Fortaleza sediará o 68º Congresso Brasileiro de Coloproctologia


Fortaleza foi a Capital escolhida para sediar o 68º Congresso Brasileiro de Coloproctologia, encontro científico anual realizado pela Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP). Esse ano, o evento acontece entre os dias 18 a 21 de setembro, no Terminal Marítimo de Passageiros, no Mucuripe.

A coloproctologia brasileira se desenvolve por meio da importante e delicada missão de tratar os pacientes acometidos por doenças colorretais. As técnicas, as abordagens e as indicações de tratamentos e cirurgias são voltadas aos pacientes nas mais diversas fases da vida.

Segundo a presidente do congresso, Sthela Murad Regadas, o evento terá uma grade científica de alto nível, conjugada a uma programação social, que será de grande importância para o crescimento profissional dos especialistas, assim como dos médicos residentes e estudantes em geral. “O Congresso vai contar com a participação de 24 convidados internacionais, especialistas da Coloproctologia de vários países. Essa participação é importante porque é um reconhecimento do papel científico que a sociedade brasileira tem em âmbito mundial. Para nós, é um respaldo científico realizar esse evento”, disse.

Entre os temas que serão abordados estão: o câncer de colo retal, as doenças inflamatórias intestinais e as cirurgias através da laparoscopia e da robótica, atualmente já utilizadas em procedimentos na região do abdômen e do reto. “Também serão discutidas as novas ações, as novas drogas, os novos tratamentos e também as doenças do assoalho pélvico, que englobam a constipação, as doenças anorretais e a incontinência fecal, que acomete 20% da população, porém pouco falada, pois as pessoas têm vergonha de compartilhar o problema com os médicos”, explicou a presidente do SBCP.

Setembro Verde

O Congresso Brasileiro de Coloproctologia acontece no mesmo mês em que é celebrado o “Setembro Verde”, dedicado à campanha de conscientização e prevenção do câncer colorretal (câncer no intestino e reto). A presidente do evento afirma que esse tipo de câncer é o segundo mais frequente entre as mulheres e o terceiro entre os homens. O câncer colorretal é silencioso e pode evoluir sem sintomas, por isso, a necessidade de os pacientes consultarem especialista coloproctologista, com periodicidade, para avaliação completa e decisões dos exames de prevenção adequados. “Ele pode ser prevenido, pois começa como um câncer benigno, mas se não for tratado, vira um tumor maligno”, diz Sthela Murad Regadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça