Pacote de MP’s ainda não alcança os prejuízos da pandemia do novo coronavírus



Em tempos de Covid-19 o Governo Federal já anunciou ações que juntas somam a quantia de R$ 1,169 trilhão de reais. O dinheiro é dividido por meio das Medidas Provisórias (MP’s) editadas, entre os gastos voltados para empresas, saúde, trabalhadores, estados e municípios. Ao todo foram 29 MP’s, porém, esse número poderá aumentar.

Para apoiar os empresários e evitar a quebra generalizada das pequenas, médias e grandes empresas, as MPs disponibilizaram uma média de R$ 274,1 bilhões em créditos para preservação do fluxo de caixa. Para a saúde foi liberado R$ 24,3 bilhões visando a aquisição de insumos voltados para o tratamento e proteção contra a covid-19 e compra de equipamentos, serviços, contratação de pessoas e campanhas educativas vinculadas ao Ministério da Saúde.

Visando garantir a subsistência da classe trabalhadora, as MPs disponibilizaram algo em torno de R$ 212,4 bilhões para trabalhadores, desempregados e informais. Para os desempregados e informais, as três parcelas do auxílio emergencial de R$ 600,00 busca ajudar as pessoas mais vulneráveis. Teve MP ainda, autorizando novos saques do FGTS, em junho de 2020, com o repasse do fundo PIS/PASEP e a extinção desses últimos. Bem como antecipação do décimo terceiro salário dos aposentados e pensionistas e redução dos juros para empréstimos.

Buscando prevenir demissões em massa, as MPs criaram programas de manutenção do emprego e renda, garantindo o salário de vários trabalhadores por meio de contas vinculadas ao seguro-desemprego. Somados aos bilhões para financiamento da folha de pagamento das empresas, as cifras chegaram a casa de R$ 524,4 bilhões.

Cerca de R$ 133,4 bilhões foram destinados aos fundos estaduais e municipais, além da dispensa de licitação para os entes públicos adquirirem insumos, bens e serviços voltados ao enfrentamento da covid-19. Mas segundo o advogado trabalhista Bruno Vaz Carvalho, o ciclo do dinheiro não vem se concluindo, uma vez que cerca de 600 mil pequenas empresas fecharam as portas. De acordo com o SEBRAE, mais de 50% das empresas que pediram empréstimos bancários receberam um NÃO como resposta e cerca de 30% ainda esperam o resultado final da liberação desse dinheiro.

O advogado ainda explica, que mesmo com tantos bilhões injetados em empresas e trabalhadores, os estudiosos da Fundação Getúlio Vargas apontam um aumento de 5 milhões de desempregados em apenas três meses de pandemia. Isso faz com que a taxa de desempregados chegue a quase 17 milhões no fim de junho de 2020. Em relação ao endividamento da população, apesar do que foi disponibilizado para o povo, as dívidas consumeristas não foram pagas. Cerca de 91 milhões de brasileiros não pagaram as contas referentes ao mês de março que envolvem carnês e crediários, empréstimos bancários, catões de crédito e cheque especial. “Os valores recebidos através das MP’s não foram gastos para esse tipo de despesa, mas provavelmente para subsistência”, finaliza Bruno.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça