#audioinclui

sexta-feira, 20 de setembro de 2019

Produção de Gypsophila em São Benedito dobra e empresa mira mercado externo


Há seis anos, produtores de flores no Ceará decidiram apostar no plantio da Gypsophila, conhecida por sua delicadeza e numerosas florzinhas. A intensa luz solar e a terra fértil da Serra da Ibiapaba foram fundamentais para o plantio das flores na região.

Desde 2017, a Reijers, maior produtora de flores do País, ampliou a capacidade produtiva do gênero Gypsophila de seis para 13 hectares. A produção diária gira em torno de 20 mil unidades, totalizando aproximadamente 7,2 milhões por ano. “A empresa mudou a estratégia de plantio para que a flor seja ainda mais competitiva”, ressaltou Gustavo Vieira, diretor de produto da companhia.

Segundo ele, a Reijers tem em seu portfólio as variedades Dynamic Love e a Pearls Blossom, já conhecidas no mercado internacional. No entanto, a oportunidade de negócios está na White Victoria, considerada atualmente uma nova tendência mundial.

Para o presidente da Reijers, Roberto Reijers, o foco é o mercado externo. “Em pouco tempo a empresa se tornou uma das maiores produtoras do gênero Gypsophila no Brasil. A ideia é que a Reijers continue avançando no mercado interno. Boa parte do que é produzido no Ceará segue para os estados do Norte e Nordeste, assim como para as regiões Centro-Oeste e Sudeste. A companhia está finalizando uma das etapas do trabalho para voltar a exportar”, declarou o empresário.

Estrutura

A Reijers também é a única produtora do País a utilizar uma técnica de pós-colheita inédita que trabalha de maneira uniforme na abertura das rosas. “Outras empresas colhem as flores a uma taxa de sucesso entre 50% e 70% de abertura dos botões. Quando realizam a colheita, terão flores maduras, que vão envelhecer antes das demais, ficando escuras e também terão botões imaturos que não chegarão a abrir depois de colhidos”, ressaltou o diretor de produto da companhia.

 “No processo da Reijers, que conta com estrutura moderna e totalmente climatizada, em 72 horas ocorre a indução da abertura das flores recém-colhidas. A taxa de sucesso gira entre 90% e 100%”, complementou Gustavo Vieira.

0 comentários:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.