Pular para o conteúdo principal

Operação de saturação mobiliza 1.800 PMs para combater criminalidade em Fortaleza e Região Metropolitana


18 DE JANEIRO DE 2020 - 12:49 # # # # # # # # # #


Com o objetivo de combater a criminalidade em pontos estratégicos de Fortaleza e de municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), a Polícia Militar do Ceará (PMCE) deflagrou uma operação de saturação que mobilizou 1.800 agentes de segurança pública entre a tarde dessa sexta-feira (17) e a madrugada deste sábado (18). Ao todo, foram feitas 3.497 abordagens a pessoas, que resultaram em sete prisões, seis armas de fogo apreendidas e no recolhimento de 23 veículos. O secretário da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), André Costa, acompanhou de perto os trabalhos, ao lado do efetivo da PMCE. A Coordenação Geral de Operações (CGO) da PMCE foi responsável por elaborar o planejamento estratégico das ações policiais. A operação se encerrou às 2 horas deste sábado (18).
A operação foi elaborada para reforçar as ações de combate a crimes contra a vida, de roubos e furtos que já acontecem nessas localidades. “Tudo é feito com base no planejamento estratégico da PMCE, levando em consideração os dados da SSPDS, que são georreferenciados, ou seja, mapeiam os locais com os maiores índices de crimes. Por isso, é importante registrar o Boletim de Ocorrência, pois eles norteiam as nossas ações. Esse policiamento, que é um reforço às equipes que já estão nas ruas, serve para levar ainda mais sensação de segurança ao cidadão, assim como atua para inibir ações criminosas”, destacou André Costa.
As prisões efetuadas durante a operação foram levadas para as delegacias plantonistas da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE). Os flagrantes incluem infrações à Lei de Drogas (tráfico de drogas) e ao Estatuto do Desarmamento (porte ilegal de arma de fogo). Agora, as unidades da Polícia Civil irão manter as investigações acerca da participação dos presos em outras práticas delituosas nas regiões onde as prisões aconteceram.
Foram empregadas equipes do Comando de Policiamento de Choque (CPChoque), da Força Tática, do Batalhão de Polícia de Trânsito Urbano e Rodoviário Estadual (BPRE), do Comando de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (CPRaio) e do Comando de Policiamento Especializado (CPE). O foco da operação foi a realização de abordagens por meio de blitze, ocupação de territórios e saturação fixa e móvel abordando condutores e passageiros de motocicletas e pessoas em coletivos. Os policiais militares atuaram em bairros das Áreas Integradas de Segurança (AIS) 2, 3, 7 e 9 de Fortaleza e nos municípios de Caucaia, Cascavel, Guaiúba e Pacatuba, pertencentes às AIS 11, 12 e 13, na RMF.
O reforço policial atuou de forma complementar ao policiamento ordinário, que já garante a segurança da população no dia a dia. O efetivo atuou por meio da Indenização de Reforço ao Serviço Operacional (IRSO), que estabelece o pagamento de horas extras para militares do Ceará para trabalharem voluntariamente durante as folgas. O efetivo foi dividido por turno: 400 PMs que entraram no turno tarde e outros 1.400 que se apresentaram à noite, sendo distribuídos em bairros de Fortaleza e nos municípios da RMF.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…