Pular para o conteúdo principal

Museu de Arte Contemporânea do Ceará abre exposição do artista visual cearense Eduardo Frota nesta quinta-feira (2)

 

Mostra apresenta desenhos e grandes intervenções do artista que dialogam sobre arte e arquitetura.

O Museu de Arte Contemporânea do Ceará (MAC-CE), equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (Secult Ceará) que integra o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura (CDMAC), gerido em parceria com o Instituto Dragão do Mar (IDM), abre, nesta quinta-feira (2), às 19h, a exposição “DESENHOS. geometria imperfeita / cavidades dilatadas”, do artista visual fortalezense Eduardo Frota. Com curadoria de Jacqueline Medeiros, a mostra reúne desenhos e elaborações de grandes dimensões no plano das paredes do museu.

Alinhado com o último decreto estadual, o acesso ao Museu permanece condicionado à apresentação do passaporte vacinal com pelo menos a 2ª dose ou dose única (a depender do imunizante) e do documento de identificação com foto. Até 4 de setembro de 2022, a mostra poderá ser conferida de terça a sexta, das 9h às 18h (acesso até 17h30), e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 19h (último acesso 18h30).

Partindo da premissa de que, num museu de arte contemporânea, a obra não deve ser mediada por nenhum suporte, o artista desbrava a superfície da materialidade concreta do museu para criar nova fisicalidade. Com uma intervenção artística ampla e direta na arquitetura do próprio museu, Frota lança questões sobre arte, arquitetura, fluxo, espaço e tempo, tais como o que significa ser um museu de arte contemporânea do ponto de vista da arquitetura, circuitos de arte no Brasil ou ainda até que ponto a obra de um artista contemporâneo está submetida a arquitetura do espaço expositivo. Trabalhando com o mínimo de material possível, mas essencialmente o que sugere a expansão do próprio espaço, o artista desnuda desenhos e formas, muitos deles revelados pelo próprio ambiente.

Para a curadora Jacqueline Medeiros, Frota usa o elemento da geometria como disparador para o pensamento contemporâneo da arte, mais uma expansão do gesto artístico do que a procura perfeita da simetria geométrica idealizada. “Aqui, a geometria é como um corpo elástico e não como um desenho precisamente calculado. São representações construídas com suas condições físicas imperfeitas por terem sido realizadas manualmente”, afirma Medeiros.

O artista passa a integrar o projeto Trajetórias, programa a partir do qual o MAC-CE convida o público a conhecer ou revisitar o trabalho de artistas cearenses, ou radicados e que produzem no Ceará há muito tempo, a fim de resgatar, fomentar e difundir essas produções. Reconhecido nacionalmente, Eduardo Frota é um artista de importante e intensa trajetória. A mostra, além de evidenciar o seu percurso, apresenta esse trabalho inédito.

De acordo com a gestora do MAC-CE, Cecília Bedê, a proposta do artista coincide com o momento em que o Museu experimenta processos de revisão, reanálise e recuperação de acervo histórico e ações museológicas em geral, de estreitamento de sua relação com a cidade, o entorno, a classe artística e o público e reflexão e amadurecimento da sua razão de existir. Se a contemporaneidade pressupõe a dilatação, a revolução e a ampliação das perspectivas estruturais e históricas, Frota lança novas perspectivas de olhar e escava a superfície do reboco, a pele do museu. Descortina e descobre espaços naturais do prédio, antes invisíveis e distantes de se tornarem objeto significante. Talha na pele do museu desenho e texto, revela camadas internas, cores, fendas e orifícios. Cria relevos e novas geografias, e, com eles, traz à tona narrativas e processos históricos.

“Para além dessa experiência, que é bastante corporal, esse gesto também nos permite pensar sobre todo um percurso, que já conta com 23 anos de vida, e como esse equipamento responde ao título que ele mesmo carrega. Nos possibilita discutir sobre sua origem e a cena artística do momento em que ele nasce até os dias de hoje e isso representa falar sobre modernidade e contemporaneidade em um só espaço-tempo”, afirma Bedê.

