Colabora Inova - Capital cearense desponta como primeira do Nordeste no segmento de coworkings


Escritórios compartilhados conquistam empreendedores em Fortaleza. Flexibilidade e networking são os principais atrativos do novo modelo
Empreender no Brasil, como sabemos, não é uma tarefa fácil. Burocracia para a abertura de empresas, alta carga tributária, custo do capital elevado e os pesados encargos trabalhistas são só alguns dos desafios que os microempresários precisam enfrentar. A boa notícia é que algumas despesas como a locação de um escritório, a compra do mobiliário, instalação de linhas telefônicas e internet hoje são totalmente dispensáveis graças ao crescente número de escritórios compartilhados à disposição no país, em especial nas grandes cidades.
Os coworkings, como também são chamados esses espaços, vêm aumentando em ritmo acelerado. Após obter um crescimento de 114% em 2017, o segmento registrou nova alta de 48% em 2018, alcançando um total de 1.194 escritórios em todo o país, de acordo com o Censo Coworking Brasil.
Espaços compartilhados de trabalho em Fortaleza se tornaram boa opção para empresas que querem cortar custos de operação e para pequenos empreendedores que não têm dinheiro para montar o próprio escritório. Hoje, são 34 na Capital cearense, o que coloca a cidade como a primeira do Nordeste neste segmento. Entre os novos players do mercado está o Coworking Trunfo, fundado em dezembro de 2018, pelos sócios Davi Ribeiro e Diego Aguiar.
Davi tem uma agência de Marketing Digital, Trunfo Digital, e sentia necessidade de sair do modelo tradicional de escritório que não incentivava a criatividade. Já Diego trabalha como consultor empresarial e necessitava de uma base de trabalho onde pudesse realizar seus estudos e ainda aumentar seu network. Ambos já conheciam o modelo de coworking. Mas, acreditavam que poderiam fazer mais.
Amigos de faculdade, atuavam com clientes da região da Parquelândia e notaram o crescimento do bairro, especialmente nos últimos anos, com a chegada de empreendimentos residenciais e comerciais, acompanhada da instalação estabelecimentos dos mais diversos ramos, ampliando a oferta de serviços para os moradores.
Resolveram então fazer uma pesquisa de mercado e identificaram uma demanda de outros profissionais da região e de outras próximas que se viam “obrigados” à se deslocar por horas no trânsito de Fortaleza para chegar à Aldeota, bairro que concentra a maioria dos coworkings da Capital. Com o resultado da pesquisa, fizeram o Plano de Negócios e resolveram investir na região.
Assim, surgiu o Coworking Trunfo, um ambiente compartilhado para profissionais que inspira criatividade, promove network, completa necessidades empresariais e ainda reduz seus custos.
“Com a crise, as pessoas começaram a perder empregos e tinham dificuldade de retornar ao mercado. Então, muita gente resolveu empreender de alguma forma, buscar alternativas de trabalho. O coworking ganhou espaço como espécie de solução para muitas empresas nos últimos três anos. Outra vertente do setor é a redução de custos, tanto de pequenas empresas quanto de empresas já estabelecidas, que encontram no coworking uma oportunidade para otimizar sua estrutura e conter gastos”, explica Davi Ribeiro.
 Não é somente a questão financeira que tem atraído cada vez mais profissionais autônomos e empresas para os coworkings. A liberdade para trabalhar em um local descontraído e propício para o networking também é apontada como diferencial dos escritórios compartilhados. “É uma opção melhor do que o home office, já que permite que as pessoas se relacionem, troquem ideias e experiências ao longo do dia. Esse é um formato que já vem sendo adotado até mesmo dentro de algumas empresas, com o objetivo de melhorar a fluidez da comunicação”, afirma o co-fundador do Coworking Trunfo e consultor credenciado do SEBRAE/CE.
Estrutura
O Coworking Trunfo funciona de 8h às 18h, de segunda-feira a sexta-feira, e oferece desde endereço fiscal até escritórios virtuais, cinco salas privativas (com capacidade para até oito pessoas cada), uma sala compartilhada para até nove pessoas, além de auditório, sala de reunião e treinamentos com capacidade para até 20 pessoas, equipamentos audiovisuais de alta tecnologia e internet de alta velocidade.
Com a crescente procura por espaços colaborativos de trabalho, o Coworking Trunfo tem em suas metas ampliar o atendimento até o primeiro semestre de 2020. Estão no projeto mais quatro novas salas privativas, uma sala compartilhada para até 18 pessoas e uma área de convivência, podendo receber simultaneamente 77 coworkers, em uma área projetada tanto para profissionais liberais quanto para receber pequenas empresas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça