Pular para o conteúdo principal

Dezembro Vermelho: SESI Ceará aborda prevenção às infecções sexualmente transmissíveis



Durante o Dezembro Vermelho é preciso ressaltar as informações sobre a prevenção às infecções sexualmente transmissíveis (IST). O último mês do ano recebeu esse nome por ser uma extensão ao Dia Mundial de Combate à AIDS celebrado no dia 1º. Esta data foi definida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) na década de 80, período em que a AIDS vivia uma realidade muito diferente da atual. 


Desde então, aconteceram muitos avanços em tratamento e diagnóstico de HIV ((Human Immunodeficiency Virus) e AIDS (Acquired Immune Deficiency Syndrome) que mudaram o curso natural da doença. “Podemos dizer que esses avanços se devem à luta constante pelo combate à AIDS, pois a melhor forma de combatê-la é falar sobre ela, eliminar os estigmas que temos até hoje em relação as pessoas portadoras do HIV e com AIDS. A sociedade precisa compreender que é possível viver e conviver com o HIV de forma plena, saudável e feliz”, informa a médica do SESI Ceará Yara Maria Freitas Bezerra (CREMEC 11923/RQE 8603).


HIV x AIDS


Ainda, nos dias atuais, muitas pessoas confundem os termos utilizados, mas o HIV é usado para se referir ao vírus da imunodeficiência humana. Já a AIDS significa síndrome da imunodeficiência adquirida. Ou seja, HIV é um vírus e AIDS é uma síndrome que pode ser desenvolvida por pessoas portadoras desse vírus.


A médica do SESI Ceará explica que a AIDS ocorre quando o vírus, se não descoberto logo, começa a afetar os leucócitos, um tipo de células de defesa do corpo e o deixa mais vulnerável as diversas doenças oportunistas. Elas são conhecidas assim porque precisam encontrar o sistema imunológico enfraquecido para se manifestarem. Ao longo do tempo, as doenças oportunistas vão debilitando de forma progressiva a saúde da pessoa doente, podendo levar à morte. 


Infecção


Atualmente, fala-se mais sobre prevenção às infecções sexualmente transmissíveis (IST) e não mais doenças sexualmente transmissíveis como no passado. Segundo a Dra. Yara Bezerra essa troca do termo DST para IST foi muito oportuna, pois nem sempre uma infecção se manifesta como doença. 


“O que precisamos é evitar a infecção. Evitando a infecção, evitamos a doença. A melhor forma de prevenção contra a grande maioria das ISTs é o uso correto de preservativo durante a relação sexual. Para algumas infecções também há vacinação, como a contra a hepatite B e o HPV, por exemplo; ambas distribuídas pelo Sistema Único de Saúde (SUS)”, declara.


Bezerra ressalta que muitas pessoas não têm conhecimento, mas atualmente, no caso de exposição ao HIV, também há a possibilidade de usar medicações para evitar que, após exposição ao vírus, não haja a infecção. “Essa situação é mais frequente em pessoas que sofrem abusos sexuais ou em profissionais de saúde que se acidentam no trabalho e se expõem a material perfurocortante contaminado”, diz. 


No caso desse tipo de exposição é necessário procurar os Centros de Referência para doenças infecciosas do município. Se acontecer no expediente laboral, o médico do trabalho responsável precisa ser informado para avaliar o profissional de saúde acidentado e seguir o procedimento para evitar a infecção do profissional. 


Medicações

Existem diversas doenças e infecções sexualmente transmissíveis que uma vez diagnosticadas e corretamente tratadas pode-se conseguir a cura por meio de medicações, como sífilis, infecções por clamídia ou gonococo. Porém, para algumas doenças, não se consegue a cura, como AIDS e hepatite B, havendo risco de se tornar crônica ou levar a morte.


“O fundamental é que as infecções sejam diagnosticadas ainda antes de se tornarem doenças, assim a possibilidade de evitar complicações é bem maior. Para a infecção pelo HIV, por exemplo, o acompanhamento médico regular feito com exames e consultas evita a progressão para AIDS”.


O recomendado é que exames para detecção de IST sejam feitos rotineiramente, especialmente no público de maior risco que englobam pessoas abaixo de 30 anos ou em pessoas que não façam uso de preservativo. Uma IST detectada precocemente abre a possibilidade de quebrar a cadeia de transmissão, bem como, ser tratada antes de surgirem sintomas e complicações. É importante lembrar que tanto o tratamento como os exames para diagnóstico são acessíveis a qualquer pessoa por meio do SUS. 


Atenção na gestação

O principal mito relacionado a gestação é pensar que um homem ou mulher portadores de HIV estão fadados a não procriarem. A médica do SESI Ceará explica que a gestação em um casal HIV positivo é possível, contudo, é necessário que estejam fazendo acompanhamento regular com médico e haja uma programação da gestação para que aconteça no momento ideal com risco de transmissão próximo ao zero. 


Já foi reconhecido pela OMS, baseado em diversos estudos, que uma pessoa portadora de HIV que esteja com o vírus indetectável por mais de seis meses não transmite o vírus por via sexual. Ou seja, é possível que um casal tenha relação sexual sem preservativo se tiver o objetivo de engravidar. No entanto, a transmissão vertical ainda pode acontecer. Uma gestante portadora de HIV precisa ter o parto programado e não pode amamentar. A transmissão vertical nesta situação é o principal risco.


Assistência médica


Durante as consultas de rotina com o médico de confiança do paciente é possível fazer uma abordagem para levantar o risco de IST de forma que todos os exames necessários sejam solicitados. Quanto mais cedo uma IST ou Doença Sexualmente Transmissível (DST) for diagnosticada, melhor será o prognóstico dela. 


Nas clínicas do SESI, em Fortaleza, Maracanaú, Sobral e Juazeiro do Norte, é possível realizar atendimento médico com urologista e ginecologista, além de médicos clínicos credenciados, e fazer exames específicos para diagnóstico de infecções sexualmente transmissíveis.


Mais informações acesse www.sesi-ce.org.br ou ligue 85 4009.6300

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340