Pular para o conteúdo principal

Gabriel Aragão solidifica trajetória solo com EP “ABRECAMINHOS”

Álbum chega com clipe para a faixa inédita “Toca o Barco”



Gabriel Aragão é um multi artista que comprova sua versatilidade com um novo capítulo em sua trajetória: o lançamento do primeiro EP solo, “ABRECAMINHOS”. O trabalho vem na sequência da estreia literária do artista, “O Livro das Impermanências” (Editora Letramento, 2021), do lançamento da trilha para o filme “Malhada Vermelha” e de mais de uma década à frente da banda Selvagens à Procura de Lei, referência no indie rock nacional. Agora, Gabriel mostra outro lado de suas canções em quatro faixas, incluindo a inédita “Toca o Barco”, que também ganha um clipe.


Ouça “ABRECAMINHOS”: https://ingroov.es/abrecaminhos

Assista ao clipe “Toca o Barco”: https://youtu.be/B-1jLFZp154 


O EP surgiu durante o auge da pandemia e isolamento social, com cada músico e equipe trabalhando e gravando direto de seu home studio. Tudo aconteceu sob o comando do produtor Paul Ralphes, que assinou as gravações dos Selvagens e tinha familiaridade e sintonia com a forma como Aragão gosta de trabalhar. Essa naturalidade se transferiu para o repertório, uma coleção curta, porém potente de composições inéditas do cantor e compositor.


“Dentre as canções que escrevi nesse período, sobras que não foram gravadas pelos Selvagens, rascunhos e novas parcerias, minha escolha se baseou num conceito muito específico, mas que permeia toda minha trajetória até aqui: o mar. Acho que o fato de ter me isolado na cidade de São Paulo, passado por dois invernos em isolamento com um filhinho recém-nascido, com uma vista para prédios e quase nada de luz solar e céu azul, me fez escrever não exatamente ‘sobre o mar’, mas ‘através do mar’”, reflete Gabriel, que é natural de Fortaleza.


Porém, nem todas as composições de “ABRECAMINHOS” vem da solidão. “Toca o Barco”, faixa-destaque desse lançamento, veio da notícia trágica da morte do jornalista Ricardo Boechat. Na época, a composição era voltada para o álbum dos Selvagens à Procura de Lei e acabou ficando de fora do repertório. 


“Eu gostava muito do Boechat. Ouvia toda manhã suas impressões na Band News FM e adorava sua frase encorajadora que servia de empurrãozinho pros ouvintes seguirem o dia: ‘toca o barco!’. A música então, gravada posteriormente no contexto da pandemia, acabou virando algo maior que o luto por uma pessoa específica, mas um sentimento coletivo (o que, de certa forma, acredito, dialoga com a missão de jornalista)”, resume Aragão.


As demais canções do EP seguem a mesma ideia de vulnerabilidade emocional. “Se Você Quiser”, primeira parceria com Roberta Campos, foi inspirada nos relacionamentos durante a pandemia, com muitas separações, momentos difíceis, mas, ao mesmo tempo, celebrando quem conseguiu se reconstruir. “Dia Cheio”, que também ganhou um clipe, foi escrita quando Gabriel estava numa praia em Fortaleza, com uma letra abstrata que reflete sobre a passagem do tempo e a mortalidade. Só depois de gravada foi que ele notou um paralelo interessante: um dos sucessos com os Selvagens à Procura de Lei, quando tinha 20 e poucos anos, se chama “Tarde Livre”. Agora, com a chegada dos 30 e da carreira solo, vem “Dia Cheio”, um retrato fiel da adultez e da paternidade. 


Assista ao clipe “Dia Cheio”: https://youtu.be/Uz8175Sxdv8


“Onda” serve como introdução do EP, se fundindo perfeitamente a “Toca o Barco” em um arranjo feito com Felipe Pacheco Ventura (Baleia), pegando elementos de “Dia Cheio”, última faixa, e unindo as pontas do EP nesse conceito de maré. Os ciclos das águas e seu poder de renovação estão presentes por cada parte de “ABRECAMINHOS”, do título à arte de capa, passando pelos versos e acordes.


“Até pouco tempo não tinha certeza de que nome batizar este trabalho. Já chamei de ‘Mar Sem Fim", de ‘Velhos Caminhos, Novas Portas’, mas por algum motivo não batia. Me voltei então pro pessoal. Uma frase que durante todo esse período de Covid-19 eu dizia pra mim mesmo, como um talismã, era algo do tipo ‘vamo nessa, abre caminhos’. Daí surgiu o título deste primeiro lançamento, digitado quase como um grito de guerra: ‘ABRECAMINHOS’”, completa Gabriel Aragão.


Como um convite a desbravar as estradas da vida, o artista parte em uma jornada íntima e universal, intimista e plural, por águas nunca antes navegadas por ele. O EP está disponível nas principais plataformas de música.