O artista

Eduardo Frota é natural de Fortaleza, Ceará, onde vive e trabalha. Formado no Curso Intensivo de Arte/Educação (CIAE) Escolinha de Arte do Brasil – EAB, Rio de Janeiro, RJ, Licenciatura Plena em Educação Artística pela Faculdades Integradas Bennet, RJ. Frequentou a Escola de Artes Visuais – EAV, Parque Lage, RJ no início dos anos 1980 e os cursos do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro -MAM / RJ. Nos anos 1990-2012 foi cofundador e coordenador do núcleo de artes plásticas do Alpendre Casa de Arte Pesquisa e Produção. Fortaleza – CE. Em 2001, foi curador adjunto do II Programa Rumos Visuais Itaú para os estados do Ceará, Piauí, Maranhão e Tocantins. Participou da III Bienal do Mercosul – Porto Alegre – RS, da XXV Bienal Internacional de São Paulo – SP, Novas Aquisições – Coleção Gilberto Chateaubriand – MAM – RJ. As principais exposições individuais: 1988 Galeria Macunaíma – FUNARTE e 1991 – IAB/RJ – Instituto dos Arquitetos do Brasil no Rio de Janeiro – RJ, Centro Cultural São Paulo – SP – Artista Convidado, em 2002 Galeria Vicente do Rego Monteiro – Fundação Joaquim Nabuco – Recife – PE, 2003 CCBB – São Paulo -SP, série de Intervenções Extensivas em 2005 no Museu Vale do Rio Doce – Vila Velha – ES, 2006 no MAM – Rio de Janeiro – RJ, no Palácio das Artes – Belo Horizonte – MG, no Centro Universitário MariAntônia da USP – São Paulo – SP, 2008 no Museu Oscar Niemeyer – Curitiba – PR, 2010 Associações Disjuntivas I – ALPENDRE – Fortaleza – CE, 2018 DES / Construir sobre ruínas na Fundação Marcos Amaro – Itu – SP, 2019 Revólver a terra para semear heterotopias – Sem Título Arte – Fortaleza e Rotas de Extravios na Caixa Cultural Fortaleza.

A curadora

Jacqueline Medeiros é bacharel em Artes Visuais pela Universidade Grande Fortaleza, mestre e doutora em História a Crítica da Arte pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Participou do grupo de curadoria e de organização do 68º Salão de Abril Sequestrado de Fortaleza(2018) e curadora geral do 70º Salão de Abril de Arte de Fortaleza (2019). Possui selo editorial Pano de Roda: território e movimento com publicações sobre artistas cearenses, desde 2017. Coordenou a catalogação do acervo de arte do Banco do Nordeste (2012 e 2020). De 2016 a 2019, foi curadora da programação de exposições no espaço autônomo Sem Titulo Arte. De 2003 a 2014, trabalhou como coordenadora de artes visuais no Centro Cultural Banco do Nordeste Fortaleza, onde implantou a sistemática de editais públicos, curadoria de exposições do acervo do BNB e criou junto com artistas locais – Solon Ribeiro, Enrico Rocha, Eduardo Frota e Waléria Américo – três edições do Laboratório de Arte Contemporânea para artistas iniciantes. Possui textos sobre arte cearense na revista Dastares (ed. 47) e em livros sobre os artistas cearenses Herbert Rolim, Diego de Santos, Solon Ribeiro, Henrique Viudez e Eduardo Frota, Simone Barreto, Zenon Barreto, dentre outros. Realizou as exposições Rotas de Extravios, Revolver a terra para semear heterotopias e 1ª Lição de Geometria: O Quadrado de Eduardo Frota.

Serviço:

Abertura da exposição “DESENHOS. geometria imperfeita / cavidades dilatadas”, de Eduardo Frota.
Curadoria: Jacqueline Medeiros
Data: 02 de junho de 2022 (quinta-feira)
Horário: 19h
Local: Museu de Arte Contemporânea do Ceará (Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura – Rua Dragão do Mar, 81 – Praia de Iracema)
Gratuito e livre. Acesso liberado mediante apresentação de passaporte vacinal para pessoas com idade a partir de 12 anos (2ª dose ou dose única, a depender do imunizante) e documento de identificação com foto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340

Idomed Canindé realiza capacitação de profissionais da saúde sobre acolhimento e humanização do atendimento no SUS

  Os profissionais da saúde da atenção básica no município de Canindé, além dos profissionais que atuam na Central de Marcação do município e na Central de Abastecimento Farmacêutico, participaram de capacitação sobre acolhimento e humanização do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), na última semana. O evento aconteceu no auditório do  Instituto de Educação Médica Idomed Canindé em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Canindé e com o Ciclo Permanente de Educação Continuada da Faculdade Estácio de Canindé. Segundo o professor Dr. Orleâncio Gomes Ripardo de Azevedo, coordenador do programa de extensão do Idomed de Canindé, a capacitação é um importante passo para o fortalecimento dos trabalhos da rede pública de saúde. “Esse tipo de ação de aprimoramento que estamos proporcionando aos profissionais da saúde irá beneficiar todos, principalmente a população que utiliza os serviços de saúde pública”, explica. A diretora da unidade de Canindé, Iael Marinheiro, explica que