Pular para o conteúdo principal

Referência no cenário cult nacional, duo cearense Banana Scrait recria “Manhã de Carnaval”, de Luiz Bonfá

Single estará no EP “Eletro Bossa Nova”, onde o casal se reinventa


Crédito: Nicolas Gondim


De meados da década de 90 até aqui, o duo Banana Scrait já vestiu muitas peles, passando pelo rock, pela psicodelia, pelo progressivo e pela música clássica, flertando desde sempre com a eletrônica. Agora, Andrea Agda e Daniel Arruda dão destaque à brasilidade inerente ao seu som com o ousado projeto “Eletro Bossa Nova”, que reunirá releituras cheias de personalidade em um EP. Após os primeiros singles, “Água de Beber” e “Dindi”, o casal cearense volta-se para outro clássico. “Manhã de Carnaval” está disponível nas principais plataformas.


Ouça “Manhã de Carnaval”: https://smarturl.it/ManhaDeCarnaval 


Na sequência do desafio de trazer um novo olhar para canções icônicas de Tom Jobim, os músicos encaram com reverência a obra de Luiz Bonfá, sem deixar de trazer as suas próprias personalidades para essa composição marcante da trilha do filme “Orfeu Negro” (1959) e assinada por Bonfá e Antônio Maria. Com o sucesso do longa e da própria canção, esta acabou se tornando uma das representantes do jazz brasileiro no exterior, tendo sido regravada por nomes que vão de Plácido Domingo a Cher, de Stan Getz a George Benson.


A abordagem de Banana Scrait para o projeto “Eletro Bossa Nova” é uma nova interpretação para clássicos desse ritmo brasileiríssimo por natureza com uma vibração nova: da chillwave, lounge music e até o funk com batida sincopada. É o caso dessa releitura de “Manhã de Carnaval”, combinando suingue e poesia com um toque de melancolia guiada pelo sax tenor no que talvez seja a versão mais ousada de todo o álbum. 


O novo EP vem para somar à discografia de Banana Scrait, que surgiu para canalizar as influências roqueiras de Andrea e Daniel - entre elas, The Smiths, Breeders e Elastica. O sucesso no nordeste logo se amplificou para o sudeste. A primeira demo foi lançada pelo respeitado selo Midsummer Madness em 1995, seguida pelo álbum “Yes, We Have Bananas”, dois anos depois. Em 2001 viria o EP “Tecnotopia”, unindo seu som a elementos eletrônicos. 


Após um período de hiato em Recife e de volta a Fortaleza, o Banana Scrait trabalhou no disco “Giostra” (2015), mesclando releituras do maestro Alberto Nepomuceno com composições próprias. Ainda em 2015, viria o álbum “Voo”, que começou a ser gestado em Pernambuco reunindo forte influência da MPB e utilizando instrumentos como clarinete, saxofone, vibrafone, sintetizador, piano, ukulele, castanholas e trombone, além de baixo, guitarra e bateria.


Agora, Banana Scrait segue se reinventando com uma sequência de singles. Além de “Dindi”, “Água de Beber” e “Manhã de Carnaval”, “Eletro Bossa Nova” contará com “Berimbau” (Baden Powell), “Favela” (Tom Jobim) e “Gentle Rain” (Luiz Bonfá).



Ficha técnica

Andrea Agda - Voz, guitarras e violão

Daniel Arruda - Sax, Rhodes e sintetizadores

David Brasileiro - Baixo

Produzido por David Brasileiro

Gravado no Sonido estúdio (CE) por David Brasileiro

Mixado e masterizado no Panorama estúdio (CE) por David Brasileiro


Acompanhe Banana Scrait:

https://www.bananascrait.com.br/ 

https://bananascrait.bandcamp.com/ 

https://soundcloud.com/bananascrait 

https://www.youtube.com/channel/UCVgpfgIGGhY6E0FU_CBig3g/featured 

https://www.facebook.com/bananascrait 

https://www.instagram.com/bananascrait/ 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340

Idomed Canindé realiza capacitação de profissionais da saúde sobre acolhimento e humanização do atendimento no SUS

  Os profissionais da saúde da atenção básica no município de Canindé, além dos profissionais que atuam na Central de Marcação do município e na Central de Abastecimento Farmacêutico, participaram de capacitação sobre acolhimento e humanização do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), na última semana. O evento aconteceu no auditório do  Instituto de Educação Médica Idomed Canindé em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Canindé e com o Ciclo Permanente de Educação Continuada da Faculdade Estácio de Canindé. Segundo o professor Dr. Orleâncio Gomes Ripardo de Azevedo, coordenador do programa de extensão do Idomed de Canindé, a capacitação é um importante passo para o fortalecimento dos trabalhos da rede pública de saúde. “Esse tipo de ação de aprimoramento que estamos proporcionando aos profissionais da saúde irá beneficiar todos, principalmente a população que utiliza os serviços de saúde pública”, explica. A diretora da unidade de Canindé, Iael Marinheiro, explica que