Crédito: Murilo Amancio


Ficha técnica

VIDEOCLIPE     

música por GABRIEL ARAGÃO 

produção de videoclipe por SLABEM 

direção geral PEDRO BÜRGERBRAU e THOMAS HENNE

stylist MO BOAVENTURA 

editor TOTO PIETRO ALMADA

arte gráfica JOÃO LAURO FONTE

agradecimentos SANDÁLIAS CARTAGO


ÁUDIO

produção musical PAUL RALPHES 

direção artística GABRIEL ARAGÃO e PAUL RALPHES

mixagem VITOR FARIAS 

masterizado por CARLOS FREITAS no CLASSIC MASTER USA

edição ALEX REIS

arranjo de cordas FELIPE PACHECO VENTURA 

cordas F. P. VENTURA e RAFAEL CESÁRIO

baixo e teclados RODRIGO TAVARES 

guitarras FELIPE BADE

bateria e programações PAUL RALPHES 

voz e violão GABRIEL ARAGÃO


PRODUÇÃO

produção executiva FERGUS GALLAS e ANA PAULA VERISSIMO

lançamento SELO ROCKAMBOLE

distribuição digital INGROOVES

produção fotográfica e edição musical QUARTO DO VENTO

comunicação BUILD UP MEDIA


Acompanhe Gabriel Aragão:

https://www.instagram.com/gabrieloaragao/ 

https://www.youtube.com/channel/UCO52aQ_mfqcigFNkHxrnKGQ 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ajudem a jornalista Marina Alves- TV Verdes Mares

 Oi, gente! Boa noite! Os últimos dias de tratamento foram bem difíceis, por isso fiquei mais ausente por aqui. Agora, começo a recuperar um pouco as forças com a ajuda de transfusões de hemácias e plaquetas. No sentido mais literal que existe, doações que estão salvando a minha vida. Por isso, gostaria de pedir a quem quiser/puder, que me ajude e, consequentemente, ajude outras pessoas com o simples gesto de doar. Pra isso, é só chegar no Fujsan e dizer que quer doar hemácias e plaquetas pra Marina Alves Bezerra. Me disseram que precisa só do nome mesmo, mas se perguntarem mais alguma coisa, lá vai: Nasc 11/04/1989 / CPF: 037.610.203-92 / Inertada no setor de oncologia do Hospital da Unimed. Soube que plaquetas só podem ser doadas por homens, com veias calibrosas. Mas hemácias é uma doação de sangue “normal”. Outra coisa. Soube hoje pelo médico que me acompanha, que além do tratamento de quimioterapia já iniciado, vou precisar de um transplante de medula. Como não tenho irmãos, as cha

Endereços dos cines pornôs gays no Centro de Fortaleza

 ENDEREÇO DOS CINES DE FORTALEZA (CE) ☆CINE ARENA RUA MAJOR FACUNDO 1181 ☆CINE AUTORAMA RUA MAJOR FACUNDO 1193 ☆CINE MAJESTICK RUA MAJOR FACUNDO 866 ☆CINE SECRET RUA METON DE ALENCAR 607 ☆CINE SEDUÇÃO  RUA FLORIANO PEIXOTO 1307 ☆CINE IRIS  RUA FLORIANO PEIXOTO 1206 CONTINUAÇÃO ☆CINE ENCONTRO RUA BARÃO DO RIO BRANCO 1697 ☆CINE HOUSE RUA MENTON DE ALENCAR 363 ☆CINE LOVE STAR RUA MAJOR FACUNDO 1322 ☆CINE VIP CLUBE RUA 24 DE MAIO 825 ☆CINE ECLIPSE RUA ASSUNÇÃO 387 ☆CINE ERÓTICO RUA ASSUNÇÃO 344 ☆CINE EROS RUA ASSUNÇÃO 340

Idomed Canindé realiza capacitação de profissionais da saúde sobre acolhimento e humanização do atendimento no SUS

  Os profissionais da saúde da atenção básica no município de Canindé, além dos profissionais que atuam na Central de Marcação do município e na Central de Abastecimento Farmacêutico, participaram de capacitação sobre acolhimento e humanização do atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), na última semana. O evento aconteceu no auditório do  Instituto de Educação Médica Idomed Canindé em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde de Canindé e com o Ciclo Permanente de Educação Continuada da Faculdade Estácio de Canindé. Segundo o professor Dr. Orleâncio Gomes Ripardo de Azevedo, coordenador do programa de extensão do Idomed de Canindé, a capacitação é um importante passo para o fortalecimento dos trabalhos da rede pública de saúde. “Esse tipo de ação de aprimoramento que estamos proporcionando aos profissionais da saúde irá beneficiar todos, principalmente a população que utiliza os serviços de saúde pública”, explica. A diretora da unidade de Canindé, Iael Marinheiro, explica que