#audioinclui

terça-feira, 7 de maio de 2019

*Maio amarelo: Trânsito Brasileiro é responsável por mais de 60% dos leitos hospitalares*


_Segundo a Organização Mundial da Saúde, o trânsito é uma questão de saúde pública e especialistas explicam que os danos afetam o físico e a mente_

No mês que se voltam os olhos para o alto índice de mortes e feridos no trânsito, um último estudo do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), aponta que os Brasileiros passam em média quase 40 dias por ano dirigindo e uma dado da  Organização Nacional de Segurança Viária (ONSV) aponta que cerca de 60% dos leitos do Sistema Único de Saúde, são ocupados por vítimas do trânsito.

Segundo a última pesquisa do DPVAT, seguro que cobre vítimas de trânsito, só no Ceará, mais de 18.000 pessoas ficaram com sequelas devido a acidentes de trânsito no último ano.

Para além dos acidentes, o infectologista Anastácio Queiroz afirma que o trânsito contribui para o agravamento de problemas de saúde. “O contato com a poluição gerada pelos veículos pode contribuir para ataques cardíacos, derrames e doenças do sistema respiratório”, afirma o especialista. Além disso, dirigir por muitas horas pode trazer prejuízos para coluna e pescoço, dores pelo corpo, piorar a qualidade do sono e elevar a pressão arterial. Para a psicóloga Rachel Camurça, as horas no trânsito pode trazer danos à saúde física e mental “As horas no trânsito podem ocasionar problemas sérios de coluna, respiração e principalmente agravamento de geração de estresse.”

*Violência no trânsito*

 De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS),  o Brasil aparece em quinto lugar entre os países recordistas em mortes no trânsito e ainda segundo o estudo, sem campanhas de conscientização, a OMS estima que 1,9 milhão de pessoas devem morrer no trânsito em 2020 e 2,4 milhões, em 2030.

O estresse é um dos principais fatores para brigas no trânsito, às vezes uma batida simples pode virar uma situação em que pessoa pode ser violenta. Os acidentes também são motivo de chateação e as pessoas acabam reagindo de forma agressiva. A psicóloga Rachel Camurça analisa: “Na maioria das vezes em situações de estresse, a pessoa faz uma reflexão sobre o problema e no trânsito por conta do nível alto de estresse, da pressa, da impaciência isso se agrava.” O advogado especialista em trânsito, Rodrigo Nóbrega analisa: "Todas essas situações podem caracterizar além de infrações de trânsito, crimes de lesão corporal -caso seja constatada agressão física- ou crimes contra honra."

Para evitar esses casos, o advogado explica que não existe uma receita mágica mas uma boa dica é tentar sair em horários que não sejam de pico e se por acaso alguém tiver diante de uma situação que possa ser agredida fisicamente ou verbalmente, o ideal é anotar a placa do veículo e sair do local em segurança.

0 comentários:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.