Pular para o conteúdo principal

CBMCE recebe apoio do Governo do Estado para combater incêndios ambientais

O governador Camilo Santana decretou estado de emergência ambiental no Ceará devido ao maior risco de incêndios florestais e queimadas, no período compreendido entre julho de 2020 a janeiro de 2021.

O secretário da pasta do Meio Ambiente, Artur Bruno, explica o que muda com o decreto do estado de emergência ambiental.

É a primeira vez que acontece a decretação de estado de emergência ambiental voltada para a questão de incêndios florestais partindo do âmbito estadual, já que historicamente tinham origem federal.

A delimitação do período foi estabelecida pelo Comitê Estadual de Prevenção, Monitoramento, Controle de Queimadas e Combate aos Incêndios Florestais (PREVINA), coordenado pela SEMA. O secretário Artur Bruno justifica o período escolhido.

O PREVINA é composto de uma Secretaria Executiva exercida pela Superintendência Estadual do Meio Ambiente – SEMACE e de uma Sala de Situação, lotada na FUNCEME.

A Sala de Situação abastece o Comitê com informações acerca de monitoramento de focos de calor ao longo do território cearense, via satélites meteorológicos e das condições meteorológicas da superfície.

Assim, podem identificar possíveis queimadas ou incêndios florestais, bem como informar sobre a propagação do fogo na vegetação.

Essa situação de emergência ajudará a Secretaria do Meio Ambiente a facilitar a aquisição de novos materiais e da contratação temporária de brigadistas para as áreas de conservação, devido a diminuição dos processos burocráticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Obituário - Esposa do dono da Betânia morre vítima de Covid- 19

Faleceu agora a pouco, vítima da Covid-19, a Sra. Gladia Girão, esposa do empresário Luiz Girão, dono da Lacticínios Betânia.

Terreno na Dom Luís é bloqueado pela justiça

A 8ª Vara Cível da Comarca de Fortaleza deferiu a favor da PH Empreendimentos, empresa do Sr. Paulo Henrique Martins, o pedido que proíbe a transferência e a alienação dos terrenos que formam o imóvel localizado na Avenida Dom Luís (entre as ruas Coronel Jucá e Professor Dias da Rocha) onde antes funcionava o Shopping Dom Luís. 
​Através de contrato com a Construtora Manhattan, o imóvel foi transferido e o pagamento, que deveria começar em 2014, não ocorreu. A Construtora também descumpriu diversas obrigações neste período. Embora a situação tenha rendido dissabores ao Sr. Paulo desde então, tentou-se buscar o bom senso da Construtora ao longo destes anos, sem sucesso. Em janeiro deste ano, foi iniciado o processo judicial cujo número é 0102164-08.2017.8.06.0001. 
Com a decisão da juíza Dra. Ana Kayrena da Silva Freitas, por meio do ofício 147/2017, o imóvel fica intransferível e inalienável como garantia de Justiça até que o processo seja julgado, haja vista que a Construtora, coligada…