Pular para o conteúdo principal

Joca Reiners Terron lança novo romance no Porto Iracema



O evento acontece no dia 24 de janeiro e terá bate-papo e sessão de autógrafos

Uma aventura literária macabra e surpreendente, que tem como pano de fundo a região amazônica. É esse o mote de “A morte e o meteoro” (Todavia), novo romance de Joca Reiners Terron, que será lançado no próximo dia 24, a partir das 20h, no Pátio do Porto Iracema das Artes. Além da sessão de autógrafos, o autor participará de um bate-papo mediado por Júlio Camilo. O evento é aberto ao público.

Considerado um dos grandes nomes da literatura brasileira contemporânea, Terron recebeu o prêmio Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional de 2010, pelo livro “Do fundo do poço se vê a lua”. Em sua nova obra, o autor apresenta um enredo intrincado, que combina segredos ancestrais, índios anarquistas, insetos alucinógenos e uma viagem sangrenta pelos lugares mais sombrios do passado e do futuro.

De 20 a 24 deste mês, Terron também estará no Porto Iracema em mais uma edição do projeto Fábulas de Janeiro, com a oficina de escrita ensaística “Viagem ao redor do meu banheiro”. A formação conta com 25 vagas e as inscrições estão abertas até esta quarta-feira, dia 15

Sobre Joca Reiners TerronJoca Reiners Terron nasceu em Cuiabá, em 1968. Estreou na ficção com Não há nada lá (2001) e publicou, entre outros livros, os romances Do fundo do poço se vê a lua (Prêmio Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional, 2010), A tristeza extraordinária do leopardo-das-neves (2013) e Noite dentro da noite (2017). Atualmente vive em São Paulo.

Sobre Júlio CamiloJúlio Camilo diz que Fortaleza, onde nasceu e se criou, é seu quintal e seu portal para o universo. Posta regularmente textos no perfil do Instagram @cronicalencarina, além de participar esporadicamente como colaborador em outros sites. Recentemente recebeu menção honrosa no XXI concurso de contos do Ideal Clube. Apesar de não ser poeta, tem também alguns poemas publicados na antologia Substansial. Atualmente, prepara o seu primeiro livro de contos.

Sobre a EscolaO Porto Iracema das Artes é uma instituição da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará, sob gestão do Instituto Dragão do Mar (IDM). Criada em 29 de agosto de 2013, há seis anos desenvolve processos formativos nas áreas de Música, Dança, Artes Visuais, Cinema e Teatro, com a oferta de Cursos Básicos e Técnicos, além de Laboratórios de Criação. Todas as ações oferecidas são gratuitas.

Serviço
O quê: Lançamento do livro “A morte e o meteoro” (Todavia), de Joca Reiners Terron
Com sessão de autógrafos e bate-papo mediado por Júlio Camilo

Quando: Sexta-feira, 24 de janeiro, às 20h
Onde: Pátio do Porto Iracema (Rua Dragão do Mar, 160, Praia de Iracema)
Aberto ao público

“A morte e o meteoro”Editora: Todavia
120 páginas
R$ 49,90 / Ebook: 29,90

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…