução de projetos para indústrias, hospitais, faculdades e escolas. A empresa foi reconhecida com o título de Melhor Case do Ano de 2018 pela Digicon, a partir de um projeto desenvolvido em um prédio comercial, o Scopa Platinum Corporate, com bloqueios Dflow, solução pioneira no conceito de passagem livre, também chamado de free flow, que são bloqueios de vidro que ficam normalmente abertos, fechando somente com a não autorização de acesso pelas Catracas, sendo esse o principal produto da Linha de Acesso da Digicon.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…