Federação alerta: empregados da Caixa representam quase metade de bancários com suspeita de contaminação em Pernambuco. No Ceará, 12 agências são fechadas




De acordo com Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), situação tende a piorar com pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial, que começa nesta próxima segunda-feira (18) e continua centralizado no banco
 Um total de 271 bancários de Pernambuco contraíram ou apresentam sintomas da Covid-19. Destes, 105 são empregados da Caixa Econômica Federal e 54 deles são casos suspeitos de terem sido contaminados pelo coronavírus. O número (54) representa 46% — quase a metade — dos 116 trabalhadores de seis bancos com suspeitas da doença no estado, segundo levantamento atualizado nesta sexta-feira (15) pelo Sindicato dos Bancários de Pernambuco e a Associação do Pessoal da Caixa (Apcef-PE).
No Ceará, 12 agências da Caixa estão fechadas por suspeitas ou confirmações de empregados contaminados pela Covid-19. A medida foi tomada, de acordo com a Apcef-CE, em duas unidades da capital Fortaleza (Virgílio Távora e José Walter) e em dez agências do interior: Baturité, Camocim, Cascavel, Horizonte, Itaitinga, Limoeiro, Pacajus, Pecem, Sobral e Tauã. Em Pernambuco, mais uma unidade precisou suspender o atendimento nesta quinta-feira: a da Rua Capitão João Velho, no centro de Caruaru, agreste do estado.
“A situação só tende a piorar; inclusive, porque o pagamento da segunda parcela do auxílio emergencial começa nesta próxima segunda-feira (18) e continua centralizado no banco”, alerta o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sérgio Takemoto. “A insistência do governo em manter o pagamento do auxílio centralizado na Caixa é uma atitude irresponsável, criminosa, com riscos enormes não só para os mais de 50 milhões de beneficiários — que têm enfrentado filas e aglomerações nas agências — como também para os 50 mil bancários da Caixa à frente deste atendimento essencial à população”, ressalta Takemoto, ao observar que, na segunda-feira, quase 20 milhões de cadastrados no Bolsa Família poderão fazer o saque do auxílio.
CONFIRMAÇÕES E SUSPEITAS — De acordo com a Apcef-PE e o Sindicato dos Bancários de Pernambuco, o estado registra pelo menos 155 casos confirmados de trabalhadores com Covid-19. Além da Caixa (com 51 casos), estão neste levantamento os bancos Santander (com 35), Bradesco (com 32), Itaú (com 19), do Brasil/BB (com 14) e do Nordeste/BNB (com 4).
Em relação aos 116 bancários com suspeitas da doença, a Caixa lidera o balanço (com 54 casos). Na sequência, os bancos Santander (com 31 casos), Bradesco (com 16), BB (com 8), BNB (com 5) e Itaú (com 2).
“Infelizmente, os bancários também são vítimas da ineficiência e da irresponsabilidade do governo”, afirma o presidente da Fenae. Além de centralizar o pagamento do auxílio emergencial na Caixa Econômica e subestimar a quantidade de beneficiários — que pode chegar a 100 milhões de pessoas, segundo estima o próprio governo — demonstrando “total falta de planejamento”, Sérgio Takemoto ainda aponta outro erro cometido pelo Executivo.
“Até agora, não se fez uma ampla e efetiva campanha de informação à sociedade, que acaba recorrendo às agências para o cadastramento ao auxílio (que só pode ser feito pela internet ou por aplicativo de celular) ou para situações que poderiam ser resolvidas por telefone. Equívocos claros do governo e que impossibilitam a solução definitiva dos problemas que estamos vendo desde o início de abril”, destaca o presidente da Fenae.
REITERADAS COBRANÇAS — Sérgio Takemoto Lembra que além de ofícios à direção da Caixa e ao Ministério da Saúde — solicitando, entre outras medidas definitivas, a descentralização do pagamento do auxílio emergencial e a realização de uma abrangente campanha informativa à sociedade — a Fenae e a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT) enviaram ofício ao governador da Bahia, Rui Costa, presidente do Consórcio do Nordeste. No documento, as entidades pedem apoio aos nove governadores da região para a organização das filas e aglomerações em agências da Caixa.
“Diante da omissão do governo e da falta de ações coordenadas em nível nacional, é necessário colocar todos (os órgãos aptos) para fazerem o atendimento à população. Envolver não só os governos estaduais como também as prefeituras, por exemplo”, defende Takemoto. “O governo continua jogando para os trabalhadores da Caixa a responsabilidade de organizar o pagamento do auxílio emergencial. Esse não é o papel dos bancários, que estão se desdobrando e colocando em risco a própria saúde para atender a todos que precisam; especialmente, os mais carentes”, reforça o presidente da Fenae.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça