Pular para o conteúdo principal

Wolf Mask: UFC desenvolve nova máscara respiratória com uso multifuncional; patente já foi depositada

 A Universidade Federal do Ceará desenvolveu uma nova máscara para uso em pacientes com dificuldades respiratórias, inclusive nos casos graves de covid-19. O protótipo foi batizado de Wolf Mask e tem como características ser não invasivo e full face – ou seja, cobre todo o rosto. A proposta do equipamento é o uso em diferentes situações hospitalares e até em atendimento móvel.

Imagem: Wolf Mask, nova máscara respiratória com uso multifuncional
Os equipamentos foram testados, inicialmente, com profissionais que lidam com máscaras respiratórias em ambientes hospitalares (Foto: Ribamar Neto/UFC)

De acordo com o vice-reitor e idealizador do projeto, Prof. Glauco Lobo, a ideia surgiu a partir do uso de máscaras de mergulho adaptadas para funções respiratórias em outros países, e até mesmo no Brasil, no início da pandemia de covid-19. "Mas entendemos que adaptar uma coisa que não foi feita para aquilo não é o mais indicado. Por isso, nossa ideia foi desenvolver um projeto já com as características de uma máscara de assistência ventilatória não invasiva", explica.

Ele enfatiza que o objetivo do novo equipamento é ser mais uma opção na rede hospitalar, e não substituir outros já existentes. Agora o desafio é encontrar um parceiro externo que possa produzir um número maior de máscaras para a realização de testes em pacientes e, assim, receber a autorização para uso da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). A estimativa da equipe é concluir todas essas etapas ao longo do próximo ano.

Para o reitor da UFC, Prof. Cândido Albuquerque, a Wolf Mask é mais uma mostra da capacidade inovadora da Instituição. Ele ainda garantiu que a administração superior irá se empenhar diretamente na busca por uma parceria para que o projeto possa contribuir, em breve, com o setor de saúde no País.

Veja outras imagens da Wolf Mask no Flickr da UFC

FUNCIONALIDADE ‒ O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Rodrigo Porto ‒ responsável por articular a montagem da equipe multidisciplinar que desenvolveu o protótipo ‒, informa que o depósito da patente já foi feito e ressalta as características inovadoras da máscara. "O principal diferencial, além de um ajuste anatômico, é que a Wolf Mask terá mais pontos de conexão com os equipamentos hospitalares. Isso permitirá seu uso inclusive no pré-atendimento hospitalar e por socorristas, em ambulâncias e UTIs móveis, por exemplo", afirma. Rodrigo Porto destaca ainda a contribuição da Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura (FCPC), que repassou recursos financeiros para a compra de equipamentos e insumos do projeto.

Imagem: A equipe simulou o uso da máscara com pacientes em diferentes posições no leito a fim de avaliar a praticidade do equipamento
A equipe simulou o uso da máscara com pacientes em diferentes posições no leito a fim de avaliar a praticidade do equipamento (Foto: Ribamar Neto/UFC)

Os testes do protótipo com voluntários foram realizados no Laboratório de Simulação da Gerência de Ensino e Pesquisa (GEP) do Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC) e mostraram a eficácia do equipamento. De acordo com as fisioterapeutas Andréa Nogueira e Renata Vasconcelos, integrantes da equipe multiprofissional que trabalha no projeto, foram feitos testes com os chamados juízes, que são especialistas na área, e com profissionais de saúde com experiência em ventilação mecânica não invasiva.

Renata explica que foi utilizado um monitor multiparamétrico para avaliar a eficácia da oxigenação por meio do acompanhamento dos sinais vitais dos voluntários. Já Andréa comenta que essa é "uma máscara multifuncional que possibilita a aplicação em três situações diferentes, a depender do equipamento disponível no serviço de saúde e da severidade do quadro clínico do paciente". Assim, ela poderia ser usada em equipamentos como o respirador mecânico (circuito duplo), bipap (circuito único) ou conectada na rede de gases (alto fluxo com oxigênio e ar comprimido). "No geral, para cada situação citada temos [atualmente] uma interface específica e a Wolf Mask se aplica às três situações", comenta.

DESENVOLVIMENTO DO DESIGN ‒ Um dos primeiros desafios da equipe foi a concepção de um formato que deixasse o protótipo ao mesmo tempo funcional e confortável para uso pelos pacientes. "O produto que projetamos tinha o objetivo, em princípio, de ter essa interface multifuncional adaptável às várias configurações. Outros dois fatores levados em consideração e que foram desafios técnicos significativos são o uso prolongado exigido pelos tratamentos (máximo conforto) e o consumo de oxigênio ‒ que exige da interface uma adaptação precisa ao rosto, de modo a diminuir os vazamentos e evitar desperdícios", explica o Prof. Eugênio Moreira, do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFC.

Imagem: Duas pessoas seguram a wolf mask
As primeiras máscaras foram confeccionadas em impressora 3D para a realização dos testes clínicos (Foto: Viktor Braga/UFC)

Além disso, o desenho foi projetado levando em consideração diferentes posições do paciente no leito, como, por exemplo, na pronação, quando o paciente é deitado de "barriga para baixo", o que mostrou efetividade em casos de pacientes internados com covid-19. "Para isso, tomamos como base o desenho de máscaras de CPAP [normalmente utilizadas no tratamento de apneia] e máscaras snorkel de mergulho", informa.

A equipe também avaliou a condução dos fluxos inspiratório e expiratório e as entradas foram colocadas no topo da cabeça para facilitar a operação. "O desenho dessas válvulas também foi pensado para ter uma máxima flexibilidade na montagem dos diversos setups, para que fosse atingida com o mínimo de peças extras possível, eliminando a necessidade de complexas montagens para a preparação de uma configuração específica", detalha Eugênio Moreira.

EQUIPE ‒ Também participaram do desenvolvimento do projeto os professores do Curso de Design, Diego Eneas Peres Ricca; da Faculdade de Medicina, Arnaldo Aires Peixoto Júnior; da Faculdade de Medicina e da Gerência de Ensino e Pesquisa do Complexo Hospitalar da UFC, Renan Magalhães Montenegro Júnior; do Departamento de Engenharia de Teleinformática, Jarbas Aryel Nunes da Silveira e Fábio Cisne Ribeiro; além do estudante e bolsista do Curso de Design, Pedro Campos, e de Diego Normandi Maciel Dutra, que colaborou com a comunicação visual da interface.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340

Idomed Canindé realiza capacitação de profissionais da saúde sobre acolhimento e humanização do atendimento no SUS

  Os profissionais da saúde da atenção básica no município de Canindé, além dos profissionais que atuam na Central de Marcação do município e na Central de Abastecimento Farmacêutico, participaram de capacitação sobre acolhimento e humanização do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), na última semana. O evento aconteceu no auditório do  Instituto de Educação Médica Idomed Canindé em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Canindé e com o Ciclo Permanente de Educação Continuada da Faculdade Estácio de Canindé. Segundo o professor Dr. Orleâncio Gomes Ripardo de Azevedo, coordenador do programa de extensão do Idomed de Canindé, a capacitação é um importante passo para o fortalecimento dos trabalhos da rede pública de saúde. “Esse tipo de ação de aprimoramento que estamos proporcionando aos profissionais da saúde irá beneficiar todos, principalmente a população que utiliza os serviços de saúde pública”, explica. A diretora da unidade de Canindé, Iael Marinheiro, explica que