Pular para o conteúdo principal

Operação “Roda Viva” investiga crimes contra a Administração Pública em Nova Russas

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Nova Russas, com o apoio de promotores designados pela Procuradoria Geral de Justiça (PGJ) e da Polícia Civil, deflagrou, na manhã desta terça-feira (10/12), a Operação “Roda Viva”, que apura crimes contra a Administração Pública no município de Nova Russas.
Foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão na sede do Departamento Municipal de Trânsito de Nova Russas (Demutran) e nos endereços residenciais dos investigados Massilon Ferreira de Sousa, chefe do Demutran de Nova Russas, Maria das Graças Calixto da Silva, servidora do Demutran, e Valcélio Abreu Rodrigues, chefe de gabinete da Prefeitura de Nova Russas.
As investigações no âmbito da operação “Roda Viva” apontam para a existência dos crimes de corrupção passiva, inserção de dados falsos em sistema de informações e associação criminosa, além de outros ilícitos ligados à liberação irregular de veículos no âmbito do Departamento Municipal de Trânsito de Nova Russas.
As medidas foram autorizadas, a requerimento do Ministério Público, pelo juiz Luiz Eduardo Viana Pequeno, titular da 2ª Vara de Nova Russas. A Justiça determinou, ainda, a suspensão provisória do exercício dos cargos ocupados por Massilon Ferreira de Sousa e Maria das Graças Calixto da Silva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…