#audioinclui

domingo, 11 de agosto de 2019

Eleições 2020 - *RODA DE CONVERSA* *“Queremos uma gestão que seja igual para todos, sem distinção”, afirma Carlos Matos*



Considerado um dos poucos bairros de Fortaleza que ainda concentram um rico patrimônio cultural material, o bairro *Jacarecanga* recebeu neste sábado (10/08),  a sétima edição da Roda de Conversa promovida pelo PSDB, evento que tem por objetivo levantar sugestões para um plano de governança para a cidade. Os participantes apontaram que a área experimenta uma retomada valorização de seu espaço, com novos edifícios, shopping popular e até um centro universitário, mas antigos problemas se agravaram.

Com uma população formada em sua maioria de idosos, os moradores enfrentam problemas de trânsito, invasão de calçadas, atuação comercial desordenada, entre outras atividades irregulares. Também é histórica a ausência de saneamento e descaracterização de seu patrimônio arquitetônico e da principal área de lazer do bairro, a Praça Gustavo Barroso, em frente ao Liceu do Ceará. Apesar de estar em obras, os moradores apontam que o projeto prevê mudanças em seu traçado que tende a piorar ainda mais a fluidez do tráfego, segundo avaliações feitas por eles.

De acordo com o presidente do PSDB-Fortaleza, Carlos Matos, pré-candidato do partido à Prefeitura de Fortaleza, essas rodas de conversa tucanas têm gerado boas oportunidades para debater a cidade, a partir dos movimentos de bairros,  “além de ser eventos totalmente democráticos, onde todos abrem suas opiniões, sem restrições”.

O PSDB também tem aproveitado os encontros para estimular novas lideranças a pensar o processo eleitoral do ano que vem, facilitar novas filiações e estimular pré-candidatos a vereador. O partido tem, atualmente, apenas uma  vaga na Câmara Municipal de Fortaleza, com o vereador Plácido Filho, e pretende triplicar sua representatividade no Legislativo da Capital.

*“O que sentimos aqui na Jacarecanga tem similaridade do que vimos em outros bairros, que é o sentimento de que a população que mora fora da chamada área nobre sente-se alienada dos efeitos de uma gestão que seja igual para todos, sem distinção”*, ressalta Carlos Matos.

0 comentários:

Postar um comentário

Expresse aqui a sua opinião sobre essa notícia.